Desenvolvimento da cultura do algodoeiro em diferentes populações de plantas

Autores

  • C. S. Pereira Universidade Federal do Mato Grosso, Campus Sinop
  • H. L. Carnelutti Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop
  • I. V. A Fiorini Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop
  • H. D. Pereira Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop
  • A. A. Silva Centro Universitário de Formiga

DOI:

https://doi.org/10.36560/141220211427

Palavras-chave:

Gossypium hirsutum; produtividade; altura de planta; diâmetro do caule

Resumo

O estande de plantas é um fator muito relevante para a produtividade da cultura do algodoeiro. O experimento foi instalado na Fazenda Divisão em Lucas do Rio Verde, MT, utilizando a cultivar TMG 41 WideStrike, WS (resistente a lagartas). O delineamento experimental inteiramente ao acaso com 6 tratamentos e 3 repetições. Para reduzir os custos com a lavoura de algodão, reduzir a quantidade de sementes seria interessante, então esse trabalho ensaiou as seguintes populações: 6; 8; 10;11;12 e 15 sementes por metro linear (66.666; 88.888; 111.111; 122.222; 133.333; 166.666 plantas por hectares), com espaçamento entre linhas de 90 cm. Os tratos culturais foram os mesmos para todas as parcelas. A altura da planta e diâmetro do caule também foram observada e a diferença foi significativa perante as desiguais populações de planta. Quanto maior a densidade, maior foi a altura e menor foi a largura do caule. Os resultados de produtividade foram diferentes, mas pela análise de variância, a produtividade não foi afetada pela população de plantas, sendo assim, com as menores populações, 66.666 e 88.888 pl.ha-1, a produtividade é semelhante e o custo é menor.

Referências

AMPA. Disponível em: http://www.ampa.com.br/site/qs_historia.php

ANSELMO, J. L.; Silva, D.C. Desempenho agronômico de cultivares de algodão sob dois espaçamentos entre linhas na região dos chapadões. 10° Congresso Brasileiro do Algodão, 2015.

ASSOCIAÇAO BRASILEIRA DE PRODUTORES DE ALGODAO (ABRAPA), Disponível em: http://www.abrapa.com.br/Paginas/default.aspx

AZEVEDO, D. M. P.; BELTRÃO, N. E. M.; VIEIRA, D. J.; NÓBREGA, L. B. Manejo Cultural. In: Beltrão, N. E. M. (org.) O Agronegócio do Algodão no Brasil. Campina Grande: Embrapa, 1999. p. 509-551.

AZEVEDO, D. M. P. Período crítico de competição entre plantas daninhas e o algodoeiro anual irrigado. Embrapa Informação Tecnológica.

BARBOSA, C. A. S.; BRUGNERA, P.; PEREIRA, V. S.; BREDA, C. E.; FILHO, B. O. S.; SILVA, R. A.; OKAMOTO, D.; ARAÚJO, R.; SILVA, R. A.; FUMAGALLI, F. P. Avaliação de diferentes populações de algodão no sistema de plantio adensado – Luís Eduardo Magalhães / BA. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ALGODÃO, 8.; COTTON EXPO, 1., 2011, São Paulo. Evolução da cadeia para construção de um setor forte: Anais. Campina Grande, PB: Embrapa Algodão, 2011.

BELTRÃO, N. E. M. Componentes da produção na cotonicultura: uma visão integrada. In: Congresso Brasileiro de Algodão, 3., 2001, Campo Grande. Anais ... Campo Grande: Embrapa Algodão / Embrapa Agropecuária Oeste, 2001. p. 49-52.

BEDNARZ, C. W.; BRIDGES, D. C.; BROWN, S. M. Analysis of cotton yield stability across population densities.Agronomy Journal, Madison, v. 92, n. 1, p. 128-135, 2000.

BOLONHEZI, A. C.; JUSTI, M. M.; OLIVEIRA, R. C. BOLONHEZI, D. Espaçamentos estreitos para variedades de algodão herbáceo: desenvolvimento da planta e retenção de estruturas reprodutivas. In: Congresso Brasileiro de Algodão, 2., 1999, Ribeirão Preto. Anais...Ribeirão Preto: Embrapa Algodão / Instituto Biológico, 1999. p. 611-613.

BOQUET, D. J. Cotton in ultra-narrow spacing: plant density and nitrogen fertilizer rates. Agronomy Journal, Madison, v. 97, n. 1, p. 279-287, 2005.

CARDOSO, G. D.; PEREIRA, J.R; BRUNO, L.A. Produtividade e características da fibra de algodão plantado em população ultra-adensada. Revista Brasileira de Oleaginosas e Fibrosas, Campina Grande, v. 8, n. 2/3, p. 831-838, maio-dez. 2004.

CIA, E.; ALLEONI, L.R.F.; FERRAZ, C.A.M.; FUZATTO, M.G.; KONDO. J.I.; CARVALHO, L.H.; CHIAVEGATO, E.J. SABINO, N.P. Densidade de plantio associada ao uso de regulador de crescimento na cultura do algodoeiro. Bragantia v.55 n.2 Campinas, 1996.

CONAB. Disponível em: http://www.conab.gov.br

Embrapa Algodão. Disponível em: https://www.embrapa.br/algodao.

FERRARI, S. et al. Desenvolvimento e produtividade do algodoeiro em função de espaçamentos e aplicação de regulador de crescimento. Acta Sci. Agron., v. 30, n. 3, p. 365-371, 2008.

FERREIRA, A. C. et al. Épocas de semeadura, cultivares e densidades de plantas para algodão adensado em segunda safra. Pesqui. Agropecu. Trop. vol.45 no.4 Goiânia Oct./Dec. 2015

FERREIRA, D.F. Sisvar: A computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, p.1039-1042, 2011.

