Relationship difficulties between addicts and their family

Autores

  • S. R. C. Silva
  • P. P. Cavalcanti Universidade Federal de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.36560/1162018599

Palavras-chave:

Chemical dependence, family relationships, drugs, adolescents

Resumo

Chemical dependency is a social and family problem that is increasingly present in our society. Considered a social epidemic and covers the whole range of society, higher classes to the lower classes. Not choosing age, however, our teens among other age groups are the primary victims as well as their families. The aim of this study was to analyze the approaches described by the literature on the relationship between the family and the chemical dependent, seeking in the familiar way of coping with the problem of chemical dependence, although the family currently presents configurations very distant from traditional ones, still maintains the reference relation , care and affection among its members. In order to deepen the dynamic aspects of families with entities that are involved with drugs. A total of 87 articles were analyzed through the databases of the Latin American Literature in Health Sciences (LILACS), the Bibliographic Database Specialized in the Nursing Area (BDENF) and the Scientific Electronic Library Online (SciELO). The following descriptors were used in search of the articles in the Portuguese language: Chemical dependents, chemical dependency, family relations, dialogue, drugs, adolescents. The guiding question of the research was: What are the difficulties between the relative and the dependent of psychoactive substances? It consisted in a bibliographical research where the systematics used to obtain the data occurred through reading and studying the texts, making possible the analysis of the subject in question. In this way, we will contribute and promote a greater understanding between family members and their families, to get out of the suffering, being this, the family, the natural context of growth and also healing where the improvement of relationship must take place. The suffering of dependency affects not only the dependent but also their family, often emotionally hurting them, and it is essential that they are treated, given guidelines on how to deal with the sufferer's feelings and stay strong. Being conniving with their dependents will need to have the knowledge to guide their risks, and with that they are likely to be helping them get rid of the addiction.

Referências

ABAID, J. L. W.; CRAUSS, R. M. G. A dependência química e o tratamento de desintoxicação hospitalar na fala dos usuários. Contextos Clínicos, 5(1), 62-72. 2012.

AMARAL, R. A.; CARDOSO, L. R.; MALBERGIER, A. D. Uso de substâncias na adolescência e problemas familiares. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 28, n. 04, p. 678-688, abr. 2012. Disponível em: Acesso em: 08 de janeiro. 2017.

ANDRETTA, I.; OLIVEIRA, M. S. (2011). A entrevista motivacional em adolescentes usuários de droga que cometeram ato infracional. Psicologia: Reflexão e Crítica, 24(2), 218-226.

AZEVEDO, C. S. A Importância Da Família No Tratamento Do Dependente Químico; Encontro Revista de Psicologia;Vol 16; Nº 25; 2013 <http://www.pgsskroton.com.br/seer/index.php/renc/article/viewFile/2439/2337>. Acesso em 14 de Janeiro; 2016

BERTOLOTE, J. M.; KNAPP, P. Prevenção da recaída: um manual para pessoas com problemas pelo uso de álcool e das drogas. Porto Alegre: Artes Médicas. < https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/registro/referencia/0000000505>. Acessado em 28 de janeiro 2017

BITTENCOURT, S. A. Motivação para a mudança: Adaptação e validação da escala URICA (University of Rhode Island Change Assessment) para o comportamento de comer compulsivo (Tese de doutorado, Faculdade de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil). 2009.

BRAUN, L. M.; DELLAZZANA, L. L.; HALPERN S. C. A família do usuário de drogas no CAPS: um relato de experiência; 2014. <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702014000200010>. Acessado em 11 de março de 2017.

BUCHELE, F., Marcatti, M., & Rabelo, D. R. (2004). Dependência química e prevenção à "recaída". Texto & Contexto Enfermagem, 13(2), 233-240.

BUCHER, R. As Drogas e a Vida: uma abordagem biopsicossocial. São Paulo; EPU, 1998. <https://psicologado.com/psicopatologia/saude-mental/dependencia-quimica-e-a-importancia-da-familia-na-busca-pela-recuperacao>. Acesso em 10 de outubro 2016.

