Consumption of Herbal Toward Social Responsibilities: Accounts Experiences

J.G.A. Paiva, E. S. Fernandes, E. V. Araujo, F. S. Thomasi, G. F. Mota, J. V. Gonçalves, R. B. Silva, S. E. G. Amaral, T. G. Machado

Resumo


Plants has an important role in human life and health forever. Medicinal plants are used for prophylaxis, welfare, improvement in quality of life and cure of diseases, which can be sources of medicines, earning preference and market space, a fact that influences business changes. The present study reports the knowledge of teachers and students of the degree course of Bachelor of Pharmacy UNIDESC-GO and seeks to identify medicinal plants and the most widely used herbal medicines. Semi structured questionnaires were used to evaluate the rational use and return to this same population, the correct way to use, care, prevention and current plants and herbal consumed. Of the respondents, 52% are female, 95% are students and 5% are Bachelor of Pharmacy. About 90% of respondents do not have a university education, 75% of respondents say they have learned to use medicinal plants with relatives, 80% of first degree relatives. The bilberry (Plectranthus barbatus Andrews) was the most cited plant. Exposing the importance of scientific knowledge, it is noted that the academy should work with more affinity to traditional experiences. Thus, it creates the technical and scientific knowledge to better achieve the rational use of medicinal and herbal plants.

Palavras-chave


Medicinal Plants, Phytotherapic, Quality of Life & Rational Use of Drugs

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, AS; SOUSA, EG; SILVA, MA; SUELLEM, H; OLIVEIRA, MC; MEDEIROS MB. Plantas medicinais: aspectos do uso de fitoterápicos na melhoria da qualidade de vida humana. UFPB – PRG: 2007.

KLEIN, T; LONGHINI, R; BRUSCHI, ML; MELLO, JCP. Fitoterápicos: um mercado promissor. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada 2009;30(3):241-248 ISSN 1808-4532.

BALBINO, EE; DIAS, MF. Farmacovigilância: um passo em direção ao uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos. Revista Brasileira de Farmacognosia Brazilian Journal of Pharmacognosy 20(6): 992-1000, Dez. 2010.

ALBERTASSE, PD; THOMAZ, LD; ANDRADE, MA. Plantas medicinais e seus usos na comunidade da barra do jucu, vila velha, es. Rev. Bras. Pl. Med., Botucatu, v.12, n.3, p.250-260, 2010.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira / Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: ANVISA, 2011.

VIEIRA, SCH; SÓLON, S; VIEIRA, MC; ZÁRATE NAH. Levantamento de fitoterápicos manipulados em farmácias magistrais de Dourados-MS.Rev. bras. farmacogn. vol.20 no.1 Curitiba Jan./Mar. 2010.

RIBEIRO, M; ALBIERO, ALM; MILANEZE-GUTIERRE, MA. Taraxaracum officinale Weber (dente-de-leão): uma revisão das propriedades e potencialidade medicinais. Maringá, Apadec, 2004.

MORAES, ACS; SILVA, KAM; COELHO, MC; SOUSA, SMF; SILVA, MP. Uso e consumo de fitoterápicos na localidade Tinguis, na cidade de altos-PI. II Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte Nordeste de Educação Tecnológica João Pessoa - PB – 2007.

MANGUE, SS; MENTZ, LAEP. Uso de plantas medicinais na gravidez. Rev. Bras. de Farmacognosia 2001.

ETHUR, L.Z; JOBIM, J.C.; RITTER, J.G.; OLIVEIRA, G.; TRINDADE, B.S. Comércio formal e perfil de consumidores de plantas medicinais e fitoterápicos no município de Itaqui-RS. Curso de Agronomia, Campus de Itaqui, UNIPAMPA. Rev. bras. plantas med. vol.13 no.2 Botucatu 2011.

ANVISA. O que devemos saber sobre medicamentos. 2013.

SANTOS, RL; GUIMARAES, GP; NOBRE, MSC; PORTELA, AS. Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no Sistema Único de Saúde. Rev. Bras. Pl. Med., Botucatu, v.13, n.4, p.486-491, 2011.

BRANDÃO, A. Fitoterapia, com certeza. Pharmacia Brasileira nº 81 - Abril/Maio 2011.

RIBEIRO, AQ; LEITE JPV; DANTAS-BARROS AM. Perfil de utilização de fitoterápicos em farmácias comunitárias de Belo Horizonte sob a influência da legislação nacional. Revista Brasileira de Farmacognosia Brazilian Journal of Pharmacognosy 15(1): 65-70, Jan./Mar. 2005.

ROSSATO AE; PIERINI MM; SANTOS RR; ZANETTE VV. Fitoterapia Racional: Aspectos Taxonômicos, Agroecológicos, Etnobotânicos e Terapêuticos. Volume 1. 1a Edição Florianópolis, SC, 2012. Editora, DIOESC.

DIAS, T. Produtos fitoterápicos à luz da legislação vigente e confiabilidade de suas indicações terapêuticas. Porto Alegre. UFRGS. Faculdade de Farmácia, 1997. TCC.

RATES, SMK & SANTOS, LS. Piper methysticum, um novo ansiolítico? Rev. Bras. Farm. 78(2): 44-48. 1997.

