Use of fire in the Escondido settlement, Mato Grosso-Brazil

Autores

  • A. S. Moura Empresa Santos Assessoria Ambiental e Engenharia LTDA-ME
  • A. T. Martins-Oliveira Universidade do Estado de Mato Grosso - Campus Nova Xavantina
  • L. B. Rosa Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Cuiabá
  • A. P. Machado Neto Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop

DOI:

https://doi.org/10.36560/14220211230

Palavras-chave:

Conservation, Prevention and combat, Environment pollution, Small farmer

Resumo

The practice of using fire by human populations is characterized as a production strategy in rural settlements, being used for several purposes, such as pasture cleaning, pest control, and to eliminate production waste. The study was conducted at the Federal Settlement Project Gleba do Escondido (PA Escondido), located in the municipality of Juara, in the northern region of the State of Mato Grosso, Brazil. In this context, we aim with the present work, to diagnose the previous knowledge of settled farmers on forest fires prevention and control strategies. To accomplish this, we applied a semi-structured questionnaire, with questions related to the use of fire, in addition to the approach on prevention techniques. In addition, we sought to know the social aspects, introducing questions regarding the social and cultural conditions of the interviewees. We applied the interviews to 42 settlers, involving individuals of both genders. The results show that part of the settlers still handle the fire inappropriately, in addition to little knowledge about the potential environmental effects of the fires. Thus, we verified that the socio-environmental profile of the settlers reflects the assistance policies employed in these communities. Therefore, the emergency tangent for maintaining a healthy environment would be the implementation of environmental education programs, with the objective of sensitizing the community about fire’s proper use and management, together with environmental conservation.

Referências

ALENCAR, A. A.; BRANDO, P. M. ASNER, G. P.; PUTZ, F. E. Landscape fragmentation, severe drought, and the new Amazon forest fire regime. Ecological applications, 25(6), p. 1493-1505, 2015.

ASSUNÇÃO, R.; TETTO, A. F.; BATISTA, A. C. O uso tradicional do fogo no assentamento Vale Verde, em Gurupi / TO. Espacios, 38(17) p. 19, 2017.

BATISTA, A. C. Mapas de risco: uma alternativa para o planejamento de controle de incêndios florestais. Floresta, Curitiba, 30, p. 45-54, 2000.

CANO‐CRESPO, A.; OLIVEIRA, P. J.; BOIT, A.; CARDOSO, M.; THONICKE, K. Forest edge burning in the Brazilian Amazon promoted by escaping fires from managed pastures. Journal of Geophysical Research: Biogeosciences, 120(10), p. 2095-2107, 2015.

COCHRANE, MARK A.; LAURANCE, WILLIAM F. Fire as a large-scale edge effect in Amazonian forests. Journal of Tropical Ecology, 18(3), p. 311-325, 2002.

COSTA, E. P.; FIEDLER, N. C.; MEDEIROS, M. B.; WANDERLEY, F. B. Incêndios florestais no entorno de unidades de conservação-estudo de caso na Estação Ecológica de Águas emendadas, Distrito Federal. Ciência Florestal, 19(2), p. 195-206, 2009.

COUGHLAN, M.R.; PETTY, A. M. Linking humans and fire: A proposal for a transdisciplinary fire ecology. International Journal of Wildland Fire, (21) 477–487. 2012.

DE FREITAS, J. P.; MEDEIROS, M. C. S.; SILVA, J. A. L.; DE FREITAS, F. E.; NETO, M. F. D. S. Agroecologia como alternativa para mudanças de um estilo de agricultura convencional para uma agricultura de base familiar: O caso do Assentamento Santo Antonio no município de Cajazeiras-PB. Campo-território: revista de geografia agrária, 9(17), 2014.

FEARNSIDE, P. M. Desmatamento na Amazônia: dinâmica, impactos e controle. Acta Amazonica, 36(3), p. 395-400, 2006.

FEARNSIDE, P. M.; BARBOSA, R. I.; PEREIRA, V. B. Emissões de gases do efeito estufa por desmatamento e incêndios florestais em Roraima: fontes e sumidouros. Revista Agroambiente On-line, 7(1), p. 95-111, 2013.

FIEDLER, N. C.; RODRIGUES, T. O.; MEDEIROS, M. B. Avaliação das condições de trabalho, treinamento, saúde e segurança de brigadistas de combate a incêndios florestais em unidades de conservação do Distrito Federal – estudo de caso. Revista Árvore, Viçosa, 30(1) p. 55-63, 2006.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2018. https://www.ibge.gov.br/

INCRA. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. 2016. http://www.incra.gov.br/pt/assentamento

KLINK, C. A.; MACHADO, R. B. A conservação do Cerrado brasileiro. Megadiversidade, 1(1), p. 147-155, 2005.

