Apoio matricial na produção do cuidado e fortalecimento da atenção básica à saúde: revisão narrativa da literatura

Autores

  • Angela Maria Alves de Oliveira Centro Universitário Assis Gurgacz
  • Jocimara Machado de Moraes Centro Universitário Assis Gurgacz
  • Cátia Rios Centro Universitário Assis Gurgacz
  • Maria Patricia Sanini Vieira Hospital Universitário do Oeste do Paraná
  • Luana Patricia Weizemann Centro Universitário Assis Gurgacz
  • Maria Eduarda Mantovani Centro Universitário Assis Gurgacz
  • Gabriela Sutil Gonçalves Centro Universitário Assis Gurgacz
  • Andressa Nunes Giacorbo Centro Universitário Assis Gurgacz
  • Elen Fernandes Rosa Centro Universitário Assis Gurgacz
  • Natiele Lais Rezende de Campos Centro Universitário Assis Gurgacz
  • Maycon Hoffmann Cheffer Centro Universitário Assis Gurgacz

DOI:

https://doi.org/10.36560/161220231813

Palavras-chave:

Apoio Matricial, Atendimento Primário de Saúde, Modelo de Atenção à Saúde

Resumo

Introdução: O Apoio Matricial ou Matriciamento, é uma ferramenta que visa garantir suporte especializado às equipes e profissionais responsáveis por gerir os impasses da prática cotidiana na Atenção Primária à Saúde (APS). Objetivo: O objetivo desse trabalho é apresentar a perspectiva dos enfermeiros da APS na execução do Matriciamento. Desse modo espera-se compreender e apresentar o apoio matricial como ação inovadora do cuidado, intencionando a ampliação da produção em saúde com ênfase na singularidade das pessoas atendidas na Atenção Primária pelo profissional enfermeiro. Materiais e Métodos: Trata-se de uma revisão narrativa da Literatura. Resultados: Matriciamento na produção em saúde; Apoio matricial como ferramenta importante de ampliação do cuidado longitudinal e integral em saúde; Processo do Matriciamento na Atenção Básica e fortalecimento com o NASF; como se articulam equipe de referência e apoio matricial. Conclusão: Embora encontradas dificuldades pelos profissionais enfermeiros na execução do apoio matricial, necessitando de aperfeiçoamento, sobretudo na melhora da comunicação com a equipe matriciadora, a mesma se mostra como ferramenta viável de desenvolvimento do trabalho integrado em saúde.

Referências

BALINT, M. O médico, seu paciente e a doença. Rio de Janeiro: Atheneu, 1988.

BARROS, J. O. et al. Estratégia do apoio matricial: a experiência de duas equipes do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) da cidade de São Paulo, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, p. 2847-2856, 2015.

BRASIL Ministério da Saúde. O NASF-AB e a Atenção Básica no Brasil: panorama, desafios e perspectivas. Disponível em: < http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/documentos/apresentacoes/O_NASF-AB_e_a_Atencao_Basica_no_Brasil.pdf >. Acesso em: 21 set. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Humaniza SUS: equipes de referência e apoio matricial. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/equipe_referencia.pdf>. Acesso em: 17 ago. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Clínica ampliada. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

CAMPOS, G. W. S. Equipes de referência e apoio especializado matricial: um ensaio sobre a reorganização do trabalho em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 4, p. 393-403, 1999.

CAMPOS, G. W. S. O anti-Taylor: sobre a invenção de um método para co-governar instituições de saúde produzindo liberdade e compromisso. Cad Saúde Pública, v. 14, p. 863-870, 1998.

CAMPOS, G. W. S.; DOMITTI, A. C. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cadernos de saúde pública, v. 23, p. 399-407, 2007

Cheffer, M. H., Skrzypc, A. U. ., Bueno, F. Z. ., Zechi, A. C. ., Alencar, N. B. L. ., Tebaldi, M. ., & Oliveira, R. B. S. R. . (2022). Invisibilidade do cuidado de enfermagem ao usuário de Metilfenidato (Ritalina) na atenção primária. Scientific Electronic Archives, 15(5). https://doi.org/10.36560/15520221533

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução COFEN nº 661, de 9 de março de 2021. Atualiza e normatiza, no âmbito do Sistema Cofen/Conselhos Regionais de Enfermagem, a participação da Equipe de Enfermagem na atividade de Classificação de Risco. Disponível em: < http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-661-2021_85839.html>. Acesso em: 21 set. 2022.

