The meaning of religion for patients in cancer treatment

Autores

  • S. R. O. Maier UFMT
  • A. N. Almeida Universidade Federal de Mato Grosso.
  • W. S. Oliveira Universidade Federal de Mato Grosso.

DOI:

https://doi.org/10.36560/1162018724

Palavras-chave:

Religion, Healing by Faith, Hospital Service of Oncology

Resumo

The objective of the study was to understand the sense of religiosity, assigned by the patients who experience or have experienced cancer treatment. This is a qualitative-descriptive, under the framework of phenomenological analysis in Ales Bello, as a way to understand and analyze the human being in its totality - physical, mental and spiritual. The study was conducted with ten patients at the centre of oncology of a hospital in the north of Mato Grosso. The data were collected through semi-structured interviews. In the present study revealed that patients with cancer show they belong to a diversity of religions. The patients mean the religion as a means of support and sustenance critical in moments of pain and suffering caused by cancer and its treatment. Perceive the religious community as a spiritual support, being able to share feelings, conflicts and your pain. It was possible to infer that the faith can be linked to the treatment of cancer the participants to associate the treatment to some kind of therapy religious.

Referências

Amatuzzi M M. Esboço de teoria do desenvolvimento religioso. Entre necessidade e desejo: diálogos da psicologia com a religião. São Paulo:Edições Loyola; 2001.

Arruda M, Boff, L. Globalização: desafios socioeconômicos, éticos e educativos. Petrópolis: Vozes; 2000.

Bello A. A. Introdução à fenomenologia. Bauru: Edusc; 2006.

Bello AA. Culturas e Religiões: uma leitura fenomenológica. São Paulo: Editora da Universidade Sagrado Coração; 1998.

Biasoli R. Diagnóstico ao paciente oncológico: o cuidado de não transformar essa notícia em identidade. Prática hospitalar. 2000; 2(7): 22-24.

Chatters L. Religion and health: public health research and practice. AnnualReviewofPublic Health. 2000; 21(1): 335-367.

Clinebell H. J. Aconselhamento pastoral: modelo centrado em libertação e crescimento. São Paulo: Paulinas; 1987.

Faria J B, Seidl E M F. Religiosidade e enfrentamento em contextos de saúde e doença: revisão da literatura. Psicologia: reflexão e crítica. 2005; 18(3): 381-389.

FranklV. Em busca de sentido: Um psicólogo no campo de concentração. Porto Alegre: Sulina; 1987.

Freud S. O futuro de uma ilusão. Rio de Janeiro: Imago; 1927.

Geertz C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1989.

Guimarães H P, AvezumA. O impacto da espiritualidade na saúde física. Revista Psiquiatria Clínica. 2007; 34(1): 88-94.

Hennezel M, Leloup J. Y. A arte de morrer. Petrópolis: Vozes; 2000.

Husserl E. A Ideia da Fenomenologia. 70ª ed.Lisboa: Artur Morão; 1990.

Inca. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, Coordenação Geral de Ações Estratégicas, Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Inca, 2011. 118p.

Martins J, Bicudo M A V. A pesquisa qualitativa em psicologia: fundamentos e recursos básicos. 5ª ed. São Paulo: Centuro; 2005.

Moreira D A. O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson; 2002.

Murphy J. O Poder Cósmico da Mente. São Paulo: RECORD; 2002.

Peres J F P, Simão M J, Nasello A G. Espiritualidade, religiosidade e psicoterapia. Revista Psiquiatria Clínica. 2007; 34(1): 136-145.

Seidl E M F, Tróccoli B T, Zannon C M L C. Análise fatorial de uma medida de estratégias de enfrentamento. Psicologia: Teoria e Pesquisa. 2001; 17(1): 225-234.

Stein E. La strutturadella persona humana. Roma: Città Nuova; 2000.

Stumm E M F, Leite M T. MASCHIO, G.. Vivências de uma equipe de enfermagem no cuidado a pacientes com câncer. Rev. CogitareEnferm. 2008; 13(1): 75-82.

Downloads

Publicado

2018-11-13

Como Citar

Maier, S. R. O., Almeida, A. N., & Oliveira, W. S. (2018). The meaning of religion for patients in cancer treatment. Scientific Electronic Archives, 11(6), 115–122. https://doi.org/10.36560/1162018724

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>