Ethical issues facing the nursing care in pediatric intensive care units: literature review

K. T. Espindula, C. R. A. Corrêa, S. R. O. Maier, W. S. Oliveira

Resumo


This study aims to identify the production of the last ten years about the Care of Nursing in Intensive Therapy Units Paediatric in Brazil. This is a review of the literature, the inclusion criteria were: articles available in full text, in Portuguese, published in the last ten years considering the period between January 2008 to January 2018, and indexed in the database BDENF. Were selected 11 articles and analyzed by means of analysis of thematic content. This has emerged the category of “Malpractice and negligence in nursing care in the intensive care unit”. Has been identified as the care exercised by the nursing teams have been overlooked and as the clumsiness is present in this assistance. Concludes that it is necessary a continuous training of the professional of nursing, as well as, studies that provide methods of awareness-raising in this context, in addition to the application in practice of the Code of Ethics of the Nursing Professionals.


Palavras-chave


Intensive care Unit; Pediatric Intensive care unit; Child; Nursing Care.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


ASSOCIAÇÃO DE MEDICINA INTENSIVA BRASILEIRA. Censo 2016. 2017. Disponível em: . Acesso em 20 de agosto de 2018.

ASSOCIAÇÃO DE MEDICINA INTENSIVA BRASILEIRA. Saiba como funciona uma UTI pediátrica, 2017. Disponível em: . Acesso em 20 de agosto de 2018.

ANDRADE, L. d.; VIANA, L. d. Conhecimento e prática do enfermeiro no centro de terapia intensiva pediátrico. Revista Cogitare Enfermagem, Rio de Janeiro, vol. 13 (1): 52-60, jan/mar; 2008.

BELELA-ANACLETO, A. S.;PETERLINE, M. A.; PEDREIRA, M. d.; (18 de Set de 2016). Hand hygiene as a caring practice: a reflection on professional responsibility.Revista Brasileira de Enfermagem, São Paulo, vol. 70 (2):461-464, mar/abr; 2017. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/reben/v70n2/pt_0034-7167-reben-70-02-0442.pdf>. Acesso em: 17 de agosto de 2018.

BRASIL. Lei n° 8.069, de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, DF, mar 2016. Disponível em:< http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1990/lei-8069-13-julho-1990-372211-publicacaooriginal-1-pl.html> Acesso em: 15 de agosto de 2018.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria n° 895, de 31 de março de 2017. Disponível em:< http://www.sgas.saude.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/105/2016/08/Portaria_895_2017_UTI_UCO.pdf>. Acesso em 10 de abril de 2018.

CAMARGO, L. R.; PEREIRA, G. R. Análise dos registros realizados pela enfermagem e o possível impacto na auditoria: uma revisão da literatura nacional. Revista de Administração em Saúde, vol. 17 (68): 1-11, jul/set, 2017. Disponível em:. Acesso em 15 de agosto de 2018.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução nº 0564, de 06 de novembro de 2017. Disponível em:. Acesso em: 05 de setembro de 2018.

DERHUN, F. M. et al. Conhecimento de profissionais de enfermagem sobre a higienização das mãos. Revista Cogitare Enfermagem, vol. 21 (3): 1-8, jul/set, 2016. Disponível em:. Acesso em 10 de setembro de 2018.

FERNANDES, M. d.; KOMESSU, J. H. Desafios do enfermeiro diante da dor e do sofrimento da família de pacientes fora de possibilidades terapêuticas. Revista Escola de Enfermagem USP, São Paulo, 47 (1):250-257, 2013 Disponível in . Acesso em 10 de setembro de 2018.

FONTES, C. M.; OLIVEIRA, A. S.; TOSO, L. A. Brinquedo Terapêutico enm unidade de terapia intensiva pediátrica. Revista de Enfermagem UFPE OnLine, Recife, vol.11(Supl. 7): 2907-2915, 2017. Disponível em: . Acesso em 12 março de 2018.

FREITAS, G. F.; OGUISSO, T. Ocorrências éticas na enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, DF. vol. 56, (6): 637-639, 2003. Disponível em: ISSN. Acesso em 10 de agosto de 2018.

GOFFMAN, E. A representaçãodo eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 2007.

GUEDES, D. M.; ROSSATO, L. M.; OLIVEIRA, E. A. Diagnósticos de enfermagem mais frequentes em uma unidade de terapia intensiva pediátrica. Revista de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria. vol. 5, (3): 476-485, 2015. Diponível em:< https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/16471/pdf>. Acesso em 12 de março de 2018.