ZUCOLOTTO, T; APEL, M; RATES, SMK. Análise de produtos fitoterápicos comercializados em Porto Alegre, RS. Revista do Instituto Adolfo Lutz. 58(2): 25-31, 1999.

RATES, SMK. Pomoção do uso racional de fitoterápicos: uma abordagem no ensino da Farmacognosia. Rev. Bras. Farmacognosia. 11(2): 57-69. 2001.

JUNIOR, VFV. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais da saúde e modo de uso pelapopulação.Revista Brasileira de Farmacognosia. v. 18, n. 2, p. 308-313, abr./jun. 2008.

CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. “Compêndio de Plantas Medicinais e Fitoterápicos” Pharmacia Brasileira - Maio/Junho 2009.

CARVALHO, ACB; NUNES, DSG; BARATELLI, TG; MAHMUD NS; SHUQAIR, SAQ; NETTO, EM. Aspectos da legislação no controle dos medicamentos fitoterápicos. T&C Amazônia, Ano V, Número 11, Junho de 2007.

RODRIGUES, HG; MEIRELES, CG; LIMA, JTS; TOLEDO, GP; CARDOSO, JL; GOMES, SL. Efeito embriotóxico, teratogênico e abortivo de plantas medicinais. Rev. Bras. Pl. Med., Botucatu, v.13, n.3, p.359-366, 2011.

RDC-CFF. Resolução Da Diretoria Colegiada Nº. 48, De 16 de Março De 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Uso racional de medicamentos: temas selecionados / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos – Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 156 p. : il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

SIMÕES, FIW; HASHIMOTO, F. Mulher, mercado de trabalho e as configurações familiares do século XX. Revista Vozes dos Vales da UFVJM: Publicações Acadêmicas – MG – Brasil – No 02 – Ano I – 10/2012

MACHADO, MH. A participação da mulher no setor saúde no Brasil - 1970/80. Cad. Saúde Pública. 1986, vol.2, n.4, pp. 449-460. ISSN 0102-311X.

LOPES, MJM; LEAL, SMC. A feminização persistente na qualificação profissional da enfermagem brasileira. Recebido para publicação em janeiro de 2005, aceito em março de 2005. RS, Porto Alegre – RS. adernos pagu (24), janeiro-junho de 2005, pp.105-125.

GIL, CRR. Formação de recursos humanos em saúde da família: paradoxos e perspectivas. Human resources training in family health: paradoxes and perspectives. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 21(2):490-498, mar-abr, 2005.

DUTRA, MG. Plantas medicinais, fitoterápicos e saúde pública: um diagnóstico situacional em Anápolis, Goiás. / Maria da Glória Dutra. Anápolis: Centro Universitário de Anápolis – UniEvangélica, 2009.

SCHEK, G. Plantas Medicinais e o cuidado com saúde em famílias descendentes de pomeranos no sul do Brasil. Gabriele Schek. Pelotas. 2011.

TORRES, AR; OLIVEIRA, RAG; DINIZ, MFFM & ARAUJO, EC. Estudo sobre o uso de plantas medicinais em crianças hospitalizadas da cidade de João Pessoa: riscos e benefícios. Rev. bras. farmacogn. 2005, vol.15, n.4, pp. 373-380.

CONFAR. Atividades do Farmacêutico na Farmácia Comunitária. Farmácia Comunitária, Brasília – agosto de 2009.

OLIVEIRA CJ; ARAÚJO TL. Plantas medicinais: usos e crenças de idosos portadores de hipertensão arterial. Rev. Eletr. Enf. [Internet] 2007;9(1):93-105.

PAGLIOSA, FL. Percepções sobre saúde e doença dos estudantes da primeira fase do curso de medicina da UFSC. FLORIANÓPOLIS, OUTUBRO DE 2006.

SILVA, MDP; SANTOS, WB; RIBEIRO, SS; MARINI, FS. Levantamento das Plantas Medicinais da Comunidade Barra de Mamanguape- Rio Tinto, PB, Resgatando e Valorizando o Saber.

LOURES, MC; PORTO, CC; SIQUEIRA, KM; BARBOSA, MA; MEDEIROS, M; BRASIL, VV; et al. Contribuições da fitoterapia para a qualidade de vida: percepções de seus usuários. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010 abr/jun; 18(2): 278-83.

MARTINS, AFG. Fitoterapia na abordagem do risco cardiovascular: Efeitos do extracto de arroz fermentado por Monascus purpureus no perfil lipídico. Universidade Da Beira Interior Faculdade de Ciências da Saúde. Covilhã, Maio de 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica/Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

PAES, MPC. Aceitabilidade e uso de plantas medicinais na população do bairro Guarani em Uberlândia, Minas Gerais, no ano de 2004. Curso livre de fitomedicina. Uberlândia / 2004.

DUARTE, RN; SOUSA, IF. Prática Farmacêutica em Farmácias e Drogarias - www.InstitutoSalus.com, outubro de 2011.

RIBEIRO, KS; GUIMARÃES, ALA. O uso de medicamentos à base de plantas medicinais por médicos do SUS no município de Teresópolis/RJ. Revista Agrogeoambiental, Pouso Alegre, Edição Especial n. 1, p. 61-65, ago. 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.36560/812015143

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio:
Endereço: 
Universidade Federal de Rondonópolis
Avenida dos Estudantes, 5055 - Cidade Universitária
Rondonópolis - MT, 78735-901