Condições Higiênico-sanitárias e qualidade microbiológica do caldo de cana “in natura” comercializado em Sinop – MT.

Autores

  • Kairo Adriano Ribeiro de Carvalho Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop
  • Pedro Henrique Duarte Sandmann Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop
  • Vanessa Mozzaquattro Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop
  • Brenda Paz Deecken Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop
  • Karolyne Vieira Bassetto Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop
  • Geovana Vicentini Fazolo da Silva Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop
  • Thaís Badini Vieira Universidade Federal do Mato Grosso - Campus Sinop

DOI:

https://doi.org/10.36560/15220221495

Palavras-chave:

Salmonella, Escherichia coli, segurança alimentar

Resumo

O caldo de cana é um alimento obtido pela prensagem da cana de açúcar (Saccharum sp) e comercializado “in natura” principalmente no comércio ambulante. Essa bebida é muito apreciada no Brasil, sendo considerada refrescante, energética, saborosa e de baixo custo. No entanto, o processo de obtenção desse produto exige o emprego de boas práticas de fabricação para que sejam preservadas a palatabilidade, a qualidade nutricional, sensorial e microbiológica. Assim, o presente trabalho teve como objetivos avaliar as condições higiênico-sanitárias dos locais de comercialização do caldo-de-cana em Sinop – Mato Grosso e a qualidade microbiológica desses produtos a fim de determinar se as amostras adquiridas encontravam-se próprias para consumo de acordo com a legislação vigente. Desse modo, elaborou-se, a partir da RDC 218 de 29 de julho de 2005, um check-list que foi aplicado no momento da coleta das amostras. Para a pesquisa foram adquiridas 32 amostras de 300 mL de caldo de cana “in natura” em 16 pontos de venda. Dessas amostras, 16 estavam acrescidas de gelo e 16 permaneceram sem gelo. As amostras foram coletadas em embalagens oferecidas pelos próprios comerciantes e transportadas em caixas isotérmicas ao Laboratório de Microbiologia da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus de Sinop. Foram realizadas as seguintes análises: enumeração de coliformes totais e termotolerantes, pesquisa de Escherichia coli e Salmonella spp. Evidenciou-se que nenhum estabelecimento atendeu completamente às exigências da RDC 218 de julho de 2005 uma vez que 68,75% dos manipuladores utilizavam adornos nas mãos, 18,75% não apresentavam unhas aparadas e curtas, 87,5% não utilizavam máscara de proteção individual e 68,75% manuseavam o caldo de cana e o dinheiro concomitantemente. Nas amostras sem gelo, 87,5% apresentavam valores de NMP/mL para coliformes totais maior que 1,1x103; 43,75% apresentavam NMP/mL para coliformes termotolerantes superior a 102; em 68,75% foram isoladas cepas de E. coli e não houve isolamento de Salmonella spp. Das amostras com gelo, 100% apresentaram os valores de NMP/mL para coliformes totais maior que 1,1x103; 62,5% obtiveram valores de NMP/mL para coliformes termotolerantes superior a 10²; em 56,25% foram isoladas cepas Escherichia coli e em 6,25% de Salmonella spp. De acordo com os padrões microbiológicos estabelecidos pela Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 12, de 2 de janeiro de 2001, 50% das amostras de caldo de cana sem gelo e 75% das amostras com gelo foram consideradas impróprias para o consumo. Tais resultados permitem inferir que a ausência das boas práticas higiênico-sanitárias na fabricação e armazenamento do produto estejam ocasionando a baixa qualidade microbiológica do produto comercializado, independentemente de estarem acrescidos ou não de gelo. Assim, por serem possíveis veiculadores de agentes etiológicos causadores de risco à saúde coletiva, torna-se necessária a intensificação das ações de vigilância a fim de garantir um alimento seguro à população.

Referências

Azevedo, A. M. F. de; Lima, L. S.; Melo, V. M. C.; Rodriges, R. L.; Gurgel Filho, N. M. Análise parasitológica do caldo de cana e das condições higiênico-sanitárias do seu comércio no centro da cidade de Fortaleza, Ceará. Nutrivisa: Revista de Nutrição e Vigilância em Saúde. V. 1, n. 2, p. 20–25, 2014.

Baptista, M.G.F.M. Mecanismos de Resistência aos Antibióticos. 42 f. (Dissertação Mestrado) – Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia, Lisboa, 2013.

Barbosa, M. M. C. Qualidade higiênico-sanitária e ocorrência de Aeromonas sp. e Escherichia coli em tilápias comercializadas no varejo. 91f. (Tese doutorado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Jaboticabal, Brasil, 2013.