GUEDES, D. M.; SANTOS, L. C.; OLIVEIRA, E. A. Intervenções de enfermagem em uma unidade de terapia intensiva pediátrica. Revista de Enfermagem UFPE OnLine, Recife, vol. 11(1):102-111, 2017. Disponível em:< file:///C:/Users/Usuario/Downloads/11883-28508-1-PB%20(3).pdf>. Acesso em 12 de março de 2018.

KRAYCHETE, D. C.; VANDERLEY, S. B. Dor na Criança- Avaliação e Terapêutica, 2003. Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor. Disponível em: . Acesso em 10 de agosto de 2018.

LEMOS, S.; MIGUEL, E. A. Caracterização do manejo da dor, realizado pela equipe de enfermagem, na unidade de terapia intensiva pediátrica. Revista Ciência Cuidado e Saúde, vol. 7 (1): p. 82-87, 2008. Disponível em:

MARQUES, C. D. et al. Significados atribuídos pela equipe de enfermagem em unidade de terapia intensiva pediátrica ao processo de morte e morrer. Revista Mineira de Enfermagem, Maringá,vol.17(4): 823-830, 2013. Disponível em:< http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=BDENF〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=25530&indexSearch=ID>. Acesso em 12 de março de 2018.

MATTOS, P.C. Tipos de Revisão de Literatura. 2015. Disponível em:http://www.fca.unesp.br/Home/Biblioteca/tipos-de-evisao-de-literatura.pdf. Acesso em 12 de março de 2018.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa Social. Teoria Método e Criatividade. 30 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

NIGHTINGALE, F.; SKRETKWICZ, V. Notas sobre enfermagem. Nova Iorque: Springer Pub, 2010.

PESSALACIA, J. D. et al. Atuação da Equipe de Enfermagem em UTI pediátrica: um enfoque na humanização. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, São João del Rei, vol. 2 (3): 410-418, 2012. Disponível em:< http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/275/365>. Acesso em 12 de março de 2018.

PINHEIRO, A. L. et al. Avaliação e manejo da dor: revisão integrativa. Journal Of Nursing and Health, vol. 4(1): 77-89, 2014. Disponívelem:. Acesso em 10 setembro de 2018.

RAIMONDI, D. C. et al. Higienização das mãos: adesão da equipe de enfermagem de unidades de terapia intensiva pediátricas. Revista Cuidarte, [S.l.], v. 8, n. 3, p. 1839-48, sep. 2017. Disponível em:< https://www.revistacuidarte.org/index.php/cuidarte/article/view/437>. Acesso em 12 de março de 2018.

ROCHA, D. D. et al. Sentimentos vivenciados pelos profissionais de Enfermagem diante de morte em unidade de terapia intensiva neonatal. Revista Mental, Barbacena, vol. 11 (21):p.546-560, jul-dez de 2017. Disponível em:. Acesso em: 10 de setembro de 2018.

RODRIGUES, A. C.; CALEGARI, T. Humanização da assistência na unidade de terapia intensiva pediátrica: perspectiva da equipe de enfermagem. Revista Mineira de Enfermagem, vol. 20:e933, p. 1-7, 2016. Disponível em:. Acesso em 12 de março de 2018.

HOSPITAL INFANTIL SABARÁ. Primeira UTI Pediátrica do Brasil, 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 de agosto de 2018.

SOARES, M. I. et al. Sistematização da Assistência de Enfermagem: facilidades e desafios do enfermeiro na gerência da assistência. Revista de Enfermagem Escola Anna Nery, vol.19 (1): p. 47-53, 2015. Disponível em:. Acesso em 05 de setembro de 2018.

VALERA, I. M. et al. Registros de enfermagem em unidades de terapia intensiva pediátrica: estudo descritivo. Revista Online Brazilian Journal of Nursing, vol. 16 (2): p. 152- 158, 2017. Disponívelem:. Acesso em 12 de março de 2018.

VOCCI, M. C.; TOSO, L. A.; FONTES, C. M. Aplicação da escala de Braden Q em unidade de terapia intensiva pediátrica. Revista de Enfermagem UFPE OnLine, Recife, vol. 11(1): p.165-172, 2017. Disponível em:. Acesso em 12 de março de 2018.

WELLER, J.; BOYD, M.; CUMIN, D. Teams, tribes and patient safety: overcoming barriers to effective teamwork in healthcare. Revista Médica de Pós-Graduação, vol. 90: p. 149-154, 2014. Disponível em:. Acesso em 15 de agosto de 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.36560/1262019948

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio:
Endereço: 
Universidade Federal de Rondonópolis
Avenida dos Estudantes, 5055 - Cidade Universitária
Rondonópolis - MT, 78735-901