Characterization of traumatic spinal cord injuries: an integrative review of the literature

F. Maas, G. A. S. Moser, D. A. Goettens, J. F. Lima, S. S. Souza, D. C. M. Aguiar

Resumo


The objective of this study was to know the profile of traumatic spinal cord injuries in Brazil. Thus, was used the integrative review, whose searches were conducted in October 2018, with health descriptors: spinal cord injuries, injuries and injuries, spinal injuries, epidemiology, spinal column and wheelchair. Among the data surveyed in the last 10 years, from January 2008 to January 2018, 148 publications were found in the Latin American and Caribbean Literature in Health Sciences (LILACS), 136 in the Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE) and 85 in the Scientific Electronic Library Online (SCIELO), leaving only 10 articles after selection criteria. Therefore, the results showed that the profile of the patients affected by traumatic spinal cord trauma is of men, with low schooling and age between 21 and 30 years. In addition, there is a predominance of injuries caused by a car accident, fall and perforation by firearm projectile, mainly injuring the cervical and thoracic portions of the spine. Thus, it is concluded that the development of this study contributed to the understanding of the epidemiological profile, the main causes and the factors that are related to the injuries of the traumatic spinal cord trauma, and may contribute to the improvement of the care provided to this group.


Palavras-chave


Spinal cord injury; Wounds and injuries; Spinal injuries; Epidemiology; Spine; Wheelchair

Texto completo:

PDF

Referências


ALMADA, Ana Paula; LORENTZ, Michelle Nacur; VIANNA, Bruna Silviano Brandão. Choque neurogênico e posicionamento após trauma raquimedular. Revista Médica de Minas Gerais, 2018.

BAMPI, L. N. S; GUILHEM, D; LIMA, D. D. Qualidade de vida em pessoas com lesão medular traumática:um estudo com WHOQOL-bref. RevBrasEpidemiol., v. 11, n. 1, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de Atenção à Pessoa com Lesão Medular. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas e Departamento de Atenção Especializada. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BRITO, L.M.O. et. al. Avaliação epidemiológica dos pacientes vítimas de traumatismo. Rev. Col. Bras. Cir. v. 38, n.5, p.304-30, 2011.

CAMPOY, Laura Terenciani; RABEH, Soraia Assad Nasbine; NOGUEIRA, Paula Cristina; VIANNA, Patrícia Carla; MIYAZAKI, Margareth Yuri. Práticas de autocuidado para funcionamento intestinal em um grupo de pacientes com trauma raquimedular. Acta Fisiátrica, Volume 19, Número 4, 2012.

CEREZETTI, C. R. Lesão Medular Traumática e Estratégias de Enfrentamento: Revisão Crítica. O Mundo da Saúde, Rio de Janeiro. 2018.

CHEUNG, A. et. al.Incidence and Impact of Acute Adverse Events in Patients with Traumatic Spinal Cord Injury. Spine J. v. 11, n.10 (Supplement) 2011.

COSTA, V.S.P. et al.Perfil dos Pacientes com Trauma Raquimedular Atendidos pelas Clínicas Escolas de Londrina. Cient Cienc Biol Saúde. v. 12, n.2, p.39-44, 2010.

DINIZ, Iraktânia Vitorino; SOARES, Rackinelly Alves Sarmento; NASCIMENTO, João Agnaldo do; SOARES, Maria Júlia Guimarães Oliveira. Caracterização das Vítimas de Acidente de Trânsito Que Apresentaram Traumatismo Raquimedular. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v.16, n.3, p.371-378, 2012.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

FRANÇA, I. S. X. et. al. Qualidade de vida de adultos com lesão medular: um estudo com WHOQOL-bref. RevEscEnferm USP, v. 45, n. 6, 2011.

FRISON, V.B. et. al.Estudo do perfil do trauma raquimedular em Porto Alegre. Fisioter Pesq. v.20, n.2, p.165-171, 2013.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1995.

HOPPENFELD, S. Neurologia para Ortopedistas. Rio de Janeiro: Cultura Médica, 2015.

JANAHU, Lila, et. al.Trauma Raquimedular: Perfil Epidemiológico dos Pacientes Atendidos no os Municipal Mario Pinotti no anos de 2003 a 2005. Fisioterapia Ser. Vol. 4 - № 2009.

JUNIOR, F.A.A. et. al.Traumatismo raquimedular por ferimento de projétil de arma de fogo: avaliação epidemiológica. Coluna/Columna. v.10, n. 4, p.290-2, 2011.

