Sensory and compression evaluation of facial powders obtained by different manufacturing processes

Autores

  • A. M. Ribeiro Universidade Positivo
  • M. C. Baptista Universidade Positivo
  • M. N. Aihara Universidade Positivo
  • T. M. P. Toledo Universidade Federal de Mato Grosso - Campus Sinop
  • T. F. B. X. Silva Universidade do Porto
  • N. C. Lubi Faculdades Pequeno Principe

DOI:

https://doi.org/10.36560/1262019911

Palavras-chave:

Facial Powders, Compaction, Particle Size, Sensory Evaluation.

Resumo

The aim of this study was to evaluate different manufacturing processes of compact powders and establish consumer preferences through sensory analysis. Four compact powders were formulated with the following treatments: micronization, hammer mill, addition of raw materials that modify the sensory, and simple mixture. The powders were compressed, passing the tests for glazing, detachment of color and drop test, and later forwarded to sensory evaluation by 45 volunteers. In the compression tests, drop test, glazing and detachment of color, the micronized sample obtained the best results showing the reduction of particle size influences the packaging of powders and improves the compression of the product, but in the sensory analysis the sample obtained by simple mixture was the preference of most of the volunteers. It was felt that, despite the best compaction results are obtained for samples micronized, the preference of the volunteers is still linked to older manufacturing processes where the resulting powder shows more coarse and form a thicker layer on the skin.

Biografia do Autor

T. F. B. X. Silva, Universidade do Porto

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Paraná (1991) e graduação em Design de Produto pela Universidade Tuiuti do Paraná (2002) . Possui especialização em Produtos Naturais pela Universidade Federal do Paraná (1987) e mestrado profissionalizante em Gestão Ambiental pela Universidade Positivo (2007). Atualmente é professor adjunto da Universidade Positivo e do Centro Universitário Uniandrade. Ministrou as disciplinas de Deontologia e Legislação Farmacêutica e Administração e Gestão Farmacêutica. Atualmente ministra as disciplinas de Farmacotécnica, Tecnologia de Cosméticos e Farmácia Hospitalar. Coordena o Estágio Supervisionado em Farmácia e Estágio Supervisionado em Indústria.

Referências

ABIHPEC. "Mercado Brasileiro de HPPC : quarta posição mundial com sensação de terceira [Internet]". 2017.

Associação Brasileira das Indústrias de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. Setor Brasileiro de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (HPPC). Publicado em: 12/04/2016.

DataMark, 074-Packing. Tendência em embalagens para maquiagem. DataMark, out 2002.

Egle, T. e Medeiro, C. AVON, Entre as novidades estão produtos com nova formulação e nova embalagem. Cosmeticnow, jul 2001.

Matéria de Capa. Maquiagem Facial. Cosmetics & Toiletries (edição em português). Vol. 19, Mar/Abr 2007.

Silva, A. C. Embalagens. Cosmetics & Toiletries (edição em português). Vol. 02, Mar/Abr 2008.

Boniatti, R. Fragmentação de Sólidos. Caxias do Sul, 2010.

MicroService, Descrição Técnica. São Paulo- BR, 2009.

Bittencourt. B.A, M.V. Ellwanger, W. A.Nascimento, L. F. Belchior, E. M. Araújo, T. J. A. Melo. Moldagem por Compressão a Frio do Polietileno de Ultra Alto Peso Molecular. Parte 1: Influência do Tamanho, Distribuição e Morfologia da Partícula na Densidade a Verde. Ciência e Tecnologia, vol. 19, nº 3, p. 224-230, 2009.

Halldin, G. W. & Kamel, I. L. - Polymer Engineering & Science 17, p.103 (1977).

Civille, G.V.; Dus, C. A Avaliação Sensorial como Guia para o Desenvolvimento de Produtos. Cosmetics & Toiletries (edição em português). Vol. 17, jul-ago 2005.

Dutcosky, S.D. Análise Sensorial de Alimentos. 20 ed. Curitiba: Editora Universitária Champagnat, 1996, p.79-81.

Almeida, T.C.A et al. Avanços em Análise Sensorial. São Paulo: Editora Varela, 1999. p.13-14.

Schwan Cosmetics do Brasil Ltda. Método de ensaio – Drop Test (teste de queda) para compactados. Rev. 00, 2009.

Schwan Cosmetics do Brasil Ltda. Método de ensaio – Teste de Aplicação em pós compactados: Vitrificação e Desprendimento de cor. Rev. 00, 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÃRIA. Guia de Estabilidade de Produtos Cosméticos / Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 1. ed. Brasília: ANVISA, 2004.

Vieira, G. S. Análise sensorial: terminologia, desenvolvimento de padrões e treinamento de painelistas para avaliação de produtos cosméticos. Diss. Universidade de São Paulo, 2015.

Shirata, M. M. F., & Campos, P. M. B. G. M. Importância do perfil de textura e sensorial no desenvolvimento de formulações cosméticas. Surg. cosmet. dermatol.(Impr.), 8(3), 223-30. 2016

Miguel, M. A. N. . Desenvolvimento de interface pessoa-máquina para geração de sensações táteis. Diss. 2017.

Allergisa Pesquisa Dermato-Cosmetica Ltda. Pesquisa de Segurança, 2009.

ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resoluções Disponíveis em:< www.anvisa.gov.br >. Acessado em: 05/04/2017.

Alves, P. D. G. Bases para efeito natural. Química e Derivados. Edição 478, Out, 2008.

Biz, M. Pinceis de Maquiagem são garantia de bom resultado na frente do espelho; saiba como usa-los. UOL Estilo, 2010. Disponível em: < http://estilo.uol.com.br/ultnot/2010/01/26/pinceis-de-maquiagem-sao-garantia-de-bom-resultado-na-frente-do-espelho-saiba-como-usa-los.jhtm>

Costa, C. K; Oliveira, A. B; Zanin, S. M. W; Miguel, M. D. Um estudo da pele seca: Produtos emulsionados para seu tratamento e busca de sensorial agradável para o uso contínuo. Curitiba: UFPR, 2004.

O tratamento jurídico dos riscos produzidos por cosméticos baseados em materiais nanoestruturados. {Monografia eletrônica}, Dutra, F. N. São Paulo: UNICAMP Instituto de Química, 2009.

Lipo do Brasil. Literatura Técnica de matéria-prima

Downloads

Publicado

2019-12-02

Como Citar

Ribeiro, A. M., Baptista, M. C., Aihara, M. N., Toledo, T. M. P., Silva, T. F. B. X., & Lubi, N. C. (2019). Sensory and compression evaluation of facial powders obtained by different manufacturing processes. Scientific Electronic Archives, 12(6), 127–132. https://doi.org/10.36560/1262019911