Home pharmaceutical service in Sinop/MT

Autores

  • R. G. Zampieron UFMT/CUS/FARMÁCIA http://orcid.org/0000-0002-9118-724X
  • L. Y. Sheng UFMT
  • G. A. Gama acadêmicos/ UFMT
  • M. A. R. Rissato UFMT
  • R. C. Z. Leitzke UFMT

DOI:

https://doi.org/10.36560/14120211189

Palavras-chave:

Pharmaceutical Service, Home Pharmaceutical Service, Self-monitoring

Resumo

The home pharmaceutical service is a type of pharmaceutical assistance common in several municipalities in the country, whether private or public. The objective of this study was to track chronic diseases, with emphasis on diabetes, obesity, hypertension, during home pharmaceutical services. During the consultations, which were random and concentrated in a neighborhood of Sinop-MT, a form was applied. During visits, clinical parameters were measured, such as: blood pressure; body index; abdominal circumference; glycemia; Findrisc score for diabetes mellitus; and any other illnesses that the patient was affected at that time, that is, the patient's current history of illness. The study was characterized by a quantitative and experimental methodological approach, such as field and intervention research. The study involved 19 households and 30 patients, occurring between September 25, 2019 to January 31, 2020. Of the total, 36.7% (n = 11) had hyperglycemia. When assessing BMI (Body Mass Index), 30.0% (n = 9) were overweight and 23.3% (n = 7) were obese; abdominal circumference (WC) in 36.7% (n = 11) suggested a high risk for the development of obesity; 26.6% (n = 8) were hypertensive. Seven patients (23.3%) were self-monitoring for diabetes, obesity and blood pressure. In the Findrisc Survey for risk factors for type 2 diabetes mellitus, 20.0% (n = 6) were classified as high risk and very high risk. The distribution in the age group was 33.3% (n = 10) for age <45 years and 66.7% (n = 20) for age> 45 years. Still, the responses to the questionnaire showed that 23.3% (n = 7) of patients declared a family history for diabetes. In the tracking of illnesses, there was an emphasis on type diabetes mellitus (20%; n = 7); obesity (20.0%; n = 7); hypertension (16.6%; n = 6); insomnia / anxiety (16.6%; n = 6); and dyslipidemia (8.4%; n = 3). Drug interactions were not observed in polypharmacy, a practice with a prescription rate of 22.2% (n = 4). With this study it was possible to discuss the role of the pharmacist with the team of the Family Health Assistance Center in tracking chronic diseases present in the population. Thus, it is possible to correlate these findings with the incident diseases, providing the future pharmaceutical professional with greater involvement in caring for his community and being able to act in maintaining health and with a sense of social responsibility.

Biografia do Autor

R. G. Zampieron, UFMT/CUS/FARMÁCIA

Professora do curso de farmácia UFMT, Sinop. Ministra disciplina de Assistência farmacêutica e Cuidados farmacêuticos na prática clínica, além de estágios.

Referências

AQUINO, D. S. Porque o uso racional de medicamentos deve ser uma prioridade? Ciência & Saúde Coletiva, 13: p. 733-736, 2008.

BARIM E.M, MCLELLAN K.C.P., NASCIMENTO C.M.R., ROSSATO S.L. Finnish Diabetes Risk Score FINDRISC: translation and cross-cultural adaptation, cross-sectional study and clinical uses. 132f. (Doctoral Thesis) – Saúde coletiva FMB, 2019.

BOTH, J. S.; KAUFFMANN C., ELY L. S., DALL'AGNOL R., RIGO M. P. M., TEIXEIRA M.F.N., STEFANI L. C. C. Cuidado farmacêutico domiciliar ao idoso: análise de perfil e necessidades de promoção e educação em saúde. Revista Caderno Pedagógico, 12(3): p. 66-84, 2015.

BRASIL. Ministério da saúde. Secretaria de assistência à saúde. Manual de diabetes. 92p, 1993.

BRASIL. Cadernos de atenção básica, n. 16. Brasília: Ministério da Saúde. 56p, 2006.

BRASIL, I.B.G.E. Instituto Brasileiro de geografia e Estatística. Censo demográfico 2010, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Brasília, 2011.

BRASIL. Vigitel. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, v. 132, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Capacitação para implantação dos serviços de clínica. Cuidado farmacêutico na atenção básica. Título. II. 2014a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Viva: Vigilância de Violências e Acidentes, 2014b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: obesidade. 2014c.