MAGALHÃES, Mauricio. Avaliação em pacientes com traumatismo raquimedular: um estudo descritivo e transversal. São Paulo. 2011.

MAGALHÃES, M.O. et al. Avaliação em pacientes com traumatismo raquimedular: um estudo descritivo e transversal. ComScientiae Saúde, v.10, n.1, p.69-76, 2011.

MELO, Renato Miranda de Melo; MENDONÇA, Edson Tadeu de; MENDONÇA, Ernesto Quaresma; MENDONÇA, Mateus Quaresma. Ossificação heterotópica em saco herniário incisional. Revista Colégio Brasileiro de Cirurgiões, 2012.

MORAIS, D.F. et. al. Perfil epidemiológico de pacientes com traumatismo raquimedular atendidos em hospital terciário.Coluna/Columna. v.12, n.2, p.149-52, 2013.

MARCON, Raphael. Trauma Raquimedular (TRM). Disponível em: http://drmarcon.com.br/website/index.php/entenda-sua-doenca/trauma-raquimedular. Acesso em 21 mai. de 2018.

NORONHA, Juliana. Levantamento Epidemiológico dos Casos de Lesão Medular Espinhal Traumática Atendidos em Unidade de Reabilitação de Goiânia. Dissertação Apresentada à Universidade Católica de Goiás para Obtenção do Título de Mestre em Ciências Ambientais e Saúde. Goiás. 2008.

PEREIRA, Carlos Umberto; JESUS, Rafaela Mota de. Epidemiologia do Traumatismo Raquimedular. J. Bras. Neurocirurg. 22 (2): 26-31, 2011.

POLIT, D. F.; BECK, C. T.; HUNGLER, B. P. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação e utilização. Trad. de Ana Thorell. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004

RABEH SAN, CALIRI MHL, HAAS VJ. Prevalência de úlcera por pressão em indivíduos com lesão da medula espinhal e a relação com a capacidade funcional pós trauma. Acta Fisiatra, 16(4):173-178, 2009.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

RIEDER, M. M. Traumatismo Raquimedular: Aspectos epidemiológicos de recuperação funcional e de biologia molecular. [Monografia] Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2014.

SANTOS, T.S.C; GUIMARÃES, R.M; BOEIRA, S.F. Epidemiologia do Trauma Raquimedular em emergências públicas no município do Rio de Janeiro.Esc. Anna Nery (impr.) out/dez, v.16, n.4, p.747-753, 2012.

SCHOELLER, S.D. et al. Mudanças na vida das pessoas com lesão medular adquirida.Rev Eletr Enf. v.14, n.1, p.95-103, 2012.

SOUZA, M. T. D. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein: São Paulo, 2010.

SOUZA, Mariana Fernandes Cremasco; WHITAKER, Iveth Yamaguchi; ZANEI, Suely Sueko Viski. Risco de lesão por pressão em UTI: adaptação transcultural e confiabilidade da EVARUCI. Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2018.

SPOSITO, Maria Matilde de Mello; ALBERTINI, Simone Bio. Tratamento farmacológico da espasticidade na paralisia cerebral. Acta Fisiátrica,Volume 17 - Número 2, 2010.

TAVARES, C.B. et. al. Perfil epidemiológico dos pacientes com fratura da coluna cervical tratados cirurgicamente no serviço de neurocirurgia do Hospital de Base do Distrito Federal (Brasília, Brasil). Arquivos Brasileiros de Neurocirurgia, v.35, n.1, 2016.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VIÚDES, M.A.A; COSTA, J.M; NUNES, C.M.P. Perfil dos pacientes internados por trauma raquimedular em hospital público de ensino. Rev Med Minas Gerais, v.25, n.3, p.366-371, 2015.

WHITTEMORE R, KNAFL K.A revisão integrativa: metodologia de atualização. J . Adv Nurs. 2005; 52(5): 546-53.

ZANINELLI, E.M. et al.Avaliação epidemiológica das fraturas da coluna torácica e lombar de pacientes atendidos no pronto-socorro do Hospital do Trabalhador da UFPR de Curitiba – Paraná. Coluna/Columna. v.4, n.1, p.11-15, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.36560/1352020936

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio:
Endereço: 
Universidade Federal de Rondonópolis
Avenida dos Estudantes, 5055 - Cidade Universitária
Rondonópolis - MT, 78735-901