Use of tyrosine kinase inhibitors in the treatment of chronic myeloid leukemia (CML)

C. B. Almeida, E. F. Souza, G. G. Oliveira

Resumo


Chronic Myeloid Leukemia is a hematological cancer that comes from translocation between chromosomes 9:22 t(9:22) (q34; 11), from which originates the BCR-ABL hybrid gene that is responsible for the alteration of protein kinase in leukemic cells. This atypical chromosome is called the Philadelphia chromosome and is present in most cases of CML. The triggering factor of this mutation is still unknown, however studies have reported a relationship with prolonged exposure to radiation. This disease has three characteristic phases: chronic phase, acute phase and blast crisis. It affects mostly men aged 55-60 years old, hardly emerging in children and youth. This disease accounts for approximately 15% of all existing leukemias. Because of its complexity, long treatment was not specific and patients progressed to death in a short time. However, with advances in research a breakthrough in the treatment of CML emerged with the development of tyrosine kinase inhibitors. The prototype of the first generation was imatinib mesylate, which offers to the patients more effective and lasting responses. However, some patients develop resistance during treatment and thus were developed dasatinib and nilotinib, which represent second generation of tyrosine kinase inhibitors, appearing more potent and less likelihood of resistance development. Tyrosine kinase inhibitors are more effective, efficient and powerful when compared to the previous treatment offered to patients with CML, besides having fewer side effects and fewer adverse reactions. This study aimed to carry out a review of the treatments used in CML with emphasis on the tyrosine kinase inhibitors from latest data. With the synthesis of new medicines options for the treatment of CML widened, it was permitted a greater therapeutic individualization. Notwithstanding the medications only control the disease and only curatively is bone marrow transplantation (BMT).

Palavras-chave


Chronic Myeloid Leukemia, BCR-ABL, Philadelphia chromosome, Tyrosine kinase inhibitors

Texto completo:

PDF

Referências


ABRALE – Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia. Diagnóstico LMC. 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 agosto 2014.

ABTO – Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. Manual de informações ao paciente de TMO. 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 setembro 2014.

ALBERT EINSTEIN – Sociedade Beneficente Israelita Brasileira. Leucemia: tudo sobre a doença. 2011. Disponível em: . Acesso em: 05 agosto 2014.

AMEO – Associação da Medula Óssea. O que é o transplante de medula óssea (TMO). São Paulo, 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 setembro 2014.

APCL – Associação Portuguesa Contra a Leucemia. Tipos de Leucemia. 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 agosto 2014.

______. Transplante de Medula óssea. 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 setembro 2014.

ARANHA, F. J. P. Leucemia Mieloide Crônica – transplante de medula óssea. Rev. Bras. Hematol. Hemoter.; vol.30, 2008.

AVILA, C. M. & ROMEIRO, N. C. Proteínas tirosinas quinases: Desafios do desenvolvimento de fármacos para a terapia do câncer. Rev. Virtual Quim.; 2010. Disponível em: . Acesso em: 29 agosto 2014.

BERGANTINI, A. P. F. et.al. Leucemia mieloide crônica e o sistema Fas-FasL. Rev. bras. hematol. hemoter.; 27(2):120-125,2005.

BOECHAT, N. et. al. Mesilato de Imatinibe: Uma Otimização em sua Síntese. Rev. Virtual Quim.; 2013.

BORGES, W. Brasil produz droga anticâncer pela primeira vez. Conselho Regional de Medicina de Pernambuco, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 agosto 2014.

BORTOLHEIRO, T. C. & CHIATTONE, C. S. Leucemia Mieloide Crônica: história natural e classificação. Rev. bras. hematol. hemoter.; 30(Supl. 1):3-7, 2008.

BRASIL. Secretaria de Atenção à Saúde Aprova o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Leucemia Mieloide Crônica do Adulto. Portaria nº 1.219, de 4 de novembro de 2013.

CARVALHO, V. A. et. al. Temas em psico-oncologia. São Paulo: Summus Editorial, 2008.

CHAUFFAILLE, L. L. F. Neoplasias mieloproliferativas: revisão dos critérios diagnósticos e dos aspectos clínicos. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. vol.32 no.4, 2010.

