Uso de substâncias psicoativas por estudantes de medicina durante a pandemia do coronavírus

Autores

  • Fernanda de Castro Pereira Tomé Centro Universitário da Fundação Assis Gurgacz
  • Lísias de Araújo Tomé Centro Universitário da Fundação Assis Gurgacz
  • Mateus Schmitz Ramalho de Oliveira Centro Universitário da Fundação Assis Gurgacz
  • Rosimeri Lima Tomé Centro Universitário da Fundação Assis Gurgacz
  • Maycon Hoffmann Cheffer Centro Universitário Fundação Assis Gurgacz

DOI:

https://doi.org/10.36560/15620221547

Palavras-chave:

Saúde Mental, COVID-19, Psicotrópicos, Saúde do Estudante

Resumo

Objetivo: Descrever o consumo de substâncias psicoativas utilizadas por acadêmicos do curso de medicina, durante a pandemia de COVID-19. Materiais e Métodos: Estudo descritivo, retrospectivo, com abordagem quantitativa, em acadêmicos de medicina matriculados no ciclo clínico do curso de uma Universidade particular do Oeste do Paraná. A coleta de dados ocorreu mediante questionário virtual aplicado nos meses de fevereiro e março Resultado: participaram 82 acadêmicos e o nível de consumo de substâncias psicoativas consumidas foram categorizadas em seis níveis de consumo: nulo; baixíssimo; baixo; moderado; alto e altíssimo. 22% dos estudantes foram infectados pelo coronavírus; 56% avaliaram sua saúde mental como excelente e boa; houve incremento de 4% de consumo altíssimo para álcool; o hábito tabágico se elevou 3% no consumo altíssimo; o consumo de cafeína aumentou 2% para o nível altíssimo; o uso de medicação ansiolítica aumentou 6% no nível alto e 1% para o nível altíssimo; o uso de antidepressivos aumentou 5% para o nível altíssimo; houve o incremento de indutores do sono para 2% no consumo alto e 4% no consumo altíssimo; o consumo de cocaína foi considerado baixíssimo antes do isolamento social e durante o isolamento social como consumo baixo. 7% deixaram de consumir cannabis durante o isolamento social. Conclusão: Ocorreu aumento no consumo de substâncias psicoativas em diferentes níveis, tal aumento precisa ser monitorado a fim de acompanhamento e avaliação dos efeitos do seu uso.

Referências

ARAUJO, J., OLIVEIRA, A., VILELA, S., WARKENTIN, S., LOPES, C., RAMOS, E. Da emergência de um novo vírus humano à disseminação global de uma nova doença – doença por Coronavírus 2019. 2021; [online] [acesso em 2021 nov 29]. Disponível em: http://asset.youoncdn.com/ab296ab30c207ac641882479782c6c34/a2bfa110be814997bfa9fc20af55b07b.pdf. Acesso em 12. Dez de 2021.

BRASIL. Ministério da justiça (BR). Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Prevenção dos problemas relacionados ao uso de drogas: capacitação para conselheiros e lideranças comunitárias. Brasília: MJ. módulo 1, capítulo 3, p. 67-86. 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde, Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução No 466 de 12 de dezembro de 2012: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: MS; 2012.

DUARTE, M.Q., SANTO, M.A.S., LIMA, C.P., GIORDANI, J.P., TRENTINI, C.M. COVID-19 e os impactos na saúde mental: uma amostra do Rio Grande do Sul, Brasil. Ciênc. saúde coletiva. Vol. 25, n. 9, p. 3401-3411. 2020.

MACHADO, C.S., MOURA, T.M., ALMEIDA, R.J. Estudantes de Medicina e as Drogas: Evidências de um Grave Problema. Revista Brasileira de Educação Médica. Vol. 39, n.1, p. 159-167. 2015.

MAIA, B.R., DIAS, P.C. Ansiedade, depressão e estresse em estudantes universitários: o impacto da COVID-19. Estud. psicol. Vol. 37, p. (e200067). 2020.

MORGAN, H.L., PETRY, A.F., LICKS, P.A.K., BALLESTER, A.O., TEIXEIRA, K.N., DUMITH, S.C. Consumo de estimulantes cerebrais por estudantes de medicina de uma Universidade do extremo Sul do Brasil: revalência, motivação e efeitos percebidos. Revista Brasileira de Educação Médica. Vol. 41, n. 1, p. 102-109, 2017.

PEREIRA, I.S.S.D., MELO, R.A., GURGEL, A.J.P., BARBOSA, A.G.M., ZANATTA, I.C., MELO, S.L.A, et al. Uso de bebidas alcoólicas por estudantes de medicina. Journal Health NPEPS. Vol. 5, n. 1, p. 242-260. 2020.

REGO, R.M., MARQUES, N.A., MONTEIRO, P.C., OLIVEIRA, C.L.B., LINS, N.A.A., CALDAS, C.A.M. O perfil atual do estudante de Medicina e sua repercussão na vivência do curso. Pará Research Medical Journal. Vol. 2, p. e05, 2018.

SOUZA, M.S.P., ALMEIDA, R.L.M.L., AMORIM, A.T., SANTOS, T.A. Uso de antidepressivos e ansiolíticos entre estudantes do curso de farmácia em uma instituição privada e uma pública do interior da Bahia. Research, Society and Development. Vol.10, n. 8, p. e29610817177. 2021.

TEIXEIRA, L.A.C., COSTA, R.A., MATTOS, R.M.P.R., PIMENTEL, D. Saúde mental dos estudantes de Medicina do Brasil durante a pandemia da coronavirus disease 2019. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. Vol.7, n. 1, p. 21-29. 2021.

Publicado

2022-05-31

Como Citar

Tomé, F. de C. P. ., Tomé, L. de A. ., Oliveira, M. S. R. de ., Tomé, R. L. ., & Cheffer, M. H. . (2022). Uso de substâncias psicoativas por estudantes de medicina durante a pandemia do coronavírus. Scientific Electronic Archives, 15(6). https://doi.org/10.36560/15620221547

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)