CUNHA, G. T; CAMPOS, G. W. S. Apoio matricial e atenção primária em saúde. Saúde e Sociedade, v. 20, p. 961-970, 2011.

da Cruz, E. M. ., Noel Basi, R. H. ., Zanella, R. ., Balbinot, G., Weizemann, L. P., & Hoffmann Cheffer, M. (2023). Classificação demográfica de pacientes paliativos em cuidados domiciliares de uma operadora de saúde da cidade de Cascavel Paraná. Scientific Electronic Archives, 16(6). https://doi.org/10.36560/16620231729

FURTADO, J. P. Equipes de referência: arranjo institucional para potencializar a colaboração entre disciplinas e profissões. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 11, n. 22, p. 239-255, maio/ago. 2007.

omes dos Santos, C. ., Guimarães, A. ., Busetti, I. C. ., Fanhani dos Santos, M. S. ., Weizemann, L. P., & Hoffmann Cheffer, M. (2023). Pré-natal tardio: motivos e intervenções de enfrentamento na Atenção Primária à Saúde. Scientific Electronic Archives, 16(6). https://doi.org/10.36560/16620231727

GONÇALVES, D. A. et al. Guia prático de matriciamento saúde mental. Ministério da Saúde: Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva, p.13, 14, 2011. Disponível em: <https://dms.ufpel.edu.br/sus/files/media/guia_pratico_matriciamento_saudemental.pdf>. Acesso em: 18 set. 2022.

LIMA, M. C; GONÇALVES, T. R. Apoio matricial como estratégia de ordenação do cuidado em saúde mental. Trabalho, Educação e Saúde, v. 18, 2019.

LIMA, R. S. A. et al. O apoio matricial no trabalho das equipes dos núcleos de apoio à Saúde da família: análise a partir dos indicadores do 2º ciclo do programa nacional de melhoria do acesso e da qualidade. Cadernos Saúde Coletiva, v. 27, p. 25-31, 2019.

NAZARETH, C. C. G. Revisão de literatura e revisão sistemática: uma análise objetiva. Revista Fluminense de Odontologia, 2021.

Orlandelli Pardinho, R. C. ., Vasconcellos Da Silva, N. K., Morbach Duarte, S. ., Pohlenz Benjamini, L. F. ., Fernandes Rosa, E. ., Lima, I., Balls de Oliveira, G. ., Barboza da Silva, G., Weizemann, L. P., & Hoffmann Cheffer, M. (2023). Violência doméstica em gestantes na atenção primária: Atuação do enfermeiro. Scientific Electronic Archives, 16(6). https://doi.org/10.36560/16620231724

RODRIGUES, D. C. et al. Educação permanente e apoio matricial na atenção primária à saúde: cotidiano da saúde da família. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 73, 2020.

SOUSA, M. F. et al. Potencialidades da atenção básica à saúde na consolidação dos sistemas universais. Saúde em Debate, v. 43, p. 82-93, 2020.

ROTHER, E. T. Revisão sistemática x revisão narrativa. Acta paulista de enfermagem, v. 20, pág. v-vi, 2007.

Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Faculdade de Ciências Agronômicas, Campus Botucatu. Biblioteca Prof. Paulo de Carvalho Mattos. Tipos de revisão de literatura. Botucatu: UNESP, 2015. Disponível em: https://www.google.com/url?sa=t&source=web&rct=j&url=https://www.fca.unesp.br/Home/Biblioteca/tipos-de-evisao-de-literatura.pdf&ved=2ahUKEwjX5oOrrob5AhVfALkGHVHHDJkQFnoECEsQAQ&usg=AOvVaw3D4aaaoAoNNCm9RYjlV4vB. Acesso em: 10 ago. 2022.

VIANA, M. M. O.; CAMPOS, G. W. S. Formação paideia para o apoio matricial: uma estratégia pedagógica centrada na reflexão sobre a prática. Cadernos de Saúde Pública, v. 34, 2018.

Publicado

2023-11-30

Como Citar

Oliveira, A. M. A. de ., Moraes, J. M. de . ., Rios, C., Vieira, M. P. S. ., Weizemann, L. P., Mantovani, M. E. ., Gonçalves, G. S. ., Giacorbo, A. N. ., Rosa, E. F. ., Campos, N. L. R. de ., & Cheffer, M. H. . (2023). Apoio matricial na produção do cuidado e fortalecimento da atenção básica à saúde: revisão narrativa da literatura. Scientific Electronic Archives, 16(12). https://doi.org/10.36560/161220231813

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>