LIMA, G. S. A prevenção de incêndios florestais no estado de Minas Gerais. Floresta, Curitiba, (30), p. 37-43, 2000.

MACHADO NETO, A.P.; BATISTA, A.C.; BIONDI, D.; SOARES, R.V.; BATISTA, A.P.B. Incêndios florestais no Parque Nacional da Chapada dos Guimarães-MT entre 2005 e 2014. Nativa Pesquisas Agrárias e Ambientais, Sinop, 5(5,), p. 355-361, 2017.

MEDEIROS, M. B.; FIEDLER, N. C. Incêndios florestais no Parque Nacional da Serra da Canastra: desafios para a conservação da biodiversidade. Ciência Florestal, Santa Maria, 14(2), p. 157-168, 2003.

MESQUITA, A. G. G. Impactos das queimadas sobre o ambiente e a biodiversidade acreana. Revista Ramal de Ideias, 1(1), 2008.

MISTRY, J.; BIZERRIL, M. Por que é importante entender as inter-relações entre pessoas, fogo e áreas protegidas? Why it is important to understand the relationship between people, fire and protected areas. Biodiversidade Brasileira, 2, p. 40-49, 2011.

PEDROSO JÚNIOR, N. N.; MURRIETA, R. S. S.; ADAMS, C. A agricultura de corte e queima: um sistema em transformação. Bol. Mus. Para. Emilio Goeldi Cienc. Hum.,Belém, 3(2), p. 153-174, 2008.

Portal de Mato Grosso, 2015. https://portalmatogrosso.com.br/

REBOUÇAS, M. A.; DE LIMA, V. L. A. Caracterização socioeconômica dos agricultores familiares produtores e não produtores de mamão irrigado na agrovila Canudos, Ceará Mirim (RN). HOLOS, 2, 79-95, 2013.

RIBEIRO, H.; ASSUNÇÃO, J. V. Efeitos das queimadas na saúde humana. Estudos Avançados, São Paulo, 16(44), 2002.

RIBEIRO, L.; SOARES, R. V.; BATISTA, A. C.; SILVA, I. C. Análise do perigo de incêndios florestais em um município da Amazônia Mato-grossense, Brasil. Floresta, Curitiba, 41(2), p. 257-270, 2011.

RODRIGUES, M.F. Adoção do uso do fogo na agricultura: uma análise das crenças dos assentados e produtores das regiões do DF e entorno. 2014.

SANTOS, J. F.; SOARES, R. V.; BATISTA, A. C. Perfil dos incêndios florestais no Brasil em áreas protegidas no período de 1998 a 2002. Floresta, Curitiba, 36(1), p. 93-100, 2006.

SINTECSYS. Detecção de Incêndios Florestais. 2019. https://sintecsys.com/

SOARES, R. V. Novas tendências no controle de incêndios florestais. Floresta, 30, p. 11-21, 2000.

SOARES, R. V.; BATISTA, A. C. Incêndios florestais: controle, efeitos e uso do fogo. Curitiba: UFPR, p. 264, 2007.

SOARES, R. V.; BATISTA, A. C. TETTO, A. F. Incêndios florestais: controle, efeitos e uso do fogo. 2. ed. revisada. Curitiba: UFPR, p. 255, 2017.

SOUSA, M. C. de et al. Sustentabilidade da agricultura familiar em assentamentos de reforma agrária no Rio Grande do Norte. 2005.

DE SOUSA, M. C., KHAN, A. S., PASSOS, A. T. B., & LIMA, P. V. P. S. Sustentabilidade da agricultura familiar em assentamentos de reforma agrária no Rio Grande do Norte. Revista econômica do Nordeste, 36(1), p. 96-120, 2005.

SOUZA, A. R.; COSTA, H. B.; DANTAS, F. R.; TUPINAMBÁ, M. K. F. Monitoramento por satélite do risco de queimadas na região sul do Piauí. Anais. Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto – Geonordeste, 2014.

VETTORAZZI, C. A.; FERRAZ, S. F. B. Uso de sistemas de informações geográficas aplicados à prevenção e combate a incêndios em fragmentos florestais. IPEF 12(32), p. 111-115, 1998.

Downloads

Publicado

2021-01-26

Como Citar

Moura, A. S., Martins-Oliveira, A. T. ., Rosa, L. B., & Machado Neto, A. P. (2021). Use of fire in the Escondido settlement, Mato Grosso-Brazil. Scientific Electronic Archives, 14(2), 15–21. https://doi.org/10.36560/14220211230

Edição

Seção

Agricultural Science

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)