Mortalidade em neonatos residentes no município de Lagarto, nordeste do Brasil

Autores

  • Cibelle Alves Doria de Souza Universidade Federal de Sergipe
  • Iasmin Santos Andrade Universidade Federal de Sergipe
  • Karenine Maria Holanda Cavalcante Universidade Federal de Sergipe

Resumo

A prevalência de mortes ligadas ao componente neonatal, principalmente de caráter precoce, é bastante significativa. Objetivou-se compreender as causas de morte mais frequentes em neonatos residentes no município de Lagarto, nordeste do Brasil. Trata-se de um estudo observacional, de caráter documental, com abordagem quali-quantitativa, baseado nos dados do Sistema de Informação de Mortalidade e nas Fichas de Investigação do Óbito Infantil, entre 2017 e 2018. Considerou-se 26 óbitos para o estudo. Utilizou-se a estatística descritiva. A septicemia bacteriana e os transtornos respiratórios foram as causas mais frequentes. As variáveis sexo masculino, peso ao nascer < 2. 500g, infecção urinária, alterações no sumário/ cultura de urina não registradas, idade gestacional que o bebê nasceu < 37 semanas e ausência do uso do partograma estiveram associadas aos desfechos dos óbitos. Há a necessidade de melhorias à assistência integral ao pré-natal, parto e período neonatal.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: orientações para implementação. Brasília, p.180, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília, p. 318, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. Síntese de Evidências para Políticas de Saúde: mortalidade perinatal. Brasília. 2. ed. 44 p. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Manual de Preenchimento das Fichas de Investigação do Óbito Infantil e Fetal. Brasília. 47 p. 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilânciaem Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Saúde Brasil 2015/2016: uma análise da situação de saúde e da epidemia pelo vírus Zika e por outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Brasília. 386 p. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Manual de vigilância do óbito infantil e fetal e do Comitê de Prevenção do Óbito Infantil e Fetal. Brasília. p.96, 2009.

CLIFTON, V. L. Review: sex and the human placenta: mediating differential strategies of fetal growth and survival. Placenta, v. 31, p. 33-9. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.placenta.2009.11.010.

DOMINGUES, R. M. S. M. Adequação da assistência pré-natal segundo as características maternas no Brasil. Rev Panam Salud Publica, v. 37, n. 3, 2015.

FEBRASGO. Comissões Nacionais Especializadas Ginecologia e Obstetrícia Gestação de Alto Risco. Manual de Gestação de Alto Risco. 2011.

FERRAZ, T. DA R.; NEVES, E. T. Fatores de risco para baixo peso ao nascer em maternidades públicas: um estudo transversal. Revista gaúcha de enfermagem / EENFUFRGS, v. 32, n. 1, p.

GAIVA, M. A. M.; FUJIMORI, E.; SATO, A. P. S. Fatores de risco maternos e infantis associados à mortalidade neonatal. Texto Contexto Enferm, v. 25, n. 4, e2290015, 2016.

KREY, F. C. Alterações respiratórias relacionadas à prematuridade na terapia intensiva neonatal. Revista Rene, v. 17, n. 6, p. 766-73, 2016.

LANSKY, S.; FRANÇA, E.; LEALB, M. C. Mortalidade perinatal e evitabilidade: revisão da literatura. Rev. Saúde Pública, v.36, n.6, São Paulo, 2002.

MARTINS, E. F.; REZENDE, E. M.; LANA, F. C. F. Causas e evitabilidadedos óbitos perinatais investigados em Belo Horizonte, Minas Gerais. Rev. Min. Enferm, v. 13, n. 4, p. 550-557, 2009.

MELO, E. C.; DE OLIVEIRA, R. R.; MATHIAS, T. A. F. Factors associated with the quality of prenatal care: An approach to premature birth. Revista da Escola de Enfermagem, v. 49, n. 4, p. 540–548, 2015.

MOREIRA, M.; LOPES, C. M., orgs. O recém-nascido de alto risco: teoria e prática do cuidar [online]. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. p. 564, 2004.

NOMURA, M. L. et al. Colonização materna e neonatal por estreptococo do grupo B em situações de ruptura pré-termo de membranas e no trabalho de parto prematuro. Rev Bras Ginecol Obstet, v. 31, n. 8, p. 397-403, 2009.

NORONHA, G. A.; TORRES,T. G; KALE, P. L. Análise da sobrevida infantil segundo características maternas, da gestação, do parto e do recém nascido na coorte de nascimento de 2005 no Município do Rio de Janeiro-RJ, Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 21, n.3, p. 419-430, 2012.

OMS. OMS publica novas orientações sobre pré-natal para reduzir mortes de mães e bebês. Disponível em: https://nacoesunidas.org/oms-publica-novas-orientacoes-sobre-pre-natal-para-reduzir-mortes-de-maes-e-bebes/. Acesso em: 27 abr. 2020.

PINHEIRO, R. D. S. et al. Estudo dos fatores de risco maternos associados à sepse neonatal precoce em hospital terciário da Amazônia brasileira. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetricia, v. 29, n. 8, p. 387–395, 2007.

PROGRAMA PARA AS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO NO BRASIL. Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS): 3 Saúde e bem-estar. Disponível em: http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/post-2015/sdg-overview/goal-3.html. Acesso em: 12 mar. 2020.

ROCHA, I. M. S. et al. O partograma como instrumento de análise da assistência ao parto. RevEscEnferm USP, v. 43, n. 4, p. 880- 8, 2009.

SOUZA, R. K. T. GOTLIEB, S. L. D. Probabilidade de morrer no primeiro ano de vida em área urbana de região sul, Brasil. Rev. Saúde Pública, v. 27, n. 6, p. 445-54, 1993.

TEIXEIRA, J. A. M. et al. Mortalidade no primeiro dia de vida: tendências, causas de óbito e evitabilidade em oito Unidades da Federação brasileira, entre 2010 e 2015. Epidemiologia e servicos de saude : revista do Sistema Unico de Saude do Brasil, v. 28, n. 1, p. e2018132, 2019.

UNICEF. Relatório sobre os piores níveis de mortalidade infantil no mundo. Disponível em: https://news.un.org/pt/story/2018/02/1611481. Acesso em: 12 mar. 2020.

Publicado

2021-05-31

Como Citar

Souza, C. A. D. de, Andrade, I. S., & Cavalcante, K. M. H. (2021). Mortalidade em neonatos residentes no município de Lagarto, nordeste do Brasil. Scientific Electronic Archives, 14(6), 83–89. Recuperado de https://sea.ufr.edu.br/SEA/article/view/1307