CAMARGO, B. M. V.; NOTO, A. R.; FORMIGONI, M. L. O. S.; SILVA, E. A. As drogas no âmbito familiar, sob a perspectiva do cinema. CEBRID. 2008 <http://catolicaonline.com.br/revistadacatolica2/artigosn4v2/28-pos-grad.pdf>. Acessado em 11 de jan. 2017.

CAUSAS DA DEPENDÊNCIA QUÃMICA E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA O USUÃRIO E A FAMÃLIA; 2014. < file:///C:/Users/user/Downloads/3509-53430-1-PB.pdf >. Acessado em 11 de março de 2017.

CAVALCANTE, M. B. P. T.; SANTOS, M. D.; ALVES; BARROSO, M. G. T. Adolescência, álcool e drogas: uma revisão na perspectiva da promoção da saúde. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, set. 2008. Disponível em: Acesso em: 06 jan. 2017.

CHAVES, T. V.; NAPPO, A. S.; RIBEIRO, L. A..; SANCHEZ, Z. M. Fissura por crack: Comportamentos e estratégias de controle de usuários e ex-usuários. Revista de Saúde Pública, 45(6), 1168-1175. 2011.

COLOSSI, P. M.; PAZ, F. M. Aspectos da dinâmica da família com dependência química; 2013. <http://www.scielo.br/pdf/epsic/v18n4/a02v18n4.pdf >. Acessado em 13 de março de 2017.

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE. Resolução nº 196/1996: Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, DF: Ministério da Saúde. 1996.

CZERESNIA, D. O Conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção. In: CZERESNIA, D; FREIRAS, c, M. (Org.). Promoção de Saúde: conceitos, reflexões, tendências (PP.43-58). Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2009.

DIAS, C. C. V.; MEDEIROS K. T.; MACIEL S. C.; SOUSA P. F.; TENÓRIO-SOUZA. Representações sociais do uso e abuso de drogas entre familiares de usuários. Psicologia em Estudo. 2013; 18(2): 269-279.

DIETZ G.; HILDEBRANDT L. M.; LEITE M.T.; SANTOS C.G. As relações interpessoais e o consumo de drogas por adolescentes. Rev. Eletrônica Saúde Mental Ãlcool Drog. 2011;7(2):85-91.

Duarte CE, Morihisa RS. Experimentação, uso, abuso e dependência de drogas. In: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Prevenção do uso de álcool e outras drogas no ambiente de trabalho: conhecer para ajudar. 3a ed. Brasília: Ministério da Justiça; 2012.

DUARTE, F.; SOUZA L. M. O.; VIEIRA, P. D. A. Fé na prevenção: prevenção ao uso de drogas em instituições religiosas e movimentos afins. Brasília: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, 2011. <https://psicologado.com/psicopatologia/saude-mental/dependencia-quimica-e-a-importancia-da-familia-na-busca-pela-recuperacao> . Acesso em 10 de outubro 2016.

DUNN, J.; FIGLIE, N. B.; LARANJEIRA, R. Estrutura fatorial da Stages of Change Readiness and Treatment Eagerness Scale (SOCRATES) em dependentes de álcool tratados ambulatorialmente. Revista Brasileira de Psiquiatria, 26(2), 91-99. 2004.

ELOIA S. M. C.; ELOIA S. C.; FELIX T. A.; LIMA D. S.; OLIVEIRA E. N.; VASCONCELOS M. I. O. A família no cuidado à pessoa com transtorno mental: uma revisão integrativa. Rev. Tendên. Da Enferm. Profis., 2014; 6(1):1196-1202.

FERREIRA, A. C. Z. et. al. Motivações de dependentes químicos para o tratamento: percepção de familiares; <http://www.scielo.br/pdf/reben/v68n3/0034-7167-reben-68-03-0474.pdf>. Acessado em 28 de janeiro de 2017. Às 19:40.