FOLONI, L. L.; RODRIGUES, J. D.; ONO, E. O. Avaliação de tratamentos químicos e mecânicos no controle de plantas daninhas na cultura do algodão. Planta Daninha, v. 17, n. 1, p. 5-20, 1999.

FREITAS, R. S.; BERGER, P.G.; FERREIRA, L.R.; SILVA, A.C. Manejo de plantas daninhas na cultura do algodoeiro em sistema de plantio direto. Planta Daninha, v. 24, n. 2, p. 339-346, 2006.

FURLANI JUNIOR, et al. Modos de aplicação de regulador vegetal no algodoeiro, cultivar IAC-22, em diferentes densidades populacionais e níveis de nitrogênio em cobertura. Bragantia, v.62, p.227-233, 2003.

(IMEA) 4ª estimativa de safra 2014/15: algodão. 2015. Disponível em: <http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/R104_4a_Estimativa_de_Safra_Algodao_14-15_set15.pdf>. Acesso em: 23 out. 2015.

INOUE, M.H. Seletividade de herbicidas aplicados na cultura do algodão adensado.

Revista Agroambiente On-line ISSN 1982-8470 (online).

Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (IMEA) Informe Plantio. Disponível em: http://www.imea.com.br/site/principal.php.

JOST, P. H.; COTHREN J. T. Growth and yield comparisons of cotton planted in conventional and ultra-narrow row spacings. Crop Science, Madison, v. 40, n. 2, p. 430-435, 2000.

JOST, P. H.; COTHREN, J. T. Phenotypic alterations and crop maturity differences in ultra-narrow row and conventionally spaced cotton. Crop Science, Madison, v. 41, n. 4, p. 1150-1159, 2001.

LACA-BUENDIA, J.P. Efeito de doses de reguladores de crescimento no algodoeiro (Gossypium hirsutum L.).Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, v.1, p.109-113, 1989.

LAMAS, F. M. et al. Espaçamentos reduzidos na cultura do algodoeiro em Mato Grosso do Sul: I. Efeitos nas características de produção. Revista Brasileira de Oleaginosas e Fibras, Campina Grande, v. 9, n. 1/3, p. 903-914, 2005.

MONDINO, M.H.; LOZANO A. Influencia de cambios em el distanciamiento entre surcos y la densidade de plantas de algodón sobre el índice de área foliar. 10° Congresso Brasileiro do Algodão, 2015.

MORESCO, E. R.; FARIAS, F. J. C.; SOUZA, M.; AGUIAR, P. H.; MARQUES, M. F.; TAKEDA, C. Influência da densidade e do espaçamento na produtividade do algodoeiro herbáceo. I In: Congresso Brasileiro de Algodão, 2., 1999a, Ribeirão Preto. Anais...Ribeirão Preto: Embrapa Algodão / Instituto Biológico, 1999. p. 632-633.

PITOMBEIRA, J.B. et al. Comportamento de cultivares de algodão herbáceo submetidas a diferentes condições de cultivo. Ciên Agron, Fortaleza, Junho/Dezembro 1993.

RAIMONDI, M.A. et al. Períodos de interferência das plantas daninhas na cultura do algodão em semeadura adensada na safrinha. Planta daninha vol.32 no.3 Viçosa July/Sept. 2014.

SEVERINO, L.S. et al. População de plantio de algodão para o oeste baiano. Embrapa Algodão, 2003.

SILVA, A. V. et al. Configurações de semeadura sobre a produção e a qualidade da fibra do algodoeiro. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 32, n. 4, p. 1709-1716, 2011.

SILVA, A. V. et al. Crescimento e desenvolvimento do algodoeiro em diferentes configurações de semeadura. Bragantia, Campinas, v. 65, n. 3, p. 407-411, 2006.

SILVA, A. V. et al. Espaçamento ultra-adensado, adensado e convencional com densidade populacional variável em algodoeiro. Piracicaba, dissertação (mestrada) – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, 2002.

SOUZA, A.P.; MOTA, L.L.; ZAMEDEI, T.; MARTIM, C.C.; ALMEIDA, F.T.; PAULINO, J. Classificação climática e balanço hídrico climatológico no estado de Mato Grosso. Nativa Pesquisas Agrárias e Ambientais, 2013.

VIANA, D.L. et al. Mortalidade de lagartas Chrysodeixis includens nas cultivares transgênicas de algodoeiro BOLLGARD II e Widestrike. 10° Congresso Brasileiro do Algodão, 2015.

STAUT, L.A.; LAMAS, F.M. Arranjo de plantas e epoca de semeadura para a cultura do algodoeiro. CONGRESSO BRASILEIRO DE ALGODAO, 2., 1999.

WENDEL, J.F.; GROVER C.E. Taxonomy and Evolution of the Cotton Genus, Gossypium. Cotton, 2nd ed., 2015.

YAMAOKA, R.S.; ALMEIDA, W.P. de; PIRES, J.R.; MARUR, C.J.; NAGASHIMA, G.T.; SILVA, A.V. Comportamento de cultivares IPR 95 e Coodetec 401 ao adensamento de plantio do algodoeiro no estado do Paraná. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ALGODÃO, 3., 2001, Campo Grande.

Publicado

2021-11-29

Como Citar

Pereira, C. S. ., Carnelutti, H. L., Fiorini , I. V. A., Pereira, H. D., & Silva , A. A. (2021). Desenvolvimento da cultura do algodoeiro em diferentes populações de plantas . Scientific Electronic Archives, 14(12). https://doi.org/10.36560/141220211427

Edição

Seção

Ciências Agrárias

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2 3 > >>