Qualidade microbiológica de queijos Minas Frescal artesanais

Autores

  • V. M. C. Batistella Universidade do Estado de Mato Grosso
  • A. Pedrosa Universidade do Estado de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.36560/14520211302

Palavras-chave:

Queijo artesanal, Salmonella, Listeria, Coliformes Totais e Termotolerantes

Resumo

Queijo Minas Frescal é classificado como semi gordo, de alta umidade e de massa crua, obtido por coagulação enzimática do leite com coalho ou com a ação de bactérias lácticas especificas. Quando se trata de produtos manuseados, principalmente queijos, a preocupação é grande em relação à contaminação por Salmonella sp., Listeria monocytogenes, coliformes totais e termotolerantes. O grupo de bactérias coliformes são os principais contaminantes relacionados à deterioração de queijos, acarretando em fermentações indesejadas. Quanto à Salmonela sp. sabe-se que está permanece viável em queijos contaminados por longo período de tempo, causando infecções alimentares. A Listeria monocytogenes pode ser introduzida no queijo Minas Frescal artesanal pela utilização de leite cru para sua fabricação. A ocorrência de doenças e de processos de deterioração indesejável reforça a necessidade de se realizar controle sobre a qualidade dos alimentos de origem animal. Nesse contexto, esse estudo apresenta um revisão bibliográfica acerca dos principais microrganismos analisados para controle da qualidade de queijo Minas Frescal, os perigos que esses microrganismos apresentam para saúde pública, bem como resultados de estudos reportando a qualidade desse produto alimenticio.

Referências

ALVES, A. R. F. Doenças alimentares de origem bacteriana. 2012. 87 p. (Dissertação de Mestrado). Universidade Fernando Pessoa, Portugal, Porto, 2012.

ALVES. V. O. Avaliação higiênico – sanitária de amostras de queijos Minas Frescal artesanais comercializados em feiras da cidade de Volta Redonda – RJ e suscetibilidade antimicrobiana das estirpes patogênicas isoladas. 132p. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal Fluminense, Niterói. 2013.

BARANCELLI, G.V. et al. Listeria monocytogenes: Ocorrência em produtos lácteos e suas implicações em saúde pública. Arquivo do Instituto Biológico, v.78, n.1, p.155-168, 2011.

BATISTA, F. M. A. et al. Leishmaniose: perfil epidemiológico dos casos notificados no estado do Piauí entre 2007 e 2011. Revista Univap, v. 20, n. 35, p. 44-55, 2014.

BRASIL. Ministério da Agricultura. Portaria nº 146, de 07/03/1996. 38 B.CEPPA, Curitiba, v.21, n.1, 2003. Regulamento técnico de identidade e qualidade de queijos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, p.3977-3978, 1996.

CAMPOS, L. C.; TRABULSI, L. R. Microbiologia: Escherichia. ed.3, São Paulo: Atheneu, 2002.

CARDOSO, A. L. S. P. et al. Pesquisa de coliformes totais e coliformes fecais analisados em ovos comerciais no laboratório de patologia avícola de Descalvado. Arquivo do Instituto Biológico, v.68, n.1, p.19-22, 2001.

CATÃO, R. M. et al. Listeria spp., coliformes totais e fecais e E.coli no leite cru e pasteurizado de uma indústria de laticínios, no estado da Paraíba (Brasil). Revista Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 21, n.3, p. 281-287, 2001.

CROXEN, M. A. Et al. Mecanismos moleculares da patogenicidade de Escherichia coli. Nature Reviews Microbiology, v.8, p.20-38, 2010.

DAGOSTIN, J. L. A. Avaliação de atributos microbiológicos e físico-químicos de queijo Minas Frescal elaborado a partir de leite carbonatado. 2011. 79p. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

DICKEL, E. L. et al. Análise comparativa entre microbiologia convencional, ELISA e PCR para detecção de Salmonella Enteritidis, S. Typhimurium, S. Gallinarum e S. Pullorum em carne de frango contaminada artificialmente. Revista Brasileira de Ciência Veterinária, v. 12, n.1/3, p.5-10, 2005.

