Nutritional management of cotton culture in Cerrado's soils from Mato Grosso

F. Mrojinski, C. C. Santos, N. S. D. Corioletti, V. L. Silva

Resumo


The cotton crop dating to 8,000 BC began with the Arabs who rudely spin and weave cotton fiber. Through the commercial deepening between Europe and the East the cotton culture gained its space in the European continent, in the middle of the seventeenth century predominated wool and over the years reached the other continents. In Brazil since the time of colonization, cotton cultivation is exploited for commercial purposes. The state of Mato Grosso leads the national production of cotton, since the economy of the same and of Brazil depend on this segment of the agribusiness that represents 15% of the national economy. In order for the cotton to reach high yields, it is necessary to have adequate nutritional management together with good practices of soil correction, since the crop is very demanding in relation to these two factors. However, it presents a certain singularity that stands out in the world scenario, because it is a fibrous and oleaginous culture, in other words, that originates products and by-products through its raw material, allowing an attractive differential that serves as an increase in income for producers who carry out this activity. In the cerrado, its cultivation serves as a viable alternative to promote the practice of rotating crops in previously cultivated areas with soybeans and corn, providing improvements in the biological quality of the soil, diversifying cropping systems making them more sustainable both by adding value to the product regarding the management of cotton. The crop is quite responsive to the fertilization and the conditions that the Cerrado provides for it, and it needs nutritional sources in several stages of its development. The objective of this study was to discuss the type of nutritional management that is used in the cotton crop under Cerrado conditions.


Palavras-chave


Gossypium hirsutum L., plant nutrition, fertility

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, P. H. Liderança e competitividade. Rondonópolis: fundação MT, p. 82, 1999.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES DE ALGODÃO. Estatísticas mundo. 2008. Disponível em: . Acesso em 11 out. 2018.

BELTRÃO, N. E. M.; AZEVEDO, D. M. P. O agronegócio do Algodão no Brasil – 2. ed. rev. e ampl. – Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2008. 2 vol. 1309 p.

BORIN, A. L. D. C.; FEREIRA, A.C. B.; SOFIATTI, V.; CARVALHO, M. C. S. MORAES, M. C. G. Produtividade do algodoeiro adensado em segunda safra em resposta à adubação nitrogenada e potássica. Ceres, v. 64, n. 6, 2017.

CARDOSO, E. L.; FERNANDES. A. H. B. M.; FERNANDES. F. A. Análise de solos: finalidade e procedimentos de amostragem. Corumbá: Embrapa Pantanal, 2009. 5 p.

CARVALHO, M. DA.; FERREIRA, G. B. Calagem e adubação do algodoeiro no cerrado. Embrapa Algodão-Circular Técnica (INFOTECA-E), 2006.

AQUINO, L. A. DE.; BERGER, P. G.; NEVES, J. C. L.; LIMA, T. C.; AQUINO, R. F. B. A. DE. Parcelamento de fósforo em algodoeiro irrigado. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 42, n. 1, 2012.

HERNÁNDEZ-CRUZ, A. E.; SÁNCHEZ, E.; PRECIADO-RANGEL, P.; GARCÍA-BAÑUELOS, M. L.; PALOMO-GIL, A. ESPINOSA-BANDA, A. Nitrate reductase activity, biomass, yield, and quality in cotton in response to nitrogen fertilization. Phyton, International Journal of Experimental Botany, v. 84, n. 2, p. 454-460, 2016.

HUÇALO, O. S.; Cultura da soja em sucessão ao cultivo de Algodão submetido a diferentes doses de Boro no solo e na folha. 2006. f. 64. Dissertação (Mestrado) – UFMT, Cuiabá. 2006. Disponível em: < http://www.ufmt.br/agriculturatropical/site/nova_pagina/Diss/2006/Orlando%E9rgio%20Hu%E7alo. pdf>. Acesso em 9 de out. 2018.

IAC. Algodão. 2018 Disponível em: Acesso em 8 de out. 2018.

IMA. Instituto Matogrossense do Algodão. 2018. Disponível em:< http://www.imamt.com.br/system/anexos/arquivos/188/original/manual_3_cap2_1_.pdf?1359743094 >. Acesso 11 de out. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Levantamento sistemático da produção agrícola. Disponível em: http:// www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/ agropecuaria/lspa/lspa_201008_7.shtm. Acesso em 8 out. 2018.

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DE ECONOMIA AGROPECUÁRIA (IMEA). 4ª estimativa de safra 2014/15: algodão. 2015. Disponível em:< http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/R104_ 4a_Estimativa_de_Safra_Algodão_14-15_set15.pdf> . Acesso em 8 out. 2018.

MAUNEY, J. R. Anatomy and morphology of cultivated cotton. In: KOHEL, R.R.; LEWIS, C.F. (Ed.). Cotton. Madison, WI: Cotton American Society of Agronomy, 1984. p. 59-80.

SILVA, A. V.; CHIAVEGATO, E. J.; CARVALHO, L H.; FURLANI JÚNIOR, E.; KONDO, J. I. S.; DE SALVATIERRA, D. K.; TISSELLI, A. C.P. DE. C. Configurações de semeadura sobre a produção e a qualidade da fibra do algodoeiro. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 32, n. 4, p. 1716, 2011.

SILVA, A. F. DA. Desempenho de cultivares de algodão em Alegrete Rio Grande do Sul.2012. 73 f. Tese (Doutorado em Ciência e Tecnologia de Sementes) – apresentada ao programa de pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Sementes. Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. Universidade Federal de Pelotas. - Pelotas, Rio Grande do Sul, 2012.

SILVA, S. H. et al. Componentes de produção e produtividade do algodoeiro em resposta da adubação boratada em solo de Cerrado. VII Congresso Brasileiro do Algodão, 2009. Disponível em: <

(2117-2121).pdf>. Acesso em 9 de out. de 2018.

ZANCANARO, L.; GRESPAN, S. L. Nutrição e Adubação do Algodoeiro no Mato

Grosso. In: Fundação MT; Mato Grosso: liderança e competitividade.

Rondonópolis: Gráfica União, 1999, p. 87-98.

CORRÊA, J. C.; SHARMA, R. D. Produtividade do algodoeiro herbáceo em plantio direto no Cerrado com rotação de culturas. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 39, n. 1, p. 41-46, 2004.

UFLA. Nutrição Mineral de Plantas. 2018. Disponíveis em: < http://www.dcs.ufla.br/site/_adm/upload/file/pdf/Prof_Faquin/Nutricao%20mineral%20de%20plantas.pdf> Acesso em 15. out. 2018.

MALAVOLTA, E. Adubação mineral e sua relação com doenças de plantas – a visão de um nutricionista de planta. In: Workshop – a interface solo-raiz (rizosfera) e relações com a disponibilidade de nutrientes, a nutrição e as doenças de plantas. Piracicaba: POTAFOS/ESALQ, 1998. p. 1-60.




DOI: http://dx.doi.org/10.36560/13920201032

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio:
Endereço: 
Universidade Federal de Rondonópolis
Avenida dos Estudantes, 5055 - Cidade Universitária
Rondonópolis - MT, 78735-901