Eficiência de Bacillus spp. no controle de Colletotrichum musae em banana

Autores

  • Solange Maria Bonaldo Universidade Federal de Mato Grosso
  • Francieli Fernanda Mallman Universidade Federal do Mato Grosso
  • Juliana Aparecida da Silva Universidade Federal do Mato Grosso
  • Heitor Augusto Sella Universidade Federal do Mato Grosso
  • Sylvia Raquel Gomes Moraes Universidade Federal de Mato Grosso
  • Gabriel Mendonça Guerino Universidade Federal do Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.36560/15720221554

Palavras-chave:

Antracnose, controle biológico, Musa spp., bactéria

Resumo

O Brasil é um dos maiores produtores de banana do mundo, entretanto sua produtividade é afetada por doenças pós-colheita como a antracnose. Assim, o objetivo foi avaliar o efeito de Bacillus subtilis e Bacillus methylotrophicus, comparado à ação de fungicida no controle da antracnose em pós-colheita. Para isto, frutos de banana (Musa spp.) na fase 1 de maturação foram submetidos aos seguintes tratamentos: testemunha, sem tratamento; Rizosog (B. subtilis) (1,5 mL L-1), Ônix®og (B. methylotrophicus) (90,9 mL L-1) e fungicida tiofanato-metílico (1mL L-1), em que para cada tratamento empregou-se 10 frutos. Pode-se observar que a testemunha diferiu estatisticamente dos demais tratamentos, apresentando valor de área abaixo da curva de progresso da doença (AACPD) superior aos demais, enquanto o tratamento com B. subtilis foi o mais eficiente com menor valor de AACPD. Os tratamentos B. methylotrophicus (AACPD= 143,35) e fungicida (AACPD= 185,5) não diferiram entre si, entretanto apresentaram diferenças significativas em comparação aos frutos tratados com B. subtilis (AACPD= 23,15). No quarto dia após a imersão dos frutos todos os tratamentos apresentaram a mesma maturação fisiológica, porém nas demais avaliações os frutos tratados com B. subtilis apresentaram maior durabilidade pós-colheita, com menor índice de maturação fisiológica.

Referências

BARBOSA, G.C.; COSTA F.A.; COSTA A.C.; ULHOA C. J. Avaliação do potencial de isolados de Trichoderma spp. nativos do estado de Mato Grosso do Sul contra fungo Colletotrichum musae. Brazilian Journal of Development, v.7, n.3, p. 29484- 29502, 2021.

BASTOS, C.N.; ALBUQUERQUE, P.S.B. Efeito do óleo de Piper aduncum no controle em pós-colheita de Colletotrichum musae em banana. Fitopatologia Brasileira, v.29, n.5, p.255-7, 2004.

CAMPBELL, C. L.; MADDEN, L. V. Introduction to plant disease epidemiology. New York: J. Wiley, 532p., 1990.

CANTERI, M.G.; ALTHAUS, R.A.; VIRGENS FILHO, J.S. das; GIGLIOTI, E.A.; GODOY, C.V. SASM-Agri: Sistema para análise e separação de médias em experimentos agrícolas 41 pelos métodos Scott-Knott, Tukey e Duncan. Revista Brasileira de Agrocomputação, v.1, p.18-24, 2001.

CELOTO, M.I.B. Atividade antifúngica de extratos de melão-de-são-caetano (Momordica charantia L.) sobre Colletotrichum musae (Berk. & Curtis) Arx. 2005. 74 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia – área de concentração Sistemas de Produção) – Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, Universidade Estadual Paulista, 2005.

CORDEIRO, Z.J.; FILHO, P.E.; RITZINGER, C.H.; MATOS, A.P. Cultivo de Banana Irrigada no Submédio São Francisco. Embrapa Mandioca e Fruticultura, 2a edição; p. 23- 29, 2014.

