Compatibilidade físico-química de caldas fungicidas e adjuvantes

Autores

  • Rogério Philipe Martins Ribeiro Instituto Federal Goiano, Câmpus Morrinhos
  • Lilian Lúcia Costa Instituto Federal Goiano, Câmpus Morrinhos
  • Érica Fernandes Leão-Araújo Instituto Federal Goiano, Campus Urataí
  • Arthur Oliveira Instituto Federal Goiano, Campus Urataí

DOI:

https://doi.org/10.36560/14520211275

Palavras-chave:

Acidez. Condutividade elétrica. Hidrólise alcalina. Potencial hidrogeniônico. Pulverização

Resumo

Os adjuvantes podem melhorar a qualidade das aplicações, porém a interação adjuvante e agrotóxico é um processo complexo, que envolve muitos aspectos físicos, químicos e fisiológicos, e pode variar para cada condição testada. Assim, objetivou-se avaliar a compatibilidade físico-química de caldas fungicidas comumente utilizadas na cultura da soja associadas a diferentes adjuvantes e com a água. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado (DIC) em esquema fatorial 3 x 5 com quatro repetições, sendo o primeiro fator referente aos fungicidas (Fox®, Orkestra® e Mancozeb Glory®) e o segundo fator aos adjuvantes (Assist®, Aureo®, Nimbus®, Prime® + Prime citrus® e a água). A concentração das caldas foi estipulada adotando-se volume de calda de 100 L ha-1 e a dose recomendada pelos fabricantes. As características avaliadas foram: compatibilidade física (presença ou não de floculação, sedimentação, separação de fases, formação de grumos, separação de óleo, formação de cristais e creme e formação de espuma) e compatibilidade química (pH e condutividade elétrica). As médias dos tratamentos foram comparadas entre si pelo teste de Tukey a 0,05 de significância. Os fungicidas possuem afinidades diferentes com os adjuvantes não sendo possível generalizar as recomendações. A compatibilidade físico-química entre os fungicidas e os adjuvantes avaliados é dependente do período de repouso sendo fundamental a agitação constante antes e durante a aplicação. Na ausência de agitação no tanque de pulverização, o adjuvante Aureo® é mais indicado por manter a homogeneidade física das caldas. A maior redução do pH, bem como o maior aumento na condutividade elétrica das caldas fungicidas foram ocasionados pelos adjuvantes: Prime®+ Prime Citrus®.

Referências

BELZ, R.G.; CEDERGREEN, N.; SORENSEN, H. Hormesis in mixture – Can it be predicted? Science of the total environment, 404: 77-87, 2008.

CARLSON, K.L.; BURNSIDE, O.C. Comparative phytotoxicity of ghyphosate, SC-0224, SC-0545, and HOE-00661. Weed Science, 32: 841-884, 1984.

CARVALHO, F.K.; ANTUNIASSI, U.R.; CHECHETTO, R.G.; MOTA, A.A.B.; KRUGER, G.R. Blade angle effect on droplet size spectrum of rotary atomizers used in Brazil. Engenharia Agrícola, 36: 1118-1125, 2016.

COSTA, L.L.; DA SILVA, H.J.P.S.; ALMEIDA, D.P.; FERREIRA, M.C.; PONTES, N.C. Droplet spectra and surface tension of spray solutions by biological insecticide and adjuvants. Engenharia Agrícola, 37: 292-301, 2017.

CUNHA, J.P.A.R.; ALVES, G.S. Características físico-químicas de soluções aquosas com adjuvantes de uso agrícola. Interciência, 34: 655-659, 2009.

CUNHA, J.P.A.R.; ALVES, G. S.; MARQUES, R.S. Tensão superficial, potencial hidrogeniônico e condutividade elétrica de caldas de produtos fitossanitários e adjuvantes. Revista Ciência Agronômica, 48: 261-270, 2017.

DECARO JR, S.T.; FERREIRA, M.C.; LASMAR, O. Physical characteristics of oily spraying liquids and droplets formed on coffee leaves and glass surfaces. Engenharia Agrícola, 35: 588-600, 2015.

DE SCHAMPHELEIRE, M.; NUYTTENS, D.; BAETENS, K.; CORNELIS, W.; GABRIEKS, D.; SPANOGHE, P. Effects on pesticide spray drift of the physicochemical properties of the spray liquid. Precision Agriculture, 10: 409-420, 2009.

