Phytotherapy and medicinal plants: The perception of nurses in Family Health Units (FHU)

F. F. Francisco, D.L. Pereira, R. S. Brito, C. Schuck, R. G. Maria, C. Reis, P. P. Cavalcanti

Resumo


Medicinal plants and phytotherapy are forms of alternative therapy, so it is necessary that health professionals are trained to use them in primary health care. This research had the aim to draw the profile of nurses of the municipality of Sinop/MT, regarding the use of medicinal plants/phytotherapic herbs, as well as the interest of implementing this practice to the daily life of the FHU. It is an exploratory study with a quantitative and qualitative approach; data were collected from March to July 2012 in all FHUs and 14 nurses participated in the study. Among the professionals interviewed, 50% used medicinal plants/phytotherapic herbs and the other 50% denied using this practice. However, when asked about the possibilities of implementing the prescription of this form of therapy in the FHU of the municipality, 78.57% said they were favorable. When asked about the opportunity to take an undergraduate course on medicinal plants, 100% answered that they would not attend. However, so that these therapies are rescued, it is necessary to invest in a new training policy and in a permanent process of human resources training, especially in Nursing, which plays a fundamental and direct role with the population, and has the opportunity to educate by clarifying about the proper use of medicinal plants and herbal medicines.

Palavras-chave


Medicinal Plants, Nursing, Herbal Medicine, Complementary Medicine

Texto completo:

PDF (English)

Referências


BASTOS, R.A.A., LOPES, A.M.C. A fitoterapia na rede básica de saúde: o olhar da enfermagem. Revista Brasileira de Ciências da Saúde 14(2):21-28, abr.-jun. 2010.

BADKE, M.R. Conhecimento popular sobre o uso de plantas medicinais e o cuidado de enfermagem. 2008. 92 p. Dissertação (Mestrado em Cuidado, Educação e Trabalho em Enfermagem e Saúde). Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, 2008.

BELTRAME, F.L., FERRONI, D.C, ALVES, B.R.V. et. al. Avaliação da qualidade das amostras comerciais de Baccharis trimera L. (Carqueja) vendidas no Estado do Paraná. Acta Scientiarum. Health Sciences, 31(1),37-43, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sistema Nacional de Informações Toxicológicas (SINITOX). 2009a. Disponível em: http://www.fiocruz.br/sinitox_novo/media/tab01_centro_2009.pdf acessado em: 21/08/2012

BRASIL. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estimativa populacional de 2009. 2009b. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/calendario.shtm acessado em: 22/09/2011

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Plantas Medicinal e Fitoterápico. Brasília, DF. 77 p. 2007. Disponível em: http://portal.mda.gov.br/portal/saf/arquivos/view/Programa_Nacional_de_Plantas_Medicinais_e_Fitoter%C3%A1picos..pdf acessado em: 20/08/2012

BRASIL. Ministério da Saúde. A Fitoterapia no SUS e o Programa de Pesquisa de Plantas Medicinais da Central de Medicamentos. Brasília, DF. 2006a. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/fitoterapia_no_sus.pdf acessado em: 19/08/2012

BRASIL. Agência Nacional da Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos Farmacopéia Brasileira 1ª Edição. 2010. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/farmacopeiabrasileira/conteudo/Formulario_de_Fitoterapicos_da_Farmacopeia_Brasileira.pdf acessado em: 18/08/2012

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde/Ministério da Saúde. Resolução nº 196, de 10 de outubro de 1996a. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, Seção 1, p. 21082.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de diretrizes e bases da educação nacional (LDB) nº 9394/96. Diário Oficial da União. Brasília, DF. Sessão 1, p.27833-2784.

BRASIL. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº 197/97. Estabelece e reconhece as terapias alternativas como especialidade e/ou qualificação do profissional de enfermagem. Brasília (DF), Conselho Federal de Enfermagem; 1997. Disponível em: http://www.abraten.com.br/arquivos/legislacaocofen.pdf acessado em: 22/08/2011

BRASILEIRO, B.G., PIZZIOLOLL, V.R., MATOS, D.S., et al. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no “Programa de Saúde da Família”, Governador Valadares, MG, Brasil. Rev. Bras. Cienc. Farm. 44(4): 629-636, dez.2008.

BRUNING, M.C.R. A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu: Paraná: a visão dos profissionais de saúde. 2009. p.61. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva). Instituto de Medicina Social - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

CEOLIN, T., HECKLL, R.M., BARBIERI, R.L., et al. Plantas medicinais: transmissão do conhecimento nas famílias de agricultores de base ecológica no Sul do RS. Rev. Esc. Enferm. USP, 45(1): 47-54, mar. 2011.

CERVO, A.L., SILVA, R., BERVIAN, P.A. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

FRANCA, I.S.X., SOUZA, J.A., BAPTISTA, R.S., et al. Medicina popular: benefícios e malefícios das plantas medicinais. Rev. Bras. Enf. 61(2): 201-208, mar.-abr. 2008.

HECK, R.M., ROESE, A., PIRIZ, M.A., et al. Plantas medicinais e enfermagem: uma nova perspectiva no combate aos radicais livres. Cogitare Enfermagem (UFPR) 16(1): 122-26, jan-mar. 2011.

PADILHA, M.I.C.S., VAGHETTI, H.H., BRODERSEN, G. Gênero e enfermagem: uma análise reflexiva. Revista de Enfermagem UERJ 14(2): 292-300, abr.-jun. 2006.

NASCIMENTO, D.D.G.; OLIVEIRA, M.A.C. Competências profissionais e o processo de formação na residência multiprofissional em Saúde da Família. Saúde e Sociedade, 19(4), 814-827, out-dez. 2010.

SANTOS, R.L., GUIMARÃES, G.P., NOBRE, M.S.C., et al. Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no Sistema Único de Saúde. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 13(4): 486-491, 2011.

SOUZA, A.C.C., MUNIZ FILHA, M.J.M., SILVA, L.F., et al. Formação do enfermeiro para o cuidado: reflexões da prática profissional. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, 59(6): 805-807, nov-dez. 2006.

SIQUEIRA, J.E. Tecnologia e medicina entre encontros e desencontros. Revista Bioética, Brasília, 8(1): 55-65, 2000.

TROVO, M.M, SILVA, M.J.P., LEÃO, E.R. Terapias alternativas/complementares no ensino público e privado: análise do conhecimento dos acadêmicos de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 11(4), 483-489, jul-ago. 2003.

VEIGA JUNIOR, V.F. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Revista Brasileira de Farmacognosia, 18(2), 308-313.

VEIGA JUNIOR, V.F., PINTO, A.C., MACIEL, M.A.M. Plantas medicinais: cura segura? Química Nova, 28(3), 519-528, mai-jun. 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.36560/1032017437

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio:
Endereço: 
Universidade Federal de Rondonópolis
Avenida dos Estudantes, 5055 - Cidade Universitária
Rondonópolis - MT, 78735-901