DELAMAIN, M. & CONCHON, M. Os inibidores de tirosino quinase de segunda geração. Rev. bras. hematol. Hemoter.; 30(Supl. 1):37-40, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 agosto 2014.

DOBBIN, J. A. & GADELHA, M. I. P. Mesilato de imatinibe para o tratamento da leucemia mieloide crônica. Revista Brasileira de Cancerologia; 48(3): 429-438, 2002.

DUARTE, N. L. A leucemia mieloide crônica e o uso do mesilato de imatinibe em seu tratamento. 2005. Monografia (Curso Técnico de Nível Médio em Laboratório em Biodiagnóstico em Saúde) – Fundação Oswaldo cruz, Rio de Janeiro, 2005. Disponível em: . Acesso em: 22 agosto 2014.

EMA. Resumo do EPAR destinado ao público Sprycelf: dasatinib. European Medicines Agency, 2012. Disponível em: < http://www.ema.europa.eu/docs/pt_PT/document_library/EPAR_-_Summary_for_the_public/human/000709/WC500056993.pdf >. Acesso em:A29 agosto 2014.

______. Resumo do EPAR destinado ao público Tasigna: nilotinib. European Medicines Agency, 2012. Disponível em: . Acesso em: 26 agosto 2014.

FACULDADE DE FARMÁCIA/ UFG – HEMATOPOESE. 2014. Disponível em: . Acesso em: 28 agosto 2014.

FDA – Food and Drug Administration. FDA aprova o Dasatinibe (Sprycel), em dose diária única de 100 miligramas, para o tratamento da leucemia mieloide crônica resistente ao uso de Imatinibe (Glivec). 2007. Disponível em: . Acesso em: 02 setembro 2014

FERNANDES, T. Por um diagnóstico mais preciso e barato. 2008.Disponível em: < http://cienciahoje.uol.com.br/noticias/genetica/por-um-diagnostico-mais-preciso-e-barato>. Acesso em: 07 agosto 2014.

GEARY, C. G. The story of chronic myeloid Leukemia: Current TREATMENT Options. Blood; 98:2039-42, 2001.

GLIVEC: mesilato de imatinibe. Farm. Resp.: Flavia Regina Pegorer – CRF-SP 18.150. São Paulo: NOVARTIS, 2014. Bula de remédio.

GOODRX – Sprycel. 2014. Disponível em: . Acesso em: 01 setembro 2014.

GRANDO, A. C. & WAGNER, S. C. Avaliação laboratorial da doença residual mínima por Real-Time PCR. J Bras. Patol. Med. Lab. Dez. 2008; v. 44, n. 6, p. 433-440.

GRIESSHAMMER, M. et al. Chronic myelogenous leukemia in blast crisis: retrospective analysis of prognostic factors in 90 patients. Annals of Hematology; v. 73, p. 225-230, 1996.

GUIMARÃES, J. L. M. & ROSA, D. D. Rotinas em oncologia. Porto Alegre: Artmed, 2008.

GUSHIKEN, T. et. al. Avaliação do Status Quimérico e Pesquisa da Doença Residual em Pacientes Submetidos ao Transplante de Medula Óssea. 2002. Mostra de Tecnologia da

UNESP – Universidade estadual de São Paulo, Botucatu, 2002. Disponível em: . Acesso em: 07 agosto 2014.

HAMERSCHLAK, N. Manual de Hematologia. 1 ed. São Paulo: Manole, 2010.

HOFFBRAND, A.V. et. al. Fundamentos em Hematologia. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

HOSPITALAR. Instituto Vital Brazil entrega ao SUS o primeiro lote de medicamento oncológico. 2013. Disponível em: . Acesso em: 22 agosto 2014.

INCA – Instituto Nacional do Câncer; Ministério da Saúde. Leucemia: subtipos. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 agosto 2014.

______. Leucemia: sintomas. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 agosto 2014.

______. Transplante de Medula Óssea. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 setembro 2014.

JAMUR, V. R. Estudo citogenético de pacientes com leucemia mieloide crônica tratados com o mesilato de imatinibe. 2005. Dissertação (Mestre em Ciências Biológicas) – Departamento de Genética da Universidade Federal do Paraná, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2005. Disponível em: . Acesso em: 18 agosto 2014.