FIGLIE, N. B. Motivação em alcoolistas em ambulatório específico para alcoolismo e em ambulatório de Gastroenterologia (Dissertação de mestrado, Universidade Federal de São Paulo, SP, Brasil). 1999.

FILHO, G. M. Drogas como sair dessa. In: Revista Galileu. Rio de Janeiro: Globo, 1999. p. 46-54. <http://tcc.bu.ufsc.br/Ssocial288588.PDF> . Acesso em 10 de outubro de 2016.

FREIRES, I. A.; GOMES, E. M. A. O Papel da família na prevenção do uso de substancias Psicoativas. Rev. Brasileira de Ciências da Saude. (Ed. port.) [online]. 2012, vol.16, n.1, pp. 00-00. ISSN 1415-2177.

GALDUROZ, J. C. F.; et al. Fatores associados ao uso pesado de álcool entre estudantes das capitais brasileiras. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 44, n. 2, p. 267-273, abr. 2010. Disponível em: Acesso 14 de janeiro de 2017.

GALDUROZ, J. C. F.; et al. Uso de drogas psicotrópicas no Brasil: pesquisa domiciliar envolvendo as 107 maiores cidades do país - 2001. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 13, n. spe, out. 2005. Disponível em. Acesso em: 04 de janeiro. 2017.

GALVÃO C. M.; MENDES K. D. D., SILVEIRA R. C. C. P. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & contexto enferm. <http://www.scielo.br/pdf/tce/v17n4/18.pdf.> Acesso Em 14 de março de 2017. Às 17:50.

GALVÃO, C. M.; SAWADA, N. O.; TREVIZAN, M. A. Revisão sistemática: recurso que proporciona a incorporação das evidências na prática da enfermagem. Revista Latinoamericana de Enfermagem. v. 12, n. 3, p. 549-556, mai./jun. 2004. Disponível em: Acesso em: 21 julho. 2017.

GALVÃO, T. F.; PEREIRA, M. G. Revisões sistemáticas da literatura: passos para sua elaboração. Epidemiologia Serviço e Saúde. Brasília, v. 23, n. 1, p. 183-184, jan./mar. 2014. Disponível em: Acesso em: 12 jun. 2017.

GARCIA, J. J.; PILLON, S. C.; SANTOS, M. A. Relações entre contexto familiar e uso de drogas em adolescentes de ensino médio. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 19, n. spe, jun. 2011. Disponível em: Acesso em: 14 jan. 2017.

GREBB, J.; KAPLAN, H.; SADOCK, B. Compêndio de Psiquiatria: Ciência do comportamento e Psiquiatria Clínica (9. ed). Porto Alegre, RS: Artes Médicas. 2007.

HORTA, R. L.; HORTA, B. L.; PINHEIRO, R. T. Drogas: famílias que protegem e que expõem adolescentes ao risco. J. bras. psiquiatr., Rio de Janeiro, v. 55, n. 4, p. 268-272, 2006. Disponível em: Acesso em: 04 Jan. 2017

JORGE M. S. B. et al. Alcoolismo nos contextos social e familiar: análise documental à Luz de Pimentel. Rev RENE. 2007; 8(3):34-43.

LEAL, R. M. A dependência química e seus efeitos: propostas de atividade de orientação. 2017 <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/173520>. Acessado em 31 de Maio de 2017 às 17:00.

LOPES, C. Cara a cara com as drogas, Porto Alegre: Sulina, 1996.200p. <https://psicologado.com/psicopatologia/saude-mental/dependencia-quimica-e-a-importancia-da-familia-na-busca-pela-recuperacao>. Acesso em 29 de outubro 2016.

MAGALHÃES D. E. F.; SILVA M. R. S. Cuidados requeridos por usuários de crack internados em uma instituição hospitalar. REME - Rev Min Enferm. 2010; 14(3): 408-15.