CABEZAS, V.P.Y.; ORMENO E.; PABIAZA, L.C.V. Automedicación de analgésicos nos narcóticos. Consultório Santo Tomás. Santiago do Chile, 2000. 114 p.

CARVALHO, M.F.C. A polifarmácia em idosos do Município de São Paulo: Estudo SABE – Saúde, bem-estar e envelhecimento. 195f. (Dissertação de mestrado). São Paulo (SP): Faculdade de Saúde Pública. Universidade de São Paulo, 2007.

CHAVES R.G., LAMOUNIER J.A., CÉSAR C.C. Automedicação em nutrizes e sua influência sobre a duração do aleitamento materno. Jornal de Pediatria 85 (2): 129-134, 2009.

CORRER C.J. Farmácia Clínica e a prestação de serviços farmacêuticos. 1 ed. Curitiba: Ed. Practice,

p. 2016.

FLOR L.S., CAMPOS M.R. Prevalência de diabetes mellitus e fatores associados na população adulta brasileira: evidências de um inquérito de base populacional. Revista Brasileira de Epidemiologia 20: 16-29, 2017.

GORZONI, M.L., FABBRI R.M.A., PIRES S.L. Medicamentos potencialmente inapropriados para idosos. Revista da Associação Médica Brasileira 58 (4): 442-446, 2012.

LINDSTROM J., TUOMILEHTOJ. The diabetes risk score: a practical tool to predict type 2 diabetes risk. Diabetes Care26(3): 725-31, 2013.

MANCINI, M. Obstáculo, diagnóstico e desafios terapêuticos no paciente obeso. Arq Bras Endocrinol Metabol 45: 584-608, 2001.

MARCONI M.A., LAKATOS E.M. Técnicas de pesquisa. 6. ed. São Paulo. Atlas, 289.2007.

MENEZES E.A., OLIVEIRA M.S., CUNHA F.A., PINHEIRO F.G., BEZERRA B.P. Automedicação com antimicrobianos para o tratamento de infecções urinária em estabelecimento farmacêutico de Fortaleza (CE). Infarma 16: 11-12, 2004.

NASCIMENTO R.C.R.M., ÃLVARES J., GUERRA JUNIOR A.A., GOMESI.C., SILVEIRA M.R., COSTA E.A., LEITE S.N., COSTA K.S., SOEIRO O.M., GUIBU I.A., KARNIKOWSKI M.G.O., ACURCIO F.A. Polifarmácia: uma realidade na atenção primária do Sistema Único de Saúde. Rev. Saúde Pública [on line] 51(2): 1-12, 2017.

OLIVEIRA C.L. Relação de indicadores de adiposidade com fatores de risco para doenças cardiovasculares em adolescentes com sobrepeso [Dissertação de Mestrado]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1999.

OLIVEIRA H.S.B., CORRADI M.L.G. Aspectos farmacológicos do idoso: uma revisão integrativa de literatura. Rev Med (São Paulo) 97(2): 165-76, 2018.

OLMEDILHA, R.; CAPPELARO, A. O papel do farmacêutico na atenção domiciliar. Revista de pesquisa e inovação farmacêutica 5(1): 31-37,2013.

SILVA D.A.M., MENDONÇA S.A.M., OLIVEIRA D.R., CHEMELLO C.A prática clínica do farmacêutico no núcleo de apoio à saúde a família. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro 16 (2): 659-682, 2018.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA (SBC). Departamento de Hipertensão Arterial. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Revista Brasileira de Hipertensão, São Paulo 24(1), 2017.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA; SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO; SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA. V Diretrizes de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (MAPA) e III Diretrizes de Monitorização Residencial de Pressão Arterial (MRPA). Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 97, n. 3, p. 1-24, set. 2011. Suplemento 3.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES (SBD). Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes. Editora Clannad. 2020.

TONIN F.S., WIECEK E., TORRES-ROBLES A., PONTAROLO R., BENRIMOJ S., FERNANDEZ-LLIMOS F., GARCIA-CARDENAS V. Uma técnica inovadora e abrangente para avaliar diferentes medidas de adesão a medicamentos: A meta-análise de rede. Pesquisa em Farmácia Social e Administrativa 15 (4): 358-365, 2019.

Downloads

Publicado

2021-01-02

Como Citar

Zampieron, R. G., Sheng, L. Y., Gama, G. A., Rissato, M. A. R., & Leitzke, R. C. Z. (2021). Home pharmaceutical service in Sinop/MT. Scientific Electronic Archives, 14(1), 80–86. https://doi.org/10.36560/14120211189

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)