Nursing as a profession: reflections on the conceptions of incoming academics about work and its precariousness.

L. M. S. Andrade, E. Caetano, S. R. O. Maier

Resumo


Nursing since its inception carries design help, donations and vocation with its meaning, but this way of thinking idealized contrasts with the difficulties of effective worker nurse, who sells his labor power and is subject to the capitalist mode of exploitation thus ensuring their livelihoods. At any moment in history, the work takes different forms depending on the modes of production, and only human beings are able to create and recreate it. The aim of this paper was to analyze the conceptions that undergraduate nursing students have about the profession at the beginning of the course and relate these concepts to the precariousness of work in nursing. We used the field research methodology, with a qualitative approach, we conducted semi-structured interviews with incoming students in the undergraduate nursing course at a Federal Higher Education Institution (HEI), and the sample had a total of 9 interviewees, which were Analyzed through Content Analysis, and used historical dialectical materialism as a reference for discussion, since through a historical and social interpretation of reality we proceed to correlate these conceptions. Thus, the following results emerged: "care as nursing object of work" and "'improvisation or precarization of work in nursing?". As results it was possible to verify how the vocational and aid conception may be related to the difficulty of the workers in fighting for working conditions and the close perceived relation of the capitalist mode of production to the forms of precariousness of work in health . New studies should indicate the need to deepen the theme and thus make it possible to overcome the characteristic limits of this profession.

 


Palavras-chave


nursing, education, work, Precarious work, profession and academics

Texto completo:

PDF

Referências


AIKEN LH, CLARKE SP, SLOANE DM, LAKE ET, CHENEY T. Effects of hospital care environment on patient mortality and nurse outcomes. J Nurs Adm., v. 38, n. 5, p. 223-29, 2008. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19641438

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho. São Paulo: Boitempo Editorial; 2003.

Baraldi, Solange. Supervisão, flexibilização e desregulamentação no mercado de trabalho: antigos modos de controle, novas incertezas nos vínculos de trabalho da enfermagem [tese]. São Paulo: , Escola de Enfermagem; 2005 [citado 2017-07-02]. doi:10.11606/T.7.2005.tde-20062006-144209.

BARDIN, L. Análise do conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL, Ministério da Educação e Cultura. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 3 de 9 de novembro de 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem. Diário Oficial da União. Brasília, 09 nov. 2001. http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES03.pdf

CUNHA, K. C. O contexto e o processo motivacional vivenciado por enfermeiras. 1994. 129 p. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1994.

FRIGOTTO, G. Trabalho. In: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (Ed.). Dicionário da Educação Profissional em Saúde. Rio de Janeiro, 2006.

GOMEZ, C. M.; COSTA, S. M. F. T. Precarização do trabalho e desproteção social: desafios para a saúde coletiva. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 411-421, 1999. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81231999000200015

INTERNATIONAL COUNCIL OF NURSES. The global nursing shortage: priority areas for intervention. 2006. Geneva, Switzerland. Disponível em: http://www.icn.ch/global/report2006.pdf

KANAI-PAK, M.; AIKEN, L. H.; SLOANE, D. M.; POGHOSYAN, L. Poor work environments and nurse inexperience are associated with burnout, job dissatisfaction and quality deficits in Japanese hospitals. J Clin Nurs. v. 17, n. 24, p. 3324-9, 2008. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1365-2702.2008.02639.x/full

KUNZER, A. Z. Sob a reestruturação produtiva, enfermeiros, professores e montadores de automóveis se encontram no sofrimento do trabalho. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v.2, n.1, p. 239-265, 2004. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462004000100007.

LUCENA, A. F.; PASKULIN, L. M. G.; SOUZA, M. F.; GUTIERREZ, M. G. R. Construção do conhecimento e do fazer enfermagem e os modelos assistenciais. Rev Esc Enferm USP. São Paulo, v. 40, n.2, p. 292-298, 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342006000200020

MARX, K. O Capital. Crítica da economia política. Livro Primeiro – O processo de produção do capital. vol.1. 7. ed. São Paulo: DIFEL, 1982.

MARZIALE, M. H. P. Enfermeiros apontam as inadequadas condições de trabalho como responsáveis pela deterioração da qualidade da assistência de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v.9, n.3, 2001. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692001000300001.

MATTOSO, J. E. L.; OLIVEIRA, M. A. Desenvolvimento excludente, crise econômica e desafios do sindicalismo brasileiro. Cadernos do CESIT. Campinas, n.1, p. 1-28, 1990.

MERHY, E. E.; FRANCO, T. B. Trabalho em Saúde. In: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (Ed.). Dicionário da Educação Profissional em Saúde. Rio de Janeiro, 2006.

MERHY, E.E. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: MERHY, E.E.; ONOCKO, R. (Orgs.). Agir em saúde: um desafio para o público. 3.ed. São Paulo: Hucitec, 2007. p.71-111. http://www.uff.br/saudecoletiva/professores/merhy/capitulos-03.pdf

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11. ed. São Paulo: Hucitec, 2007.

NELSON, S. A imagem da enfermeira – as origens históricas da invisibilidade na enfermagem. Texto contexto – enferm. Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 223-224, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072011000200001

PADILHA, M. I.; BORENSTEIN, M. S.; SANTOS, I. Enfermagem: história de uma profissão. 1 ed. São Caetano do Sul – SP: Difusão Editora, 2011. 477 p. ISBN 9788578081034.

PIRES, D. E. Divisão técnica do trabalho em saúde. In: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (Ed.). Dicionário da Educação Profissional em Saúde. Rio de Janeiro, 2006. http://www.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/divtectrasau.html

RENOVATO, R. D.; BAGNATO, M. H. S.; MISSIO, L.; BASSINELLO, G. A. H. As identidades dos enfermeiros em cenários de mudanças curriculares no ensino da enfermagem. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 231-248, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462009000200003.

RODRIGUES, R. M. Enfermagem compreendida como vocação e sua relação com as atitudes dos enfermeiros frente às condições de trabalho. Rev Latino-am Enfermagem. Ribeirão Preto, v.9, n. 6. p. 76-82, 2001. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692001000600013




DOI: http://dx.doi.org/10.36560/1142018530

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio:
Endereço: 
Universidade Federal de Rondonópolis
Avenida dos Estudantes, 5055 - Cidade Universitária
Rondonópolis - MT, 78735-901