Análise da prevalência de consumo de alimentos ultraprocessados entre crianças de 6 a 24 meses atendidas em um município de Goiás

Autores

  • Patrícia Perez Faculdade ZARNS
  • Bárbara Rocha Gonçalves Centro Universitário de Goiatuba
  • Anna Luísa Gonçalves Aguiar Faculdade ZARNS
  • Beatriz Ferreira Vasconcelos Faculdade ZARNS
  • Gabriela Peixoto Carvalho Faculdade ZARNS
  • Letícia Queiroz Ferreira Faculdade ZARNS
  • Ricardo Silva Tavares Centro Universitário de Goiatuba
  • Lucivânia Marques Pacheco Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.36560/17120241844

Palavras-chave:

alimentação, alimentos ultraprocessados, crianças

Resumo

Introdução: Os alimentos in natura foram substituídos pelos processados e por ultraprocessados e um fator que contribui para a adesão a essa alimentação nos primeiros anos de vida das crianças foi que as mulheres, que antes eram responsáveis pela alimentação em suas casas, foram inseridas no mercado de trabalho. Objetivo: Este estudo tem como objetivo analisar a prevalência do consumo de alimentos ultraprocessados entre crianças de 6 a 24 meses atendidas no CAIS de Itumbiara. Metodologia: A pesquisa realizará um estudo transversal exploratório de abordagem quantitativa. O estudo será realizado no CAIS - Centro de Atenção Integrada à Saúde por meio de aplicação de questionário. Resultado Encontrado: A respeito dos alimentos dispensados as crianças, todos os cuidadores relataram dar água a elas e mais da metade dessas crianças consomem suco (54,40%), iogurte (51,50%), biscoito (64,70%) e bolacha (69,10%). Aproximadamente um terço dessas crianças consomem também chá (35,60%), café (33,80%), bebida láctea (32,40%), salgadinhos (35,30%) e doces em geral (36,80%). Os alimentos menos consumidos foram refrigerantes (25,00%), macarrão instantâneo (20,60%), papinhas industrializadas (22,10%) e gelatina (27,90%). Conclusão: O consumo de alimentos ultraprocessados está presente precocemente na alimentação das crianças menores de 24 meses de idade.

Referências

BATALHA, M.A.; FRANÇA, A.; CONCEIÇÃO, S.; SANTOS, A.M.D.; SILVA. F.S.; PADILHA, L.L.; SILVA, A. Processed and ultra-processed food consumption among children aged 13 to 35 months and associated factors. Caderno de Saúde Pública, 33:11, 2017.

CEDIEL, G.; REYES, M.; DA COSTA, L.M.L et al. Ultra-processed foods and added sugars in the Chilean diet. Public Health Nutr 21, 125–133, 2018.

COSTA, C.S.; DEL-PONTE, B.; ASSUNCAO, M.C.F et al. Consumption of ultra-processed foods and body fat during childhood and adolescence: a systematic review. Public Health Nutr 21, 148–159. 7, 2018.

DE SOUZA, M.S.; VAZ, J.D.S.; MARTINS-SILVA, T.; et al. Ultra-processed foods and early childhood caries in 0–3-year-olds enrolled at Primary Healthcare Centers in Southern Brazil. Public Health Nutr ;24:3322–3330, 2021.

GIESTA, J.M.; ZOCHE, E.; CORRÊA, R.S et al. Fatores associados à introdução precoce de alimentos ultraprocessados na alimentação de crianças menores de dois anos. Ciencia & saude coletiva, v. 24, p. 2387-2397, 2019.

LEFFA,P.S.;HOFFMAN,D.J.;RAUBER,F.;et al. Longitudinal associations between ultra-processed foods and blood lipids in childhood. Br. J. Nutr, 124:341–348, 2020.

LONGO-SILVA, G.; TOLONI, M.H.A.; MENEZES, R.C.E. et al. Introduction of soft drinks and processed juice in the diet of infants attending public day care centers. Revista Paulista de Pediatria, v. 33, p. 34-41, 2015.

LOPES, W.C.; PINHO, L.; CALDEIRA, A.P. et al. Consumo de alimentos ultraprocessados por crianças menores de 24 meses de idade e fatores associados. Revista Paulista de Pediatria, v. 38, 2020.

LOUZADA, M.L.D.C.; RICARDO, C.Z.; STEELE, E.M. et al.The share of ultra-processed foods determines the overall nutritional quality of diets in Brazil. Public Health Nutr 21, 94–102, 2018.

MARRÓN-PONCE, J.A.; SÁNCHEZ-PIMIENTA, T.G.; LOUZADA, M. et al. Energy contribution of NOVA food groups and sociodemographic determinants of ultra-processed food consumption in the Mexican population. Public Health Nutr 21, 87–93, 2018.

MONTEIRO, C.A.; CANNON, G.; LEVY, R.B. et al. NOVA. The star shines bright. World Nutr 7, 28–38, 2016.

MONTEIRO, C.A.; LEVY, R.B.; CLARO, R.M. et al. Aumento do consumo de alimentos ultraprocessados e provável impacto na saúde humana: evidências do Brasil . Saúde Pública Nutr 14 , 5–13, 2011.

MOUBARAC, J.C.; BATAL, M.; LOUZADA, M.L. et al. Consumption of ultra-processed foods predicts diet quality in Canada. Appetite 108, 512–520, 2017.

PEDRAZA,D.F.; SANTOS, E.E.S. Marcadores de consumo alimentar e contexto social de crianças menores de 5 anos de idade. Cadernos Saúde Coletiva, v. 29, p. 163-178, 2021.

POWELL, F.; FARROW, C.; MEYER, C.; HAYCRAFT, E. The stability and continuity of maternally reported and observed child eating behaviours and feeding practices across early childhood. Int. J. Environ. Res. Public Health;15:1017, 2018.

RAUBER, F.; LOUZADA, M.L.C.; STEELE, E.M et al. Ultra-processed food consumption and chronic non-communicable diseases-related dietary nutrient profile in the UK (2008–2014). Nutrients 10, 587, 2018.

SPANIOL, A.M.; DA COSTA, T.H.M.; SOUZA, A.M.; GUBERT, M.B. Early consumption of ultra-processed foods among children under 2 years old in Brazil. Public Health Nut ;24:3341–3351, 2021.

SPARRENBERGER, K.; FRIEDRICHA, R.R.; SCHIFFNER, M.D et al. Ultra-processed food consumption in children from a Basic Health Unit. Jornal de Pediatria, v. 91, p. 535-542, 2015.

VIEIRA, G.O.; SILVA, L.R.; VIEIRA, T.O et al. Hábitos alimentares de crianças menores de 1 ano amamentadas e não-amamentadas. Jornal de Pediatria, v. 80, n. 5, p. 411-416, 2004.

Publicado

2023-12-24

Como Citar

Perez, P. ., Gonçalves, B. R., Gonçalves Aguiar, A. L. ., Ferreira Vasconcelos, B. ., Peixoto Carvalho, G. ., Queiroz Ferreira, L., Silva Tavares, R., & Marques Pacheco, L. . (2023). Análise da prevalência de consumo de alimentos ultraprocessados entre crianças de 6 a 24 meses atendidas em um município de Goiás. Scientific Electronic Archives, 17(1). https://doi.org/10.36560/17120241844