FRITZ, B.K.; HOFFMANN, W.C.; KRUGER, G.R.; HENRY, R.S.; HEWITT, A.; CZACZYK, Z., Comparison of drop size data from ground and aerial application nozzles at three testing laboratories. Atomization Sprays, 24: 181-192, 2014.

IKEDA F. S. Resistência de plantas daninhas em soja resistente ao glifosato. Informe Agropecuário, v.4, n.276, 2013.

KISSMANN, K. G. Adjuvantes para caldas de produtos agrotóxicos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DAS PLANTAS DANINHAS, 21, 1997, Caxambu. Palestras e mesas redondas... Viçosa: Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas, 1997. p. 61-77.

MACIEL, C.D.G.; GUERRA, N.; OLIVEIRA NETO A.M.; POLETINE, J.P.; BASTOS, S.LW.; DIAS, N. M.S. Tensão superficial estática de misturas em tanque de Glyphosate + Chlorimuron-Ethyl isoladas ou associadas a adjuvantes. Planta Daninha, 28: 673-685, 2010.

MASKI, D.; DURAIRAJ, D. Effects of electrode voltage, liquid flow rate, and liquid properties on spray chargeability of an air-assisted electrostatic-induction spray charging system. Journal of Electrostatics, 68: 152-158,2010.

MENDONÇA, C.G.; RAETANO, C.G. Tensão superficial estática de soluções aquosas com óleos minerais e vegetais utilizados na agricultura. Engenharia Agrícola, 27: 16-23, 2007.

MURPHY, G. Water pH and its effect on pesticides. Ontário: Ministry of Agriculture and Food, 2004. Disponível em: <http://www.gov.on.ca/OMAFRA/english/crops/hort/news/grower/2004/08gn04a1.htm>.

PETTER, A.F.; SEGATE, D.; ALMEIDA, F.A.; NETO, F.A.; PACHECO, L.P. Incompatibilidade física de misturas entre herbicidas e inseticidas. Planta daninha, 30: 449-457, 2012.

PETTER, A.F.; SEGATE, D.; ALMEIDA, F.A.; NETO, F.A.; PACHECO, L.P. Incompatibilidade física de misturas entre inseticidas e fungicidas. Comunicata Scientiae, 4: 129-138, 2013.

QUEIROZ, A.A.; MARTINS, J.A.S.; CUNHA, J.P.A.R. Adjuvantes e qualidade da água na aplicação de agrotóxicos. Bioscience Journal, 24: 8-19, 2008.

RHEINHEIMER, D.S.; SOUZA, R.O. Condutividade elétrica e acidificação de águas usadas na aplicação de herbicidas no Rio Grande do Sul. Ciência Rural, 30: 97-104, 2000

SASAKI, R.S.; TEIXEIRA, M.M.; SANTIAGO, H.; MADUREIRA, R.P.; MACIEL, C.F.S.; FERNANDES, H.C. Adjuvantes nas propriedades físicas da calda, espectro e eficiência de eletrificação das gotas utilizando a pulverização eletrostática. Ciência Rural, 45: 274-279, 2015.

SILVA, J.F.; SILVA, J.F.; FERREIRA, L.R.; FERREIRA, F.A. Herbicidas: absorção, translocação, metabolismo, formulação e misturas. In: SILVA, A.A.; SILVA, J.F. (Ed.). Tópicos em manejo de plantas daninhas. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 2007. 367 p.

SILVA-MATTE, S.C.; COSTA, N.V.; PAULY, T.; COLTRO-RONCATO, S.; OLIVEIRA, A.C.; CASTAGNARA, D.D. Variabilidade da quebra da tensão superficial da gota pelo adjuvante (Aureo®) em função de locais de captação de água. Revista Agrarian, 7: 264-270, 2014.

WOLF, R.E.; GARDISSER, D.R.; MINIHAN, C.L. Field comparisons for drift reducing/deposition aid tank mixes. St. Joseph: ASAE, 2003. 17p. (ASAE PAPER N° AA03-002).

Publicado

2021-04-30

Como Citar

Ribeiro, R. P. M., Costa, L. L., Leão-Araújo, Érica F., & Oliveira, A. (2021). Compatibilidade físico-química de caldas fungicidas e adjuvantes . Scientific Electronic Archives, 14(5), 35–41. https://doi.org/10.36560/14520211275

Edição

Seção

Agricultural Science