Profile of the elderly who attend companionship groups in Sinop-MT

R. G. Masochini, S. V. Jezus, A. N. Cunha, P. C. Fanin

Resumo


The Brazilian population aging in recent decades has led to the creation and implementation of public policies aimed at guaranteeing the social rights of the elderly. The need to implement strategies that provide autonomy, social integration and quality of life for this age group has become increasingly urgent. This study aimed to describe the socio-economic, familial and health profiles of the elderly who participate in a companionship group in the municipality of Sinop-MT. Data collection were performed through a multiple choice questionnaire Brazil Old Age Schedule (BOAS). This is a cross-sectional study with a quantitative approach. The sample consisted of 49 elderly participants of the elderly companionship group. Data collection was performed from April 20 to May 20, 2017. The results indicated that 27 (55.10%) were women, 28 (57.14%) widowers, 37 (75.50%) had finished primary school, 32 (65.30%) were retired and 22 (89%) had income between two and three minimum wages per month. 29 (59.1%) reported never feeling lonely and 46 (93.8%) did not feel depressed. 77.55% (n = 38) reported living alone and being solely responsible for household income; 75.51% (n = 37) said they were satisfied with the family relationship. (61.22%) evaluated their health as good, 81.63% (n = 40), had a confirmed diagnosis of disease, 69.38% (n = 34) reported using at least one medication and 79.59% (n = 39) reported excellent willingness to perform activities. With the purpose of obtaining subsidies that make possible the local planning of the actions directed to this population, through this study it is concluded that the participation of the elderly in companionship groups promotes a more active life and the inclusion of these individuals in social activities, so that the same ones exchange experiences, broaden their means of conviviality, improve their self-esteem and enjoy a quality old age.


Palavras-chave


Elderly, Active aging, Groups

Texto completo:

PDF (English)

Referências


ALMEIDA, E. A. de; Madeira, G. D.; Arantes, P. M. M.; Alencar, M. A. Comparação da qualidade de vida entre idosos que participam e idosos que não participam de grupos de convivência na cidade de Itabira – MG. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, 13(3): 435-443, 2010.

ANDRADE, A. do N.; NASCIMENTO, M. M. P. do; OLIVEIRA, M. M. D. de; QUEIROGA, R. M. de; FONSECA, F. L. A.; LACERDA, S. N. B.; ADAMI, F. Percepção de idosos sobre grupo de convivência: estudo na cidade de Cajazeiras – PB. Revista de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, 17(1): 39-48, 2014.

BERTOLINO et al. Implantação de um grupo de terceira idade na UBS de Jardim do Sol. Revista Espaço para a Saúde, 1: 155-163, 2000.

BORGES, P. L. C.; BRETAS, R. P.; AZEVEDO, S. F. de; BARBOSA, J. M. M. Perfil dos idosos frequentadores de grupos de convivência em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(12): 2798-2808, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Coordenação de Apoio à Gestão Descentralizada. Diretrizes operacionais para os pactos pela vida, em defesa do SUS e de gestão. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006.

FERREIRA, O. G. L.; MACIEL, S. C.; COSTA, S. M. G.; SILVA, A. O.; MOREIRA, M. A. S. P. Envelhecimento ativo e sua relação com a independência funcional. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, 21(3): 513-8, 2012.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6 ed. São Paulo: Atlas 2010

MARIN, M. J. S.; CECÍLIO, L. C. de O.; PEREZ, A. E. W. U. F.; SANTELLA, F.; SILVA, C. B. A.; GONÇALVES FILHO, J. R.; ROCETI, L. C. Caracterização do uso de medicamentos entre idosos de uma unidade do Programa Saúde da Família. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(7): 1545-1555, 2008.

OLINO, R. Quem é o idoso hoje? In: BERTELLI, S. B. O idoso não quer pijama!: aprenda a conhecer e como tratar esse novo cliente. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2006.

PILGER, C.; MENON, M. U.; MATHIAS, T. A. F. Utilização de serviços de saúde por idosos vivendo na comunidade. Revista Esc. Enfermagem USP, São Paulo, 47(1): 213-20, 2013.

RIZZOLLI, D.; SURDI, A. C. Percepção dos idosos sobre grupos de terceira idade. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, 13(2): 225-233, 2010.

SANTOS, D. B. dos. 3ª idade: os novos consumidores do turismo. Revista Turismo (Online), 2003. Disponível em: . Acesso em: 07 nov. 2017.

SILVA et al. Doenças e agravos não-transmissíveis: bases epidemiológicas. In: ROUQUAYROL, M. Z.; ALMEIDA FILHO, N. Epidemiologia e Saúde. Rio de Janeiro: MEDSI, 2012. cap. 10, 289-311.

SOBREIRA, F. M. M.; SARMENTO, W. E.; OLIVEIRA, A. M. B. de. Perfil epidemiológico e sócio demográfico de idosos frequentadores de grupos de convivência e satisfação quanto a participação no mesmo. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, São Caetano do Sul, 15(4): 429-438, 2011.

VARGAS, A. C.; PORTELLA, M. R. O diferencial de um grupo de convivência: equilíbrio e proporcionalidade entre os gêneros. Revista Kairós, São Paulo, 16: 227-238, 2013.

WHO – World Health Organization. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Tradução de Suzana Gontijo. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005. 60 p. Disponível em: . Acesso em: 07 nov. 2017.

WICHMANN, F. M. A.; COUTO, A. N.; AREOSA, S. V. C.; MONTAÑÉS, M. C. M. Grupos de convivência como suporte ao idoso na melhoria da saúde. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, 16(4): 821-832, 2013.

YOKOYAMA, C. E.; CARVALHO, R. S. de; VIZZOTTO, M. M. Qualidade de vida na velhice segundo a percepção de idosos frequentadores de um centro de referência. Psicólogo inFormação, 10(10): 57-82. , 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.36560/1152018690

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio:
Endereço: 
Universidade Federal de Rondonópolis
Avenida dos Estudantes, 5055 - Cidade Universitária
Rondonópolis - MT, 78735-901