Barbosa, M. M. C.; Pinto, F.R.; Ribeiro, L.F.; Guriz, C.S.L.; Ferraudo, A.S.; Maluta, R.P.; Rigobelo, E.C.; ÁvilA, F.A.; Amaral, L.A. Sorologia e suscetibilidade antimicrobiana em isolados de Escherichia coli de pesque-pagues. Arquivos do Instituto Biológico. 81:43-48, 2014.

Brasil. Instrução Normativa n° 30, de 26 de junho de 2018. Métodos analíticos oficiais para análises microbiológicas para controle de produtos de origem animal e água. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento.

Brasil. Resolução, RDC n. 12. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), 2001. Disponível em: http://sistemasweb.agricultura.gov.br/sislegis/action/detalhaAto.do?method=consultarLegislacaoFederal.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 218, de 29 de julho de 2005. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para os Serviços de Alimentação. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 29 jul 2005.

Brezovsky, F. R.; Valiatti, T. B.; Romão, N. F.; Passoni, G. P.; Sobral, F. O. S. Avaliação Microbiológica e Microscópica do Caldo de Cana Comercializado em Ji-Paraná. Ensaios e Ciência: C. Biológicas, Agrárias e da Saúde. V. 20, n. 2, p. 111, 2016.

Carvalho, T. C.; dos Santos, R. L. S.; de Araújo, L. B. A.; de Lima, J. P. S. Análise Microbiológica do Caldo de Cana Comercializado por Ambulantes na Cidade de Natal-RN. Revista Científica da escola da Saúde. Ano 5, n° 1, p. 95-104, out.2015/jan.2016.

Felipe, L. M. & Miguel, D. P. Análise da qualidade microbiológica do caldo de cana. FAZU em Revista, Uberaba. N.8, p. 77-82, 2011.

Ferreira, E. M.; Lopes, I. S.; Pereira, D. M.; Rodrigues, L. C.; Costa, F. N. Qualidade microbiológica do peixe serra (Scomberomerus brasiliensis) e do gelo utilizado na sua conservação. Arquivo do Instituto biológico. V.81, n.1, p.49-54, 2014.

Franco, C.R. & Ueno, M. Comida de rua: risco para o consumidor. Rev Hig Alimentar. V.24, n.182, p.35-39, mar, 2010.

Franco, R. M. Agentes Etiológicos de Doenças Alimentares. Editora da UFF, Niterói, BR. 117p, 2012.

Gassen, G. S.; Peder, L. D.; Silva, C. M. Análise da Qualidade Microbiológica do Caldo de Cana Comercializado em um Município da Região Oeste do Paraná. In: Colloquium Vitae. V.9, n.3, Setembro/dezembro, 2017.

Jay, J. M. Microbiologia de Alimentos. Armed, Porto Alegre, BR. 711p. 2005.

Ledra, J. G. B.; Jaques, F. V.; Lemos, M. P.; de Paula, M.; Felipe, M. R. Análise das condições higiênico-sanitárias de quiosques, que oferecem caldo de cana e coco verde, localizados no litoral norte de Santa Catarina. Rev. Hig. alim. V. 22, p. 70-75, nov/dez, 2008.

Monteiro, M. A. M. Caracterização do Comércio Ambulante de Alimentos em Belo Horizonte-MG Description of the Street Food Trade in Belo Horizonte-MG, Brazil. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde, v. 10, n. 1, p. 87–98, 2015.

Moura, L. B. D.; Cavalcante, L G. C.; Miranda Júnior, R. N. C.; Leitão, J. M. S. R. et al. Avaliação microbiológica do caldo de cana comercializado em lanchonetes no Centro de Teresina-Piauí. REAS, Revista Eletrônica Acervo Saúde Sup. 14, p.1684-1688, 2018. Doi: DOI:10.25248/REAS301_2018

Nichols, G.; Gillespie, I.; de Louvois, J. The microbiological quality of ice used to cool drinks and ready-to-eat food from retail and catering premises in the United Kingdom. Journal of food protection. V. 63, n. 1, p. 78-82, 2000.

Nonato, I. L.; de-Souza, D. A.; Reis, V.; Fonseca, S.; da-Paz, J. G.; Nomelini, Q. S. S.; Pascoal, G. B. Qualidade higiênico-sanitária de pontos de venda e análise microbiológica de alimentos de rua comercializados em um campus universitário. Bioscience Journal. V. 28, n. 6, p. 1061-1071, 2012.

