Atividades práticas supervisionadas em centros de atenção psicossociais: relato de experiência

Autores

  • Terezinha Aparecida Campos Centro Universitário Fundação Assis Gurgacz
  • Franciele da Costa Centro Universitário Fundação Assis Gurgacz
  • Isadora Feldberg de Lima Centro Universitário Fundação Assis Gurgacz
  • Stefanny de Azevedo Centro Universitário Fundação Assis Gurgacz
  • Jessica Alves Cavalheiro Centro Universitário Fundação Assis Gurgacz
  • Luana Lunardi Alban Secretaria Municipal de Saúde de Cascavel
  • Soraia Bernal Faruch Enfermeira

DOI:

https://doi.org/10.36560/16120231652

Palavras-chave:

Transtornos Mentais, Saúde Pública, Enfermagem, Serviços de Saúde Mental

Resumo

Considerando o aumento do uso abusivo de substâncias psicoativas, como o álcool e outras drogas, acrescido dos agravos à saúde, inferimos que estamos diante de um complexo problema de saúde pública. Nessa perspectiva, para atender essa demanda, atualmente, a Rede de Atenção à Saúde dispõe de Centros de Atenção Psicossociais, que visam oferecer acolhimento e atendimento terapêutico. Assim, o objetivo deste trabalho é descrever a experiência de acadêmicos de enfermagem durante as atividades práticas supervisionadas (APS) no Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPSad) e no Centro de Atenção Psicossocial (CAPSIII). Trata-se de um estudo descritivo, com abordagem qualitativa do tipo relato de experiência. Durante as atividades de práticas supervisionadas, foi possível realizar abordagens terapêuticas no cuidado de enfermagem na atenção à saúde mental, sistematizar a assistência de enfermagem, além de participar das oficinas terapêuticas. À vista disso, foi possível entender que as atividades práticas supervisionadas enriquecem a formação acadêmica, ademais, possibilitam associar a teoria a prática e superar a fragmentação do conhecimento e do cuidado na atenção em saúde mental. A partir dessa vivência, entendemos a importância de investir cada vez mais em políticas públicas com vistas ao âmbito da saúde mental no Brasil.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Lei N° 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília, 2001.Disponível em:https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html. Acesso em 05 de jul. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 366, de 19 de fevereiro de 2002. Dispõe sobre os procedimentos a serem realizados pelos CAPS, nas modalidades I, II (incluídos CAPS i II e CAPS ad ll) e III. Brasília, 2002. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0336_19_02_2002.html. Acesso em: 11 de ago. 2022.

BRASIL. Saúde Mental no SUS: acesso ao tratamento e mudança do modelo de atenção. Relatório de Gestão 2003-2006. Brasília: Secretaria de Atenção à Saúde/DAPE/Ministério da Saúde. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/relatorio_gestao_saude_mental_2003-2006.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, 2011.Disponível em:https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html. Acesso em 05 de jul. 2022.

BANDEIRA, N; ONOCKO-CAMPOS, R. O. Itinerários terapêuticos de usuários que abandonaram o cuidado em Centros de Atenção Psicossocial (Caps-III). Rev. Saúde debate. v. 45, n. 128, p. 91-104, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sdeb/a/Ynj7tkhGrvZ9VrVF7cpHkDs/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 15 de jul. 2022.

BASAGLIA, F. (2010). Escritos selecionados em saúde mental e reforma psiquiátrica. Organização: Paulo Amarante. (J. A. d’Á. Melo Trad.). Rio de Janeiro: Garamond.

FARINHA, M. G; BRAGA, T. B. M. Sistema único de saúde e a reforma psiquiátrica: desafios e perspectivas. Rev. abordagem gestalt., Goiânia, v. 24, n. 3, p. 366-378, dez. 2018. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-68672018000300009&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 20 de jul. 2022.

JIMENEZ, L; TUCCI, A. M. Notas sobre a produção acadêmica brasileira: uso de drogas na adolescência. Psicologia, Saúde e Doenças, v. 18, n. 2, p. 484-494, 2017. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/362/36252193016.pdf. Acesso em: 11 de ago. 2022.

LEAL, B. M; DE ANTONI, C. Os centros de atenção psicossocial (CAPS): estruturação, interdisciplinaridade e intersetorialidade. Aletheia, n.40, p87-101, 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/aletheia/n40/n40a08.pdf. Acesso em: 11 de ago. 2022.

PAIM, B. R. et al. Atendimento ao adolescente usuário de substância psicoativas: papel do centro de atenção psicossocial. Cogitare Enferm., v. 22, n. 1, 2017. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/download/48011/pdf. Acesso em: 11 de ago. 2022.

SERAPIONI, Mauro. Franco Basaglia: biografia de um revolucionário. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.26, n.4, out.-dez. 2019, p.1169- 1187. Disponível em: https://www.scielo.br/j/hcsm/a/xyFt7t59w8czHWXY3TSgLVC/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 05 de jul. 2022.

SILVA, T. A. DE PAULA JÚNIOR, J. D. ARAÚJO, R. C. Centro de Atenção Psicossocial (CAPS): ações desenvolvidas em município de Minas Gerais, Brasil. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., São Paulo, 21(2), 346-363, jun. 2018 http://dx.doi.org/10.1590/1415-4714.2018v21n2p346.8.

Publicado

2022-12-13

Como Citar

Aparecida Campos, T., da Costa, F. ., Feldberg de Lima, I. ., de Azevedo, S. ., Alves Cavalheiro, J. ., Lunardi Alban, L. ., & Bernal Faruch, S. (2022). Atividades práticas supervisionadas em centros de atenção psicossociais: relato de experiência. Scientific Electronic Archives, 16(1). https://doi.org/10.36560/16120231652