Percalços na detecção precoce da pré-eclâmpsia durante pré-natal na Atenção Primária à Saúde

Autores

  • Natiele Lais Rezende de Campos Centro Universitário Assis Gurgacz
  • Maycon Hoffmann Cheffer Centro Universitário Assis Gurgacz
  • João Paulo de Oliveira Pedroso Centro Universitário Assis Gurgacz
  • Ingrid Barreto Dos Santos Rosa Centro Universitário Assis Gurgacz
  • Beatriz de Toni Centro Universitário Assis Gurgacz
  • Franciele Da Costa Centro Universitário Assis Gurgacz
  • Luana Patricia Weizemann Centro Universitário Assis Gurgacz

DOI:

https://doi.org/10.36560/161220231812

Palavras-chave:

Pré-Eclâmpsia, Síndrome HELLP, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Introdução: A pré-eclâmpsia é uma complicação silenciosa que acomete gestantes, sendo a segunda causa de morte materna na América latina. Quando esta patologia evolui para seu estágio mais avançado, é denominada eclâmpsia, que é a forma mais agravada da doença, trazendo hipertensão arterial, convulsões e falhas em órgãos alvos, como fígado, rins e outros. Objetivo: Identificar fatores de risco relacionados ao desenvolvimento da Pré-eclâmpsia no sentido de identificar precocemente gestantes com risco para a doença na atenção primária de saúde. Método: Trata-se de uma revisão narrativa da literatura, que traz como tema central os percalços enfrentados pela APS na detecção precoce da pré eclâmpsia, evidenciando o que tem sido divulgado pela produção científica sobre o referido assunto no banco de dados da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS). Resultados: Foram encontradas 8 literaturas que apresentavam justificativas para a ausência da resolutividade da pré-eclâmpsia nas APS, Dentre os fatores de riscos mais comuns, as características clínicas são: Hipertensão arterial crônica na primeira consulta, multíparas e primíparas acima de 40 anos de idade e, IMC acima de 30 durante o pré-natal, histórico familiar de pré-eclâmpsia, nuliparidade, gestação múltipla, Diabetes mellitus preexistente, História pregressa de pré-eclâmpsia. Conclusão:  Os serviços de assistência primária precisam estar preparados para  acolher e detectar as gestantes que são acometidas por esta patologia. Um serviço de qualidade com uma equipe multidisciplinar competente e capacitada é capaz de proporcionar essa ação preventiva.

Referências

BARROS JÚNIOR, F. S. et al. Perfil antropométrico de gestantes internadas com diagnóstico de pré-eclâmpsia grave. Journal of Nursing and Health, v. 9, n. 3, 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual. 5. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Ações Programáticas. Manual de gestação de alto risco [recurso eletrônico]. Brasília: Ministério da Saúde, 2022.

DUCKITT, K.; HARRINGTON, D. Fatores de risco para pré-eclâmpsia na reserva pré-natal: revisão sistemática de estudos controlados. Bmj, v. 330, n. 7491, pág. 565, 2005.

FERREIRA, E. T. M. et al. Maternal characteristics and risk factors for preeclampsia in pregnant women. Rev René, v. 20, 2019.

FERREIRA, M. B. G. et al. Nursing care for women with pre-eclampsia and/or eclampsia: integrative review. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 50, p. 0324-0334, 2016.

KERBER, G. F.; MELERE, C. Prevalência de síndromes hipertensivas gestacionais em usuárias de um hospital no sul do Brasil. Revista Cuidarte, v. 8, n. 3, p. 1899-1906, 2017.

LOPES, B. B. Acurácia da mensuração da pressão arterial média pelos métodos automático e manual para predição de pré-eclâmpsia. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, p. 75. 2020.

MOURA, N. S. Desenvolvimento e validação de aplicativo assistencial para predição de pré-eclâmpsia no primeiro trimestre gestacional (11+0 a 13+6 semanas). 2020. 133 f. Tese (Doutorado em Enfermagem) - Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2020.

PERAÇOLI, J. C. et al. Pré-eclâmpsia/eclâmpsia. Femina, São Paulo, v. 47, n. 5, p. 258-273, 2019. Disponível em: <https://www.febrasgo.org.br/media/k2/attachments/REVISTAZFEMINAZ-Z2019ZVOLZ47ZNZ5.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2022.

PERAÇOLI, J. C. et al. Pré-eclâmpsia/eclâmpsia: protocolo no. 01. Botucatu: Rede Brasileira de Estudos sobre Hipertensão e Gravidez (RBEHG), 2020. Disponível em: <https://www.cemicamp.org.br/wp-content/uploads/2022/04/PRE_ECLAMPSIA_ECLAMPSIA_PROTOCOLO_RBEHG_2020_.pdf>. Acesso em: 18 mar. 2023.

REZENDE FILHO, J.; MONTENEGRO, C. A. B. Rezende Obstetrícia fundamental, 12.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

SAFTLAS, A. F. et al. Work, leisure-time physical activity, and risk of preeclampsia and gestational hypertension. American journal of epidemiology, v. 160, n. 8, p. 758-765, 2004.

SANTA CATARINA. Secretária de Estado da Saúde. A pré-eclâmpsia afeta até 7% das brasileiras. Disponível em: https://www.saude.sc.gov.br/index.php/noticias-geral/todas-as-noticias/1641-noticias-2019/10661-a-pre-eclampsia-afeta-ate-7-das-brasileiras. Acesso em: 18 out. 2022.

SILVA, P. L. N. et al. Cuidados pré-natais e puerperais às gestantes de um centro de saúde de Minas Gerais quanto ao risco de pré-eclâmpsia: aspectos clínicos, nutricionais e terapêuticos. Journal of Health & Biological Sciences, v. 5, n. 4, p. 346-351, 2017.

SOUZA, M. T.; SILVA, M. D; CARVALHO, R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo), v. 8, p. 102-106, 2010.

TEIXEIRA, J. J. D. Status de saúde cardiovascular ideal associado à pré-eclâmpsia: uma avaliação baseada na identificação de fatores de risco. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, p. 118. 2019.

TRANQUILLI, A. L. et al. The classification, diagnosis and management of the hypertensive disorders of pregnancy: A revised statement from the ISSHP. Pregnancy Hypertension: An International Journal of Women's Cardiovascular Health, v. 4, n. 2, pág. 97-104, 2014.

Publicado

2023-11-30

Como Citar

Campos, N. L. R. de ., Cheffer, M. H. ., Pedroso, J. P. de O. ., Rosa, I. B. D. S. ., de Toni, B., Da Costa, F. ., & Weizemann, L. P. (2023). Percalços na detecção precoce da pré-eclâmpsia durante pré-natal na Atenção Primária à Saúde. Scientific Electronic Archives, 16(12). https://doi.org/10.36560/161220231812

Edição

Seção

Ciências da Saúde

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2