MALTA, D.C. et al. Família e proteção ao uso de tabaco, álcool e drogas em adolescentes, Pesquisa Nacional de Saúde dos Escolares. Rev. bras. epidemiol. São Paulo, v. 14, supl. 1, p. 166-177, set. 2011.

MARANGONI S. R.; MARCON S. S.; OLIVEIRA M. L. F.; SELEGHIM M. R. Family ties of crack cocaine users cared for in a psychiatric emergency department. Rev Latino-Am Enfermagem. 2011.

MATOS, S. PARTICIPAÇÃO DA FAMÃLIA NO PROCESSO DE TRATAMENTO DO DEPENDENTE QUÃMICO. 2017 <http://www.uniedu.sed.sc.gov.br/wp-content/uploads/2017/02/Artigo-Sabrina.pdf>. Acessado em 31 de Maio de 2017. Às 18:32.

MATOS, S. Participação da família no processo de tratamento do dependente químico. 2017. <http://www.uniedu.sed.sc.gov.br/wp-content/uploads/2017/02/Artigo-Sabrina.pdf> Acesso em 16 mar. 2017.

MELO, P. F.; PAULO, M. A. L. A importância da família na recuperação do usuário de álcool e outras drogas. Saúde Coletiva em Debate. 2012; 2(1): 41-51.

MOSTARDEIRO S. C. T. S. et. al. O cotidiano das relações familiares com indivíduo dependente químico. Cogitare Enferm. 2014; 19(1):116-22.

OLIVEIRA, E. N. et. al. Relações familiares e dependência química: uma revisão de literatura. 2015 <http://periodicos.ufpb.br/index.php/rbcs/article/view/24316>. Acessado em 31 de maio de 2017. Às 17:45.

PRATTA, E. M. M.; SANTOS, M. A. Opiniões dos adolescentes do ensino médio sobre o relacionamento familiar e seus planos para o futuro. Paidéia (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto, v. 17, n. 36, p. 103- 114, abr. 2007.

PRATTA, Elisângela Maria Machado; SANTOS, Manoel Antonio dos. Reflexões sobre as relações entre drogadição, adolescência e família: um estudo bibliográfico. Estud. psicol. (Natal), Natal, v. 11, n. 03, p. 315-322, dez. 2006.

RODIGUES, D.T. Como a família deve lidar com um dependente químico? 2016. <http://cemapbh.com.br/familia-lidar-com-dependente-quimico/>. Acessado em 31 de Maio de 2017. Às 19:45.

ROZIN, L.; ZAGONEL, I. P. S. Fatores de risco para dependência de álcool em adolescentes. Acta paul. enferm. São Paulo, v. 25, n. 02, p. 314-318, out. 2012.

SANTOS, Z. M. S. A.; SILVA R. M. Prática do autocuidado vivenciada pela mulher hipertensa: uma análise no âmbito da educação em saúde. Rev. bras. enferm. Abr. 2006. 59(2):206-11. <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71672006000200016&script=sci_arttext>. Acesso em 14 de março. Às 17:40.

SECRETARIA NACIONAL DE POLÃTICAS SOBRE DROGAS, & CENTRO BRASILEIRO DE INFORMAÇÕES SOBRE DROGAS PSICOTRÓPICAS. VI Levantamento Nacional sobre o Consumo de Drogas Psicotrópicas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio das Redes Pública e Privada de Ensino nas 27 Capitais Brasileiras. São Paulo, SP: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. 2010.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007

SOUZA P. F. Dependentes químicos em tratamento: um estudo sobre a motivação para mudança; <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2008000300027>. Acessado em 28 de Janeiro de 2017.

SOUZA P. F. et. al. Dependentes químicos em tratamento: um estudo sobre a motivação para mudança. <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2013000100018>. Acessado em 08/01/2017 às 16:47.

Downloads

Publicado

2018-11-13

Como Citar

Silva, S. R. C., & Cavalcanti, P. P. (2018). Relationship difficulties between addicts and their family. Scientific Electronic Archives, 11(6), 97–106. https://doi.org/10.36560/1162018599

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>