Hospital morbidity due to mental and behavioral disorders in the Unified Health System in Sergipe-Brazil in 2018

K. M. H. Cavalcante

Resumo


In Brazil, despite the increasing use of information systems in research on morbidity in hospitalization authorizations, there are few epidemiological studies on hospitalizations for mental and behavioral disorders, although it is known that they imply a high financial cost for assistance in hospitalization. health and disability of the affected. The objective of this study was to describe the frequency of hospital morbidity due to mental and behavioral disorders in the Unified Health System (UHS) in Sergipe in 2018. This is a documentary research based on UHS hospital admissions records provided by the Department of Informatics of the UHS. In Sergipe, the largest number of hospitalizations in 2018 occurred in male patients, aged 30 to 39 years, and its higher frequency was due to schizophrenia, schizotypic and delusional disorders. There was a difference in the second cause of psychiatric hospitalizations in relation to sex. For men, the second most frequent diagnosis in hospitalizations for mental disorders was related to the use of other psychoactive substances, while for women were those of mood. These hospitalizations motivated by mental and behavioral disorders in 2018 occurred mainly in the capital Aracaju (95.5%). Knowing the profile of hospitalizations for mental disorders by the Hospital Information System can be useful not only for the epidemiological knowledge of these disorders and the planning of public health actions, but also for evaluating the effectiveness of public policies implemented in the mental health area.

 


Palavras-chave


Morbidity, Hospitalization, Mental disorders, Hospital information system.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, L.H.S.G.; VIANA, M.C.; SILVEIRA, C.M. Epidemiologia dos transtornos psiquiátricos na mulher. Archives of Clinical Psychiatry 33:43-54, 2006.

AMARANTE, P. Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2013.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5. ed. Porto Alegre: Artmed; 2014.

ARRUDA, G.O. et al. Morbidade hospitalar em município de médio porte: diferenciais entre homens e mulheres. Revista Latino-Americana de Enfermagem 22:19-27, 2014.

BITTAR, O.J.N. et al. Sistemas de informação em saúde e sua complexidade. Revista de Administração em Saúde 18, 2018.

BRASIL. Projeto de Lei nº 3.657 de 12 de setembro de 1989. Dispõe sobre a extinção progressiva dos manicômios e sua substituição por outros recursos assistenciais e regulamenta a internação psiquiátrica compulsória. Brasília: Câmara dos Deputados; 1991.

BRASIL. Lei nº 10216 de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial da União, 2001.

COELHO, R. C. B.; PARENTE, A. S. Perfil de internações por transtornos mentais e comportamentais no Estado de Pernambuco. ID on line REVISTA DE PSICOLOGIA 13:24-32, 2019.

HIANY, N. et al. Perfil epidemiológico dos transtornos mentais na população adulta no Brasil: uma revisão integrativa. Revista Enfermagem Atual InDerme 86, 2018.

HORTA, R. L. et al. Hospitalizações psiquiátricas no Rio Grande do Sul de 2000 a 2011. Revista Brasileira de Epidemiologia, 18:918-929, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estimativas da população residente no Brasil e Unidades da federação com data de referência em 1 de julho de 2018. 2018.

LARA, A. P. M.; VOLPE, F. M. Evolução do perfil das internações psiquiátricas pelo Sistema Único de Saúde em Minas Gerais, Brasil, 2001-2013. Ciência & Saúde Coletiva 24:659-668, 2019.

MELLO, N. Conheça Sergipe. Joinville: Clube de Autores. 108p. 2014.

MIRANDA, S. S. et al. Os sistemas de informação em saúde e seu apoio à gestão e ao planejamento do Sistema Único de Saúde: análise de um município de médio porte da região Nordeste. Rev. Bras. Pesq. Saúde 1:14-21, 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. The World Health Report 2001 – Mental health: new understanding, new hope. Geneva; 2001.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. The global burden of disease: 2004 update. Geneva; 2008.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. La carga de los transtornos mentales en la Regiónde las Américas. Washington, DC: 2018.

PEREIRA, P. K. et al. Transtornos mentais e comportamentais no Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH-SUS) no estado do Rio de Janeiro no período de 1999 a 2010. Cad. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro 20:482-491, 2012.

SERGIPE. Governo de Sergipe. Secretaria de Estado da Saúde. Plano Estadual de Saúde: Vigência 2016 a 2019. Aracaju: Secretaria de Estado da Saúde, 2016.

SILVA, E. C. da; COSTA JUNIOR, M. L. da. Transtornos mentais e comportamentais no sistema de informações hospitalares do SUS: perspectivas para a enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP 40:196-202, 2006.

SILVA, J. T. da. Prevalência e fatores associados aos transtornos mentais comuns em mulheres do Estado de Alagoas. 2017. 59 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) – Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde, Programa de Pós Graduação em Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.36560/13820201025

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio:
Endereço: 
Universidade Federal de Rondonópolis
Avenida dos Estudantes, 5055 - Cidade Universitária
Rondonópolis - MT, 78735-901