The rescue of the polytraumatized victims due to violence in transit in the city of Chapecó-SC: the “golden hour”

G. A. S. Moser, D. C. M. Aguiar, B. C. Franciscon, J. F. Lima, F. B. Haag

Resumo


Trauma is considered the third cause of death, being understood as a disease with endemic character in modern society is not only affecting the field of public health, but also, the socio-political society. According to the Advanced Trauma Life Support - ATLS, in emergencies, the first hour, called the "Golden Hour" (Golden hour), this is the moment in which more deaths occur. However, this is also the time for more if you can avoid them. This study aimed to understand how the pre-hospital care and hospital conducted both by the Fire Department of the west of SC, and by nurses from the emergency department of a regional hospital in the west of Santa Catarina, whereas the reception and customer service in the first hour of trauma ("golden hour") the polytraumatized patients. It is a qualitative, with data collection in the first half of October 2016, through semi structured interviews held with nine Militarized Firemen and four nurses to an emergency room, using as analytical method to Content Analysis of Bardin. In this study, it was observed that within 60 minutes that comprise the golden hour, first medical care which is since the so-called redemption until the reached the hospital, is done quickly and properly in most of the times, ignoring the factors that may delay the answer, as transit, incarceration and away from the occurrence, being the victim transported in a timely manner. This delay in care is often caused by delay of complementary examinations, delay of care by the medical team, deficiency of structure and overcrowding, these factors generate a cascade of delay, which consequently worsen the situation of the patient, increasing morbidity and mortality. You will notice that the golden hour is valuable in that it concerns the maintenance of life and consequences for patients. A quick and effective way can increase the chances of survival of same. It is known that the development of services of APH, whether public or private, culminate with the need for trained and qualified professionals that meet the specific needs of the nursing care during the pre-hospital care, with a view to prevention, protection and recovery to healthIt is of great importance to discuss more about the topic and conduct further studies to develop mechanisms that reduce this time-response thus lowering the risk of sequelae and mortality due to trauma.


Palavras-chave


Traffic Accident. Trauma. Firefighters. Nursing. Health.

Texto completo:

PDF

Referências


ADÃO, Rodrigo de Souza; SANTOS, Maria Regina dos. Atuação do enfermeiro no atendimento pré-hospitalar móvel. REME – Rev. Min. Enferm., out./dez. 2012. 8 f. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2016.

ATLS – Advanced Trauma Life Support. Manual de alunos. 9. ed. Chicago: Colégio Americano de Cirurgiões, 2014.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2014.

CARVALHO, Carlos Henrique Ribeiro de. Mortes por acidentes de transporte terrestre no Brasil: análise dos sistemas de informação do Ministério da Saúde. Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), n. 2.212, 2016. 51 f. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2016.

COELHO, Andreia Sofia Martins Pires. A cirurgia de damage control em contexto de trauma: a fisiopatologia como suporte para a sua realização. 2012. 52 f. Dissertação (Mestrado em Medicina) – Faculdade de Medicina do Porto, Portugal, 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2016.

DUARTE, Nádia Maria da Conceição; LACERDA, Augusto Marcio; CRUVIVEL, Marcos Guilherme Cunha. Atendimento pré-hospitalar ao politraumatizado. Curso de Educação a Distância em Anestesiologia, v. 5, 2010. 27 f. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.

FELIX, Nalu Rodrigues et al. Caracterização das vítimas de acidente motociclístico atendidas pelo serviço de atendimento pré-hospitalar. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, v. 4, n. 4, p. 1.399-1.411, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.

GOMES, Uendel Dourado. Conflitos no setor de urgência/emergência de hospitais públicos do distrito federal: a perspectiva dos emergencistas de sete unidadesoperacionais do corpo de bombeiros do DF. 2013. 55 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Administração) – Universidade de Brasília, Brasília, 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2015.

GONSAGA, Ricardo Alessandro Teixeira et al. Características dos atendimentos realizados pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência no município de Catanduva, Estado de São Paulo, Brasil, 2006 a 2012. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 22, n. 2, p. 317-24, abr./jun. 2013.

LIMA, Talita Corrêa. Prática assistencial de enfermagem à vítima de trauma com fraturas de membros no atendimento pré-hospitalar fundamentada em Wanda de Aguiar Horta. 2011. 57 f. Trabalho de Conclusão (Curso de Assistência de Enfermagem em Urgência e Emergência) – Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC, Criciúma (SC), 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2016.

MATTOS, Leandro Sanceverino; SILVÉRIO, Maria Regina. Avaliação do indivíduo vítima de politraumatismo pela equipe de enfermagem em um serviço de emergência de Santa Catarina. Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza, v. 25, n. 2, p. 182-91, abr./jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2016.

PEREIRA, Ibenéias Gonçalves; NEVES, Flávia Silva. Comportamentos de risco: uma revisão bibliográfica sobre as causas de acidentes de trânsito nos últimos 10 anos. Revista Cereus, Gurupi/TO, v. 5, n. 2, p. 71-89, maio/ago. 2013.

RIBEIRO, Antônio César; SILVA, Yanna Baralle. Enfermagem pré-hospitalar no suporte básico de vida: postulados ético-legais da profissão. Cogitare Enferm., Curitiba, v. 21, n. 1, p.1-8, jan. 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2016.

ROGERS, Frederick B.; RITTENHOUSE, Katelyn. The golden hour in trauma:dogma or medical folklore? The Journal of Lancaster General Hospital, Lancaster, v. 9, n. 1, p. 11-3, set. 2014. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2016.

SALLUM, Ana Maria Calil; SOUSA, Regina Marcia Cardoso de. Diagnósticos de enfermagem em vítimas de trauma nasprimeiras seis horas após o evento. Acta Paul. Enferm., v. 25, n. 2, p. 256-62, 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2016.

SCREMIN, Marlete; BATIZ, Eduardo Concepción. Fatores que influenciam no cumprimento do protocolo do ATLS para cuidados de politraumatizados: um estudo de caso em uma emergência. Produção em Foco, Joinville/SC, v. 1, n. 1, p.1-4, jan. 2011. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2016.

SILVEIRA, Elvis da Silva. “Análise de um centro de trauma a partir do modelo proposto pela Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro”. 2015. 69 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Fundação Osvaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: . Acesso em: 5 nov. 2016.

SOARES, Gisélia Lúcia; SILVA, Pollyanna Maria da. A “Lei Seca” – 11.705/2008 – e seus reflexos na educação, saúde e qualidade de vida da população na comarca de Brusque-SC. Revista da Unifebe, v. 9, p. 18-29, jan./jun. 2011. Disponível em: . Acesso em: 5 nov. 2016.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2012: Caderno complementar 2: acidentes de trânsito. São Paulo: Instituto Sangari, 2012. 31 f. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.36560/1372020940

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio:
Endereço: 
Universidade Federal de Rondonópolis
Avenida dos Estudantes, 5055 - Cidade Universitária
Rondonópolis - MT, 78735-901