FEITOSA, T. et al. Pesquisa de Salmonella sp., listeria sp. e microrganismos indicadores higiênico-sanitários em queijos produzidos no estado do Rio Grande do Norte. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 23, n. 3, p. 162-165, 2003.

GALDINO, V. M. C. et al. Virulência de Salmonella sp. de origem avícola e resistência a antimicrobianos. Bioscience Journal, v.29, n.4, p.932-939, 2013.

KOMATSU, R.S. et al. Ocorrência de Staphylococcus coagulase positiva em queijos Minas Frescal produzidos em Uberlândia-MG. Bioscience Journal, v.26, n.2, p.316 – 321, 2010.

LEITE, C. C. et al. Qualidade bacteriológica do leite integral (tipo C) comercializado em Salvador – Bahia. Revista de Saúde e Produção Animal, v.3, n.1, p.21- 25, 2002.

LOGUERCIO, A. P. et al. Microbiologia de queijo tipo Minas Frescal produzido artesanalmente. Revista Ciência Rural, v.31, n.6, p.1063-1067, 2001.

NASCIMENTO, F. M. S. Aplicação da Técnica PCR para Detecção de Bactérias Potencialmente Patogênicas em um Sistema UASB-Lagoas de Polimento para Tratamento de Esgoto Doméstico. 76p. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

PAULA, C. M. D. et al. Escherichia coli O157:H7 — patógeno alimentar emergente. Visa em debate: sociedade, ciência e tecnologia, v.2 n.4, p.23-33, 2014.

PERRY, K. S. P. Queijos: Aspectos químicos, bioquímicos e microbiológicos. Química Nova, v.27, n.2, p.293–300, 2004.

PINTO, F. G. S. et al. Qualidade microbiológica de queijo Minas Frescal comercializado no município de Santa Helena, PR, Brasil. Arquivo do Instituto Biológico, v.78, n.2, p.191-198, 2011.

RODRIGUES, J. et al. Levantamento das características físico – químicas e microbiológicas de queijos Minas Frescal e Mussarela produzidos no entorno de de Goiânia – GO. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, v. 9, supl. 1, p. 30-3, 2011.

SALVADOR, F. C. et al. Avaliação da qualidade microbiológica do leite pasteurizado comercializado em Apucarana-PR e região. Revista Fap Ciência, v.9, n.5, p.30 – 41, 2012.

SANGALETTI, N. et al. Estudo da vida útil de queijo Minas. Revista Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 2, p. 262 – 269, 2009.

SILVA, D. A. F. Análise microbiológica de amostras de queijo Minas Frescal comercializadas no estado do Rio de Janeiro. 39p. (Monografia). Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro. 2016.

SILVA, A. S. et al. Listeria monocytogenes in Milk and Dairy Products in Brazil: an Overview. Journal of Health Sciences, v.13 n.1, p.59-67, 2011.

SILVA, D. A. F. Análise microbiológica de amostras de queijo Minas Frescal comercializadas no estado do Rio de Janeiro. 39p. (Monografia). Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro. 2016.

SOUZA, I. A. et al. Qualidade microbiológica de queijos Minas Frescal comercializados na Zona da Mata Mineira. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, v. 72, n. 3, p. 152-162. 2017.

SYDOW, A. C. M. D. G. V. Avaliação da ocorrência de fatores de virulência em estirpes de Escherichia coli em fezes de cães errantes. 2005. 89p. (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

VINHA, M. B. et al. Qualidade de queijos Minas Frescal produzidos e comercializados informalmente em agroindústrias familiares. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável, v.6, n.4,p.51-60, 2016.

Publicado

2021-04-30

Como Citar

Batistella, V. M. C., & Pedrosa, A. (2021). Qualidade microbiológica de queijos Minas Frescal artesanais. Scientific Electronic Archives, 14(5), 99–103. https://doi.org/10.36560/14520211302