Efeito da contracepção hormonal combinada versus progesterona injetável sobre o comportamento sexual feminino

Autores

  • Débora Linsbinski Pereira Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop
  • Fábio Francoly Franciscon Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop
  • Thayla Ribeiro Pegorete Possamai Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop
  • Rosângela Guerino Masochini Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop
  • Patrícia da Costa Marisco Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop
  • Pacífica Pinheiro Lima Neta Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop

DOI:

https://doi.org/10.36560/15120221516

Palavras-chave:

Comportamento sexual, Libido, Anticoncepcionais, Saúde da Mulher

Resumo

Desde a introdução da contracepção hormonal, houve poucos relatos sobre o uso do contraceptivo oral combinado ou da progesterona injetável sobre o comportamento sexual feminino. Assim sendo, muitas mulheres desconhecem o efeito do contraceptivo hormonal sobre a libido (desejo sexual). O objetivo desta pesquisa foi comparar o comportamento sexual de mulheres que fazem uso de dois tipos de métodos contraceptivos: hormonal combinado via oral (levornogestrel 0,15mg + etinilestradiol 0,03mg) ciclo 21/7 e a progesterona injetável (acetato de medroxiprogesterona depot  - DMPA de 150mg de administração Trimestral), com o grupo controle. Trata-se de um ensaio clínico randomizado e controlado de fase IV. Participaram da pesquisa mulheres sexualmente ativas com idade entre 18 a 35 anos que faziam uso do método contraceptivo hormonal por, no mínimo, 6 meses e, do grupo controle, as que não utilizavam nenhum método hormonal para contracepção. A amostra foi composta por 10 voluntárias do grupo controle (NUCH), 10 mulheres que fazem uso do contraceptivo combinado oral (COC) e 5 voluntárias que utilizam progesterona injetável (PI). Os dados foram coletados através de um formulário de entrevista semi-estruturado. As usuárias do  grupo PI (administração trimestral), demonstraram menor interferência no desejo sexual, sendo que 60% da amostra possuem interesse sexual de 6 ou mais vezes por semana e 80% estavam satisfeitas sexualmente, quando comparado ao grupo COC. Entre as mulheres do grupo NUCH, que não fazem uso de nenhum método hormonal, 50% da amostra tinham interesse sexual de 2 a 3 vezes por semana, 40% referiram o interesse sexual apenas 1 vez por semana e 90% estavam satisfeitas sexualmente. As mulheres do grupo COC tiveram uma diminuição do desejo sexual de 80% nos últimos 6 meses. A excitação sexual durante o ato sexual esteve presente em 100% nas mulheres que fazem uso da PI, 80% do grupo controle e 90% nas usuárias do COC. Contudo, apesar da pesquisa ter demonstrado que as mulheres que utilizam COC tiveram uma diminuição do desejo sexual nos últimos 6 meses, quando comparadas com o grupo NUCH  e PI, e que 60% das que usam PI tiveram interesse sexual de 6 vezes ou mais por semana, número maior que os outros grupos da pesquisa. Nesse contexto faz-se necessária a realização de outros ensaios clínicos para certificar se realmente ocorre essa diminuição do desejo sexual e o porquê das usuárias da PI apresentarem maior interesse sexual

Referências

ABDO, C.H.N.; OLIVEIRA Jr.,W.M.; MOREIRA, E.D.; FITTIPALDI, J.A.S. Perfil sexual da população brasileira: Resultados do Estudo do Comportamento Sexual do Brasileiro (ECOS). Rev Bras Med.,, v.59, n. 4, p. 250-257, 2002.

COSTA, J.S.D.; D'ELIA, P.B.; MOREIRA, M.R. Prevalência de uso de métodos contraceptivos e adequação do uso de anticoncepcionais orais na cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Rev. Cad. Saúde Pública, v.12, n.3, p. 339-344, 1996.

CUNHA, E. M. G. P. Características sociodemográficas das mulheres brasileiras. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Centro Brasileiro de Análise e Planejamento. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Mulher e da Criança PNDS 2006. Relatório Final. BRASÍLIA/DF: Ministério da Saúde, 2008.

DUEÑAS, J. L.; LETE, I.; BERMEJO, R.; ARBAT, A.; PÉREZ-CAMPOS, E.; MARTÍNEZ-SALMEÁN, J.; SERRANO, I.; DOVAL, J. L.; COLL, C. Trends in the use of contraceptive methods and voluntary interruption of pregnancy in the Spanish population during 1997–2007. Contraception an International Reproductive Health Journal, v. 83, n. 1, p. 82 – 87, 2011.

PEDRO, J. M. A experiência com contraceptivos no Brasil: uma questão de geração. Rev. Bras. Hist., v. 23. n. 45, p. 239-260, 2003.

PERPÉTUO, I.H.O.; WONG, L.L.R. Desigualdade socioeconômica na utilização de métodos anticoncepcionais no Brasil: uma análise comparativa com base nas PNDS 1996 e 2006. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Centro Brasileiro de Análise e Planejamento. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Mulher e da Criança PNDS 2006. Relatório Final. BRASÍLIA/DF: Ministério da Saúde, 2008.

SILVERTHORN, D. U. Fisiologia Humana: uma abordagem intregada. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010. p. 854.

SCHAFFIR, J. A.; ISLEY, M. M.; WOODWARD, M. Oral contraceptives vs injectable progestin in their effect on sexual behavior. Journal of Gynecology & Obstetrics – Elsevier. v. 203, n. 6, p. 545.e1-545.e5, 2010.

SOUSA FILHO, M. B. Anticoncepcionais. In: SILVA P. Farmacologia. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. p.845-858.

TSUI, A. O.; MCDONALD-MOSLEY, R.; E BURKE, A. E. Family Planning and the Burden of Unintended Pregnancies. Journal Epidemiologic Reviews, v. 32, n. 1, p. 152–174, 2010

Publicado

2021-12-31

Como Citar

Pereira, D. L., Franciscon, F. F. ., Possamai, T. R. P. ., Masochini, R. G. ., Marisco, P. da C. ., & Lima Neta, P. P. . (2021). Efeito da contracepção hormonal combinada versus progesterona injetável sobre o comportamento sexual feminino. Scientific Electronic Archives, 15(1). https://doi.org/10.36560/15120221516