Oliveira, A. C. G.; Nogueira, F. A. G.; Zanão, C. F. P.; Souza, C. W. O; Spoto, M. H. F. Análise das Condições do Comércio de Caldo de Cana em Vias Públicas de Municípios Paulistas. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas. V. 13, n. 2, p. 06-18, 2006.

Peres, B. de M. Bactérias indicadoras e patogênicas em biofilmes de sistema de tratamento de água, sistemas contaminados e esgoto. 105 p. (Dissertação Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

Prado, S. P. T.; Bergamini, A. M. M.; Ribeiro, E. G. A.; Castro, M. C. S.; Oliveira, M. A. Avaliação do perfil microbiológico e microscópico do caldo de cana in natura comercializado por ambulantes. Revista Instituto Adolfo Lutz, São Paulo – SP. V. 69, n. 1, p. 55–61, 2010.

Resplandes, E. E. V.; Socoloski, N. G.; Kemper, R. T.; Moreira, P. S. A.; Anjos, T. R.; Fortuna, J. L. F.; Vieira, T. B. Qualidade microbiológica e parasitológica de peixe "Panga" (Pangasius spp.) Microbiological and parasitological quality of “Panga fish" (Pangasius spp.). Scientific Eletrinic Archives. V. 10, n. 6, p. 116–121, 2017.

Senhorinho, J. M. & Carvalho, L. R. de Avaliação microbiológica de gelo destinado ao consumo humano comercializado na cidade de Itabuna - BA. Revista Eletrônica de Farmácia. V. 14, n. 2, p. 15-22, 2017. Doi: https://doi.org/10.5216/ref.v14i2.42438.

Silva, A. S.; Galvão, L. G. V.; Santos, J. C. dos; Campos, M. C. Avaliação microbiológica do caldo de cana comercializado na orla marítima da cidade de Salvador-BA. Candombá- Revista Virtual. p. 74–85, 2010.

Silva, M. P.; Cavalli, D. R.; Oliveira, T. C. R. M. Avaliação do padrão coliformes a 45ºC e comparação da eficiência das técnicas dos tubos múltiplos e Petrifilm EC na detecção de coliformes totais e Escherichia coli em alimentos. Ciência e Tecnologia de Alimentos. V. 26, n. 2, p. 352–359, 2006.

Simionato, E. M. R. S. & Mafei, T. D. T. Avaliação das condições higiênicos sanitárias de caldo de cana comercializado por ambulantes no município de Bauru/SP, Brasil. Rev. Bras. Pesq. Saúde. Vitória. V. 19, n. 2, p. 21-28, abr-jun, 2017.

Souza, G. C. de, Santos, C. T. B. dos; Andrade, A. A.; Alves, L. Comida de rua: avaliação das condições higiênico-sanitárias de manipuladores de alimentos. Ciência & Saúde Coletiva. V. 20, n. 8, p. 2329–2338, 2015. Doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232015208.14922014.

Sprenger, L. K.; Risolia, L. W.; Hamdar, S. Z.; Molento, M. B. Análise microbiológica de caldos de cana comercializados em Curitiba, Paraná. Archives of Veterinary Science. V. 21, n. 4, p. 1–7, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/avs.v21i4.38829.

Sprenger, L. K. & Risolia, L. W. Condições higiênicas sanitárias da produção do caldo de cana em Curitiba, Paraná. Archives of Veterinary Science. V. 22, n. 2, p. 01-07. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/avs.v22i2.38904

Gassen, G. S.; Peder, L. D. de; Silva, C. M. da Análise da Qualidade Microbiológica do caldo de cana comercializado em um município da região oeste do paraná. Colloq Vitae. V. 9, n. 3, p. 07–12, 2017. DOI: 10.5747/cv.2017.v09.n3.v203

Xavier, C. G. da S.; Bacelar, R. G. A.; Santos, E. J. R. dos; Ianiceli, J. A.; Brito, M. C.; Muratori, M. C. S. Condições higiênicossanitárias do caldo de cana de açúcar comercializado em Teresina – Piauí. Pubvet. V. 12, n. 11, p. 1–6, 2018.

Publicado

2022-01-31

Como Citar

Carvalho, K. A. R. de ., Sandmann, P. H. D. ., Mozzaquattro, V. ., Deecken, B. P. ., Bassetto, K. V. ., Silva, G. V. F. da ., & Vieira, T. B. . (2022). Condições Higiênico-sanitárias e qualidade microbiológica do caldo de cana “in natura” comercializado em Sinop – MT. Scientific Electronic Archives, 15(2). https://doi.org/10.36560/15220221495

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)