KANTARJIAN, H. M. et. al. Nilotinib (formerly AMN107), a highly selective BCR-ABL tyrosine kinase inhibitor, is effective in patients with Philadelphia chromosome -positive chronic myelogenous leukemia in chronic phase following imatinib resistance and intolerance. The American Society of Hematology; 110: 3540-3546, 2007.

KANTARJIAN, H. M. et. al. Nilotinib in imatinib-resistant CML and Philadelphia Chromosome–Positive aLL. The new england journal o f medicine; 354;24, 2006.

KING, T. C. Patologia. 1 ed. São Paulo: Elsevier, 2007.

LACY et. al. Medicamentos Lexi-comp Manole: uma fonte abrangente para médicos e profissionais da saúde. 1 ed. São Paulo: Manole, 2009.

LALNET – Latin American Leukemia Net. O que você deve saber sobre Leucemia Mieloide Crônica (LMC). 2014. Disponível em: . Acesso em: 09 agosto 2014.

LEE, M. L. Leucemia mieloide crônica em pediatria. Perspectivas atuais. Rev. Bras. Hematol. Hemoter.; vol.30 , 2008.

LEVINSON, W. Microbiologia Médica e Imunologia. 10 ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

LOPES, N. & ABREU, M. Inibidores de tirosino quinase na Leucemia Mieloide Crônica. Rev. Bras. hematol. hemoter.; 2009.

MALUF, S. W. et. al. Citogenética humana. Porto Alegre: Artmed, 2011.

MELLO, M. C. R. Avaliação da resposta clínica e citogenética em portadores de leucemia mieloide crônica, tratados com inibidor da tirosina quinase (imatinib). 2004. Tese (Doutorado em Hematologia) – Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004. Disponível em: . Acesso em: 20 agosto 2014.

MELO, M. & SILVEIRA, C. Leucemia e Linfomas. 2 ed. Rio de Janeiro: Rubio, 2013.

NOVARTIS. Glivec (imatinib). 2014. Disponível em: . Acesso em: 22 agosto 2014.

NOVARTIS ÍNDIA – Tasigna. 2014. Disponível em: . Acesso em: 27 agosto 2014.

ONCOGUIA – Instituto Oncoguia. Sinais e Sintomas da Leucemia Mieloide Crônica (LMC). 2012. Disponível em: . Acesso em: 09 agosto 2014.

______. Terapia Alvo para Leucemia Mieloide Crônica (LMC). 2012. Disponível em: . Acesso em: 07 agosto 2014.

QUINTÁS-CARDAMA, A. et. al. Tyrosine kinase inhibitor-induced platelet dysfunction in patients with chronic myeloid leukemia. The American Society of Hematology; 114: 261-263, 2009.

SILVA, P. Farmacologia. 8 ed. Rio de Janeiro: Guanabara koogan, 2010.

SPRYCEL: dasatinibe. Responsável Técnico: Dra. Elizabeth M. Oliveira – CRF-SP n° 12.529. São Paulo: Bristol-Myers Squibb, 2013. Bula de remédio.

TABAK, D. G. Transplante de medula óssea na leucemia mieloide crônica. Simpósio: TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA; 33: 264-277, 2000.

TASIGNA: nilotinibe. Farm. Resp.: Flavia Regina Pegorer – CRF-SP 18.150. São Paulo: NOVARTIS, 2014. Bula de remédio.

UFF – Universidade Federal Fluminense. Hematopoiese. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: . Acesso em: 02 agosto 2014.

UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Orientações ao paciente: Dasatinibe. 2010. Educação em Saúde vol. 02 – Hospital das Clínicas, Porto Alegre, 2010. Disponível em: . Acesso em: 28 agosto 2014.

______. Orientações ao paciente: Nilotinibe. 2010. Educação em Saúde vol. 02 – Hospital das Clínicas, Porto Alegre, 2010. Disponível em: . Acesso em: 27 agosto 2014.

XAVIER, N. G. Perfil epidemiológico da leucemia mieloide crônica no sul do Brasil. 2010. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Biomedicina) – Instituto de Ciências da Saúde, Feevale, Novo Hamburgo, 2010.

ZAGO et. al. Hematologia: fundamentos e prática. 1 ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.36560/952016310

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio:
Endereço: 
Universidade Federal de Rondonópolis
Avenida dos Estudantes, 5055 - Cidade Universitária
Rondonópolis - MT, 78735-901