CORDEIRO, Z.J.M.; MATOS, A.P.; KIMATI, H. Doenças da bananeira. In KIMATI, H. et al. (Ed.) Manual de Fitopatologia. 5 ª ed. v. 2. São Paulo: Agronômica Ceres, p. 109-123. 2016.

COSTA, F. M. Curvas de progresso de doenças foliares do milho, sob diferentes tratamentos fungicidas. 49 f. (Dissertação de mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, Brasil, 2007.

FERNANDES, S.; BONALDO, S.M. Controle de antracnose (Colletotrichum musae) e conservação em pós-colheita de banana nanica no norte de Mato Grosso. Enciclopédia Biosfera, v.7, p.237-247, 2011.

JEFFRIES, P.; DODD, J.C.; JEGER, M.J.; PLUMBLEY, R.A. The biology and control of Colletotrichum species on tropical fruit crops. Plant Pathology, v.39, p.343-366, 1990.

LORENZETTI, E.; SOUZA D. H. G.; TARTARO J.; STANGARLIN J. R.; BRAGA G. C. Formulado de Alecrim no controle de Antracnose e conservação em pós-colheita de banana Nanicão. Multi- Science Journal, v.2, n.2, p.16-19, 2019.

MORAES, W.S.; ZAMBOLIM, L.; LIMA, J.D. Quimioterapia de banana ‘prata anã’ no controle de podridões em pós-colheita. Arquivos do Instituto Biológico, v.75, n.1, p.79-84, 2008.

PESSOA, W.R.L.S.; OLIVEIRA, S.M.A.; DANTAS, S.A.F.; TAVARES, S.C.C. H.; SANTOS, A.M.G. Efeito da temperatura e período de molhamento sobre o desenvolvimento de lesões de Colletotrichum musae em banana. Summa Phytopathologica, v.33, n.2, p.147-151, 2007.

SENHOR, R. F.; SOUZA, P. A.; ANDRADE NETO, R. C.; MARACAJÁ, P. B.; NASCIMENTO, F. J. Manejo de doenças pós-colheita. Revista Verde. v.4, n.1, p.00-13, 2009.

SILVEIRA, N.S.S.; MICHEREFF, S.J.; SILVA, I.L.S.S.; OLIVEIRA, S.M. A. Doenças fúngicas pós-colheita em frutas tropicais: patogênese e controle. Caatinga, v.18, n.4, p. 283-299, 2005.

SILVA, L. M.; BARBOSA, M. G.; FERNANDES, M. B.; RIBEIRO, R. C. F.; MIZOBUTSI, E. H. Progresso temporal e controle da antracnose em banana no semiárido norte mineiro. Revista Brasileira de Fruticultura, v.38, n.1, p.81-91, 2016.

SOARES, J.M.S.; SILVA, M.S.; NASCIMENTO, F.S.; GONÇALVES, Z.S.; SOUZA, T.R.; RODRIGUES, T.C.; SOUSA, Y.M.; SOUZA, H.B.F. Preferências dos consumidores de banana quanto à qualidade do fruto em Cruz das Almas –BA. Revista Agrária Acadêmica, v.3, n.6, p.86-95, 2020.

SPONHOLZ, C.; BATISTA, U.G.; ZAMBOLIM, L.; SALOMÃO, L.C.C.; CARDOSO, A.A. Efeito do tratamento hidrotérmico e químico de frutos de banana ‘prata’ no controle da antracnose em pós-colheita. Fitopatologia Brasileira, v.29, n.5, p.480-485. 2004.

VON LOESECKE, H. Bananas, 2nd ed. New York: InterScience, 1950.

Publicado

2022-06-30

Como Citar

Bonaldo, S. M., Mallman, F. F. ., Silva, J. A. da ., Sella, H. A. ., Moraes, S. R. G. ., & Guerino, G. M. . (2022). Eficiência de Bacillus spp. no controle de Colletotrichum musae em banana. Scientific Electronic Archives, 15(7). https://doi.org/10.36560/15720221554

Edição

Seção

Ciências Agrárias